A médica que foi obrigada a se cobrir em avião por causa de ‘roupa inapropriada’

“Inadequada.” Assim foi classificada a roupa da médica americana Tisha Rowe, 37, por um comissário de bordo da American Airlines em um voo da Jamaica para os Estados Unidos no dia 30 de junho.

O funcionário da companhia aérea pediu para a mulher para “cobrir seu corpo”. Em sua conta do Twitter, ela relata ter se sentido envergonhada e humilhada após o pedido. O tuíte em que mostrou as roupas que ele usava naquele dia foi compartilhado milhares de vezes na rede social.

“Esta é a roupa que eu estava usando quando @AmericanAir pediu que eu saísse do avião para uma conversa. Nesse momento, eu fui orientada a me ‘cobrir’. Ao defender a minha roupa, eu fui ameaçada de não voltar ao voo, a menos que eu caminhasse pelo corredor enrolada em um cobertor”, diz o tuíte de Rowe.

“O mesmo coração, mesmo cérebro, o mesmo título. A mesma pessoa que salvaria sua bunda se houvesse uma emergência no avião”, escreveu Rowe em outra mensagem. Dias depois, a companhia pediu desculpas pelo ocorrido.

Mas o que ocorreu exatamente?

Rowe estava em um voo de Kingston para Miami com seu filho de oito anos quando o incidente ocorreu. A médica disse que uma aeromoça pediu para que ela saísse do avião e logo descreveu sua roupa como “inapropriada” para voar e perguntou se ela tinha um casaco para “se cobrir”.

Depois de fracassarem suas tentativas de defender a roupa e seu filho começar a ficar perturbado, Rowe se sentiu obrigada a colocar um cobertor em torno de sua cintura e voltar para o seu assento com um sentimento de “humilhação”.

“Para mim, nunca houve qualquer empatia ou desculpas, nenhuma tentativa de manter a minha dignidade em toda a situação”, disse ao Buzzfeed News.

Acusação e pedido de desculpas

Rowe acusou a companhia de racismo e discriminação contra seu tipo de corpo. “Somos vigiados por sermos negros”, escreveu ela em um tuíte. “Nossos corpos estão muito sexualizados como mulheres e temos de ajustá-los para fazer com que todos ao nosso redor se sintam confortáveis.” “Eu vi mulheres brancas com shorts curtos, muito mais curtos, a bordo de um avião.”

Na terça-feira, a companhia aérea disse que tinha se desculpado com Rowe e seu filho, e reembolsado as tarifas deles. “Estávamos preocupados com os comentários de Rowe. Nos comunicamos com ela e com nossa equipe no aeroporto de Kingston para reunir mais informações sobre o que aconteceu”, disse uma porta-voz em um comunicado à imprensa dos EUA.

“Estamos orgulhosos de servir clientes de todas as origens e comprometidos em proporcionar uma experiência segura e positiva para todos que voam conosco”, acrescentou.

Em 2017, a Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor (NAACP, sua sigla em inglês) emitiu um “aviso de viagem nacional” nos Estados Unidos pela American Airlines, citando “possível viés racial” e “incidentes perturbadores”. Mais tarde, eles suspenderam o alerta em 2018, depois de trabalhar com eles por um ano em iniciativas para treinar funcionários para identificar e prevenir atitudes racistas.

// BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Com abstenção recorde de 51,5%, ministro da Educação considera Enem um 'sucesso'

A abstenção no primeiro dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, realizado neste domingo (17), foi recorde e atingiu 51,5%. O nível de abstenção supera o pior índice registrado até agora, em 2009, quando …

Álcool danifica o cérebro na adolescência

Se nós confiarmos apenas nas propagandas parece que o álcool de uma cerveja, uma taça de vinho ou de algum destilado serve apenas para unir as pessoas e deixá-las alegres. Mas o álcool pode ter …

Joe Biden reverterá políticas trumpistas logo após posse

Já nas primeiras horas após assumir, novo chefe de Estado americano assinará uma série de decretos presidenciais abordando pandemia, dificuldades da economia nacional, injustiça racial e mudança climática. O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, …

Rússia prende opositor Alexei Navalny no desembarque em Moscou

O Serviço Prisional Russo (FSIN) confirmou ter prendido o opositor Alexei Navalny neste domingo, na chegada dele a Moscou. O Kremlim o acusa de ter violado as condições de uma pena de prisão suspensa …

Ikea agora vende mini casas móveis para quem quer uma vida simples, livre e sustentável

Quem sonha com uma vida mais nômade, livre de amarras e principalmente ecologicamente correta poderá encontrar na IKEA uma parceira capaz de tornar tal sonho em realidade: em uma casa móvel, sustentável, bonita e praticamente …

O zumbido de fundo do universo pode ter sido ouvido pela primeira vez

Baseado no que sabemos sobre ondas gravitacionais, o Universo deve estar cheio delas. Cada par de buracos negros ou estrelas de nêutrons e colisão, cada supernova com núcleo em colapso — até mesmo o próprio …

"Não comemorei ou me orgulhei de ter banido Trump do Twitter", diz Jack Dorsey

Em uma série de tuítes, Jack Dorsey, cofundador e CEO do Twitter, defendeu o banimento de Donald Trump da rede social na última sexta-feira (8). Segundo o executivo, essa foi a medida certa para a …

EUA adicionam Xiaomi e mais 8 empresas chinesas à lista de companhias ligadas a militares

Departamento de Defesa dos EUA lista Xiaomi e mais oito empresas por ligações com militares chineses. Para analistas, a listagem é um "frenesi final" do governo Trump em sua campanha anti-China. Na quinta-feira (14), o Departamento …

Petrobras é a segunda maior do mundo em operações no oceano

Entre as 100 maiores corporações transnacionais que operam nos oceanos mundo afora, a Petrobras aparece em segundo lugar. A lista, divulgada nesta quarta-feira (13/01), é parte de uma pesquisa publicada na renomada revista Science Advances, …

Estudo detecta pela 1ª vez em que resulta colisão de 3 buracos negros

Um novo estudo da agência espacial norte-americana NASA revela novas informações sobre o que acontece após colisões entre três buracos negros supermassivos. Com a ajuda do Observatório de Raios X Chandra, da NASA, e vários outros …