Apesar da alta radiação, evacuados de Fukushima são forçados a voltar para casa

O Greenpeace e outras ONGs denunciaram nesta terça-feira que o governo japonês está “forçando” os evacuados de Fukushima a retornar a seus lares em zonas próximas à central acidentada e declaradas seguras, apesar dos elevados níveis de radioatividade.

Uma plataforma de ONGs acusou hoje o Executivo de “tentar normalizar a situação em Fukushima” e de “vulnerar os direitos humanos” dos evacuados, cinco dias antes do sexto aniversário do pior acidente nuclear desde o ocorrido em Chernobyl (Ucrânia) em 1986.

Estas são as conclusões de um relatório realizado pelo Greenpeace Japão, Human Rights Now e outras ONGs japonesas, e baseado em medições da radioatividade em áreas próximas à usina de Fukushima Daiichi.

O documento afirma que a radiação em grande parte da cidade Iitate – declarada habitável a partir de abril – supera amplamente o umbral seguro para a saúde humana.

As ONGs detectaram níveis de até 2,61 milisieverts anuais, mais do que o dobro do teto de 1 milisievert recomendado pela Comissão Internacional de Proteção Radiológica (CPR), e que acumulado representa “um sério risco a longo prazo para que os retornam a seus lares”.

Os níveis são ainda maiores em zonas florestais de Iitate, que correspondem a 75% do município, onde a radioatividade “é comparável à zona de exclusão de Chernobyl”, na qual o acesso segue proibido mais de 30 anos depois do acidente.

Estas doses de radiação representam “um perigo muito mais elevado” para mulheres e crianças, grupos demográficos “muito mais vulneráveis à radiação acumulada” do que os homens adultos.

“Não há retorno possível à normalidade em Iitate”, afirmou o especialista do Greenpeace Kendra Ulrich, que acrescentou que à indústria atômica “não interessa que exista uma ampla zona de exclusão, já que simboliza a irreversibilidade de um acidente nuclear”.

Além disso, no final de mês terminará o programa de ajudas estatais para os evacuados de Fukushima consistente em alojamentos temporários gratuitos ou casas de aluguel subvencionadas.

O Estado custeava estas despesas tanto para os originais de municípios dentro da zona de exclusão – uma área que se reduziu de forma paulatina graças às tarefas de descontaminação – como para os que deixaram seus lares “de forma voluntária”.

Cerca de 12 mil pessoas ficarão sem estas ajudas em abril, o que na prática significa “uma coação econômica e um vulneração deliberada de seus direitos básicos”, segundo Ulrich.

O governo, no entanto, seguirá pagando durante um ano estes subsídios aos que residiam naquelas localidades que permanecem dentro da “zona de exclusão”.

“É um crime fazer as pessoas voltarem a zonas que não são seguras. Estamos sendo abandonados pelo governo”, afirmou Noriko Matsumoto, representante de um centro de ajuda a evacuados e colaboradora do relatório.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Agora sabemos sobre o que os orangotangos estão conversando: estudo

Um novo estudo da Universidade de Exeter desvendou a linguagem secreta dos orangotangos, descobrindo o que significam 11 sinais vocais e 21 gestos. Os pesquisadores passaram dois anos filmando mais de 600 horas do comportamento …

Cientistas desenvolvem holograma com som e toque iguais aos de Star Wars

Quando pensamos em desenvolver tecnologias baseadas nos filmes de Star Wars, a primeira, segunda e terceira coisa que passa pela cabeça dos fãs é a criação de sabres de luz da vida real. Mas, para os …

Secom diz que não há 'indicativo de câncer de pele' em Bolsonaro

Após o presidente Jair Bolsonaro declarar que tinha feito exame para investigar "possível câncer de pele", a Secretaria de Comunicação da Presidência disse por nota que não havia qualquer indicativo da doença. O chefe de Estado …

Evo Morales vai fazer da Argentina o seu comitê de campanha para as eleições na Bolívia

Em uma operação secreta, o ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, chegou à Argentina de onde vai comandar a campanha do seu partido para as próximas eleições. Depois de passar quase um mês no México, …

Boris Johnson vence por ampla margem no Reino Unido

O Partido Conservador do atual primeiro-ministro, Boris Johnson, conquistou a maioria absoluta dos assentos no Parlamento do Reino Unido nas eleições realizuadas nesta quinta-feira (12/12) no país. Esse resultado eleitoral garante ao premiê o número …

Simples e atemporal, azul clássico é a cor de 2020, segundo a Pantone

A cor do ano de 2020 será o Classic Blue, um azul clássico que oferece estabilidade e conexão. Quem diz isso é a Pantone, a principal empresa de cores do mundo, que oferece o sistema …

Segredos do idioma dos orangotangos são revelados

Um novo estudo da Universidade de Exeter (Inglaterra) desvendou a linguagem secreta dos orangotangos, descobrindo o que significam 11 sinais vocais e 21 gestos. Os pesquisadores passaram dois anos filmando mais de 600 horas do comportamento …

Exaustos com o Brexit, britânicos vão às urnas pela quarta vez em quatro anos

O Reino Unido está indo às urnas nesta quinta-feira (12) para o que está sendo chamada de a eleição mais importante desta era. Os britânicos estão diante de duas escolhas: apoiar o primeiro-ministro conservador Boris Johnson e …

VÍDEO da NASA revela degelo dramático das geleiras do Alasca

Vídeo recém-publicado mostra derretimento de geleiras e calotas de gelo do Alasca visto do espaço. Algumas imagens revelam mudanças de quase 50 anos, e dão aos cientistas novas ideias relacionadas aos efeitos das mudanças climáticas …

Greta Thunberg é eleita Pessoa do Ano pela "Time"

Revista dedica capa à jovem adolescente sueca por liderar a maior manifestação pelo clima na história da humanidade e diz que mudanças significativas raramente ocorrem sem a força mobilizadora de indivíduos influentes. A ativista sueca Greta …