Apesar da alta radiação, evacuados de Fukushima são forçados a voltar para casa

O Greenpeace e outras ONGs denunciaram nesta terça-feira que o governo japonês está “forçando” os evacuados de Fukushima a retornar a seus lares em zonas próximas à central acidentada e declaradas seguras, apesar dos elevados níveis de radioatividade.

Uma plataforma de ONGs acusou hoje o Executivo de “tentar normalizar a situação em Fukushima” e de “vulnerar os direitos humanos” dos evacuados, cinco dias antes do sexto aniversário do pior acidente nuclear desde o ocorrido em Chernobyl (Ucrânia) em 1986.

Estas são as conclusões de um relatório realizado pelo Greenpeace Japão, Human Rights Now e outras ONGs japonesas, e baseado em medições da radioatividade em áreas próximas à usina de Fukushima Daiichi.

O documento afirma que a radiação em grande parte da cidade Iitate – declarada habitável a partir de abril – supera amplamente o umbral seguro para a saúde humana.

As ONGs detectaram níveis de até 2,61 milisieverts anuais, mais do que o dobro do teto de 1 milisievert recomendado pela Comissão Internacional de Proteção Radiológica (CPR), e que acumulado representa “um sério risco a longo prazo para que os retornam a seus lares”.

Os níveis são ainda maiores em zonas florestais de Iitate, que correspondem a 75% do município, onde a radioatividade “é comparável à zona de exclusão de Chernobyl”, na qual o acesso segue proibido mais de 30 anos depois do acidente.

Estas doses de radiação representam “um perigo muito mais elevado” para mulheres e crianças, grupos demográficos “muito mais vulneráveis à radiação acumulada” do que os homens adultos.

“Não há retorno possível à normalidade em Iitate”, afirmou o especialista do Greenpeace Kendra Ulrich, que acrescentou que à indústria atômica “não interessa que exista uma ampla zona de exclusão, já que simboliza a irreversibilidade de um acidente nuclear”.

Além disso, no final de mês terminará o programa de ajudas estatais para os evacuados de Fukushima consistente em alojamentos temporários gratuitos ou casas de aluguel subvencionadas.

O Estado custeava estas despesas tanto para os originais de municípios dentro da zona de exclusão – uma área que se reduziu de forma paulatina graças às tarefas de descontaminação – como para os que deixaram seus lares “de forma voluntária”.

Cerca de 12 mil pessoas ficarão sem estas ajudas em abril, o que na prática significa “uma coação econômica e um vulneração deliberada de seus direitos básicos”, segundo Ulrich.

O governo, no entanto, seguirá pagando durante um ano estes subsídios aos que residiam naquelas localidades que permanecem dentro da “zona de exclusão”.

“É um crime fazer as pessoas voltarem a zonas que não são seguras. Estamos sendo abandonados pelo governo”, afirmou Noriko Matsumoto, representante de um centro de ajuda a evacuados e colaboradora do relatório.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Eleição na Bolívia: Resultados parciais indicam 2º turno inédito entre Evo Morales e Carlos Mesa

Com quase 90% dos votos contabilizados, resultados parciais da eleição realizada neste domingo na Bolívia indicam que o atual presidente Evo Morales não teve votos suficientes para garantir já sua vitória, caminhando para disputar com …

Voo mais longo e sem escalas da história pousou em Sydney

O voo mais longo e sem escalas da história pousou nesse domingo (20) em Sydney, 19 horas e 16 minutos após a decolagem, em Nova York. Foi um teste da companhia australiana Qantas, que pretende …

Governo brasileiro publica lei que agiliza venda de bens do tráfico de drogas

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei 13886/19, que pretende acelerar a destinação de bens apreendidos ou sequestrados que tenham vinculação com o tráfico ilícito de drogas. Essa lei, que converte a Medida Provisória nº 885, …

Criaram uma bebida com probióticos geneticamente modificados para prevenir ressacas

Beber moderadamente pode ser garantia de uma noite especialmente divertida, mas quem se aventura pelos bares da vida sabe que basta um pequeno erro de cálculo ou deslize nos preparativos – como, por exemplo, esquecer …

Manifestantes desafiam proibição em Hong Kong

Milhares voltam às ruas, apesar de governo ter proibido protestos na região semiautônoma, e são recebidos com jatos d'água e gás lacrimogêneo. Há quatro meses, colônia britânica atravessa a sua maior crise política. Milhares de manifestantes …

Brexit pode causar ao Brasil perdas anuais de exportações de mais de US$ 700 milhões

Nas próximas semanas, empresários e exportadores brasileiros deverão acompanhar com grande atenção os capítulos finais da novela do Brexit, como é chamada a saída do Reino Unido da União Europeia. Isso por que, a depender de …

Motivos de artrópodes se moverem em fila indiana há 480 anos são revelados

Um novo estudo revela que os fósseis de artrópodes descobertos em fila podem indicar um comportamento coletivo devido a fatores ambientais. O estudo publicado pela revista Scientific Reports sugere que o comportamento em grupo de trilobitas …

Arqueólogos encontram 20 sarcófagos de madeira perto de Luxor

Arqueólogos encontraram mais de 20 caixões antigos de madeira, ainda coloridos, na necrópole de Asasif, em Tebas, na margem oeste do rio Nilo, próximos à cidade de Luxor, no Egito. Os caixões estavam posicionados em duas …

Mão robótica aprendeu sozinha como solucionar o cubo de Rubik

Provavelmente você já deve ter passado pelo desafio de deixar o cubo de Rubik, mais conhecido como cubo magico, com as cores das faces iguais. Saiba que uma mão robótica conseguiu resolver teste desafio sozinha. Provavelmente …

Planalto suspende indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada nos EUA

O Palácio do Planalto decidiu deixar em suspenso a indicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, para assumir a embaixada brasileira nos Estados Unidos, em meio a uma crise política …