Professores da Unicamp criam vila para que possam envelhecer juntos

Professores da Unicamp tinham a ideia de envelhecer juntamente dos amigos. Por isso, criaram um projeto de moradia chamado Vila ConViver, uma espécie de comunidade para que possam aproveitar a velhice.

A ideia surgiu em 2014, de um grupo de trabalho sobre as chamadas cohousings – moradias criadas e administradas pelos próprios idosos, que decidem entre amigos como e onde querem viver a aposentadoria.

A associação formada por professores sindicalizados aposentados (Adunicamp) já conta com quase 200 pessoas.

Sérgio Mühlen, de 61 anos, lembra quando uma ex-colega teve que se mudar para uma casa de repouso depois de ficar doente. Foi nesta época que percebeu a necessidade de planejar a vida como aposentado. “Era a última coisa que ela queria”, recorda Sérgio.

Há cerca de um ano e meio, ele diz ter encontrado solução no modelo de cohousing. Juntou-se ao grupo de trabalho do Vila ConViver, que estuda implementar cohousings em uma área de 20 mil metros quadrados no subúrbio de Campinas.

O local irá abrigar, principalmente, professores aposentados da Unicamp. “Será uma comunidade sênior solidária, de apoio mútuo”, disse Mühlen.

Cerca de 70 pessoas participam do projeto e o custo será de cerca de R$ 400 mil por unidade, com pagamento mensal de R$ 3,5 mil. Todas as decisões serão tomadas em conjunto.

O ponto-chave é o convívio social. Por isso, há reuniões em que os participantes se dividem em grupos. “Diferentemente de um condomínio, onde se escolhe a casa, o preço e as facilidades, e depois se conhece o vizinho, é o oposto. Escolhemos os vizinhos, alinhados com nossos valores”, disse Mühlen.

“Os modelos de condomínios podem atingir uma parcela maior dessa população [mais velha], pois é mais tradicional, em que a administração está sob responsabilidade de empresas”, disse Edgar Werblowsky, criador da Aging Free Fair, referência no debate sobre o tema.

Hoje, a Associação dos Docentes da Unicamp tem sido procurada por instituições e estudiosos ligados à questão de moradia e de moradia para idosos.

“Nossos estudos e a metodologia de preparação e formação do grupo que deu origem à Vila ConViver estão disponíveis para novos grupos da própria Unicamp, ou de fora, que queiram criar novas comunidades cohousings, tanto para a terceira idade como para multigerações, incluídas as com públicos específicos ou com necessidades especiais”, relata o professor Bento.

(dv) Adunicamp

A Vila

A Vila ConViver, prevista para ser inaugurada em 2020, foi projetada para docentes da Unicamp acima dos 50, aposentados ou em vias de se aposentar. O modelo escolhido, de cohousing, surgiu na Dinamarca na década de 1960 e se disseminou nos Estados Unidos e Canadá.

A disposição das moradias é feita para facilitar a proximidade de seus moradores, com áreas de lazer comunitárias, mas garantia de privacidade. As pessoas se socializam quando quiserem, mas há um sentimento de coletividade pelo mesmo tipo de atividade profissional do grupo.

A dos professores da Unicamp está voltada para moradores da terceira idade. “Muitas destas comunidades tem sido acompanhadas e estudas por especialista em gerontologia, antropologia, sociologia, psicologia e arquitetura”, diz o professor Bento da Costa Carvalho Jr., da diretoria da Adunicamp.

“Vários estudos mostram que esse modelo de moradia contribui, de forma decisiva, para uma vida mais longeva, com uma melhor saúde física e mental e, portanto, uma melhor qualidade de vida dos idosos, reduzindo ou eliminando doenças comuns na velhice, como a depressão, a demência senil e o Alzheimer”, acrescenta o professor.

De acordo com o SNB, pesquisas recentes apontam que os idosos modernos, de diferentes países, têm pelo menos quatro pontos comuns no que se refere à questão da moradia:

– Querem continuar morando em suas casas até o fim da vida.
– Não querem se mudar para a casa dos filhos.
– Não querem ser colocados em instituições para idosos.
– Querem manter sua autonomia e independência.

Ciberia // Só Notícia Boa

COMPARTILHAR

51 COMENTÁRIOS

  1. Sensacional! Emociona até. Tudo o que um idoso deseja, independente do seu grau de intelectualidade, condição financeira e estado físico e mental é companhia, amizade, carinho e compreensão. Confraternizar aumenta a expectativa de vida. Parabéns!

  2. Ha tempo que peço ao meu esposo que trabalha com empreendimentos para procurar saber de local e como seriam as casas. Já estamos com pouco mais de 60 anos. Ele ainda está ativo e eu também, mas não se sabe o dia”seguinte”, porém ele reluta deste assunto!

  3. Prefiro um hospício! Estas assembleias me levarão a relembrar o departamento e a loucura que é a Universidade. Imagino também o número gigantesco de regras e de controle social, além do politicamente correto. Não pode fazer churrasco, comer carne vermelha, fumar, se drogar, transar livremente. Nunca!

    • Viva a diferença! Seu ponto de vida é muito importante. A ideia dos professores é excelente, mas o princípio de realidade mais ainda. Nada de utopia, antes a antiutopia, sem glamourização. Tomara que essa experiência aconteça; pensem bastante na mensagem de Adriano Leon, bastante lúcida, mas sem generalização.

  4. Boa Tarde,
    Sensacional!!! Penso mto sobre esta fase. Sou aposentada, já com 65 anos. Meus filhos, não quero preocupa Los. Bela inniciativa, escolher depois da velhice,onde quer morar!! Não os filhos escolherem por nós. Parabéns!
    Carmen Lucia Lindemeyer/POA- RS

  5. Eu amei….
    Sempre pensei no meu amanhã…
    Tenho medo de envelhecer sozinha, tenho dois filhos e marido….mas tenho medo de nora…..
    Mas infelizmente nunca trabalhei na Unicamp….

    • Kkk. Medo de nora foi legal!
      Acho interessante essa ideia, mas nem precisa ser uma vila: poderia ser uma casa espaçosa, bonita, onde alguns amigos já com idade de aposentadoria viveriam bem, eles mesmos cuidando das despesas e contratando profissionais para cozinhar, manutenir e atender às necessidades de ajuda mais pessoais que o avanço na idade acarreta, dando, assim, a liberdade às pessoas de não serem obrigadas a ficarem aos cuidados (e incompreensões naturais da idade menor) dos filhos, genros, noras… Ou a irem para “casas de repousos” em que, muitas vezes, a impessoalidade dos presidentes, diretores e profissionais causa nos “internos”.

  6. Tenho interesse.
    Fui professora da PUC São Paulo.
    Hoje estou aposentada.
    Moro em São Paulo, mas gostaria de morar em Campinas. Tenho muitos amigos especialmente em Barão Geraldo.
    Se existir espaço para professores de outras universidades, gostaria de participar.
    Tenho 75 anos e moro sozinha na Vila Madalena, em São Paulo.
    Aguardo contato.
    Fone11 99687 0822.
    Obs. Os valores de compra e manutenção são compatíveis com minha disponibilidade financeira.

    • Rosane de Lourdes Silva Vianna. Concordo com Vera. Cuidado com a exposição de sua situação financeira e com a divulgação de seu telefone.

  7. Adriano, sua resposta foi ótima, kkkkkkkkkkk. Mas acredito que terão coisas boas também. Estar perto de amigos, longos bate papos, jogar um dominó. Conflitos fazem parte da vida. Gostaria de morar com meu velho em uma vila destas. Amei a idéia.

  8. Infelismente nem eu nem meu marido fomos professores. Somos servidores publicos aposentados mas em outras áreas. Estamos próximos dos 65 anos e embora ainda ativos já nos preocupamos com um futuro próximo e este tipo de moradia nos interessa muito. Residimos em Campinas e gostaríamos de saber onde procurar por este tipo de moradia.
    Grata,

    • Bom dia. Estamos com uma proposta muito semelhante para um local nas cercanias de SP. Se. Realmente lhe interessar, contate-me.

      • Olá Hisako, sou professora de espanhol, moro em Belém do Pará mas gostaria de saber de um local assim para viver pois tenho filha em São Paulo, porém não penso morar junto. Em 2 anos me aposento, sou viúva e quero morar em algo parecido a esse projeto da UNICAMP.
        Obrigada e sucesso no projeto.

  9. Especialmente sendo idoso é sim uma autêntica oportunidade para se experimentar em convívio e camaradagem. A velhice pode ser desobediente e provocadora.
    Não ficar em mundinho separado, aprimorar e propor políticas públicas para idosos é qualidade de vida.

  10. Aceitam ex-funcionários da Unicamp? Gostaria imenso de participar dessa vivência em comunidade. Aguardo seus comentários.

  11. Muito louvável iniciativa.
    Lembrei o Condomínio lindíssimo onde residia amiga em Bradentton, cidade da Flórida/EUA indo para Tallahasse/Capital da Flórida, no Norte da Florida.
    Todo ajardinado, florido, arborizaddo e bem cuidado, em rodovia com shoppings, diversos restaurantes, Mac Donald’s e etcs..
    Na entrada do Condominio, à esquerda um mini-Hospital, com ambulância e etcs..
    Dentro, diversas casas diferenciadas entre elas – de um ou dois pisos, 3 quartos, living, copa-cozinha americana, com varanda dos fundos aberta para vegetação e um rio protegido por vegetação.
    Bom seria se alguma imobiliária me contratasse para orientar o desenhista de modo a projetar bem satisfatoriament o empreendimento: coimbra@ibin.com.br
    Não basta ser bonito, tem que ser confortável, de fácil acesso e perto de centro comercial.

    • Bom dia. Lilita. Estamos montando um projeto muito parecido nas redondezas de SP. Procuramos pessoas como vc pois a proposta é também de compartilhar conhecimentos e habilidades. Sou também artista plástica. Contate-me

  12. Sensacional, o desejo de todo idoso. Eu tenho 72 anos, moro sozinha e sinto solidão, apesar de ter dois filhos que moram em estados diferentes. É assim mesmo, casam vão embora constituir suas famílias como nós fizemos também. Parabéns a Unicamp pela brilhante iniciativa !!!

  13. Boa noite! A ideia é bastante interessante!
    Sou graduada em gerontologia e acredito muito em ações nesse sentido.
    Queria entender um pouco melhor do projeto, saber se posso conhecer!
    O local é adaptado para pessoas idosas?! Existe um trabalho voltado à acessibilidade?!
    Parabéns pela iniciativa.

  14. É um modelo Condomínio não é?
    Em Viçosa MG, existe um condômino que foi sonhado, e realizado por um grupo de professores da UFV. Naquela epoca ( 1980) , a maioria deles eram Auxiliar de ensino.Excelente projeto que se tornou realidade. Criamos nossos filhos ali com o espírito de comunidade e fraternidade.
    A maioria dos que já aposentaram, continuam lá. E o espírito é de envelhecer por lá e lá ficar. Amizades e bom convivio é o que se presa.

  15. Tudo muito lindo e prático mais para um público privilegiado, antes se entendesse a todos sem acepção maissssss infelizmente a Unicmap sendo Unicamp para loucos ……

  16. boa tarde tenho um terreno de quase mil metros quadrados em um bairro de classe media alta em FORTALEZA -CE gostaria muito de construir chales espero que alguem se interesse e vamos que vamos

  17. A Secretaria da Habitação do Estado de São Paulo, em parceria com os municípios, desenvolve um programa habitacional chamado Vila Dignidade, para pessoas idosas de baixa renda.
    Vale conhecer o projeto.

  18. Vivi na Alemanha e conheci experiências fantásticas neste sentido. Tem para todos os gostos e públicos. Quem tiver interesse dê uma olhada no que rola lá fora também

  19. Muito interessante seu projeto Hisako Shima, gostaria de ter mais informações sobre ele. Poderia por gentileza fazer contato? Obrigada.

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Até os antigos egípcios faziam tarefa de casa

Uma tarefa de casa, escrita por uma criança do Antigo Egito, ficou preservada desde o segundo século a.C. – e as palavras podem parecer familiares até nos dias de hoje. Uma lição antiga preservada em uma …

Dinamarca avança com plano ambicioso de criar 9 ilhas na costa de Copenhague

O governo dinamarquês e a prefeitura de Copenhague, em conjunto com um gabinete de arquitectura e planejamento urbano, vão avançar com um ambicioso plano de criar nove ilhas na costa da capital do país. Um grandioso …

(cv) Euronews

Submarino alemão da Primeira Guerra Mundial aparece na costa da França

Os destroços de um submarino alemão da Primeira Guerra Mundial emergiram em uma praia de Wissant, no norte da França. Há décadas enterrada na areia, a carcaça enferrujada da embarcação naufragada em 1917 agora pode …

Não somos só o que comemos, “somos o que vemos” no dia a dia

No que diz respeito à saúde física, somos o que comemos. Mas e quanto à saúde mental? Segundo o médico David Fryburg, endocrinologista, somos o que vemos. Conforme aponta Fryburg, a comida é uma mistura complicada de fontes …

Detectados misteriosos sinais de rádio de galáxia a 1,5 bilhão de anos-luz

Uma equipe de cientistas do Canadá detectou sinais de rádio provenientes de uma galáxia a 1,5 bilhões de anos-luz de distância da Terra. As rajadas rápidas de rádio, impulsos de energia com duração de apenas alguns …

Companhia aérea portuguesa é a primeira a voar sem qualquer plástico a bordo

A companhia aérea portuguesa Hi Fly tornou-se a primeira do mundo a voar sem qualquer plástico a bordo. A viagem aconteceu no dia 26 de dezembro. De acordo com o comunicado da companhia, o voo teve origem em …

Overstock é a primeira empresa norte-americana a pagar impostos com bitcoins

A Overstock é a primeira empresa norte-americana com presença nacional a anunciar que pagará os impostos no estado do Ohio com bitcoins, opção disponível desde novembro do ano passado. A Fortune informou, na semana passada, que a decisão da …

Jovem que criou plástico de maracujá será a primeira brasileira a assistir ao Nobel

Juliana Davoglio se tornou a primeira jovem brasileira da história a ser selecionada para acompanhar uma cerimônia do Prêmio Nobel. Ela foi a aluna que criou o plástico feito a partir da sobra de Maracujá. A …

Afinal, a mordida do T-rex não era assim tão impressionante

O Tyrannosaurus rex, conhecido por ser uma das criaturas mais terríveis que já existiu, não tinha uma mordida assim tão impressionante, tendo em conta o tamanho do seu corpo. Novas análises feitas por cientistas da Universidade de …

Superterra potencialmente habitável é descoberta a 224 anos-luz

Pesquisadores da Universidade de Oviedo descobriram e caracterizaram um planeta na zona habitável de uma estrela anã vermelha. Uma equipe de cientistas da Universidade de Oviedo e do Instituto de Astrofísica das Canárias (IAC) descobriram e …