Biden rejeita críticas e defende decisão de retirar tropas do Afeganistão

Gage Skidmore / Wikimedia

Joe Biden, Presidente dos EUA

“Nossa missão jamais foi a de criar uma nação”, diz presidente americano. Ele admite ter sido surpreendido com avanços do Talibã, mas critica falta de resistência das autoridades e das forças de segurança afegãs.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, defendeu nesta segunda-feira (16/08) sua decisão de pôr fim à presença americana no Afeganistão e rejeitou as fortes críticas voltadas ao seu governo pela retirada caótica de militares e civis do país.

O americano condenou líderes e políticos afegãos que abandonaram o país na Ásia Central e abriram caminho para a tomada de poder pelo Talibã, e criticou a falta de resistência por parte das forças locais, que evitaram entrar em confrontos com os islamistas.

Biden ainda culpou seu antecessor, o ex-presidente Donald Trump, por ter fortalecido o Talibã durante seu governo e, segundo afirmou, deixado os insurgentes em sua melhor situação militar desde 2001, ano em que teve início a intervenção americana no país.

O governo Trump fechou um acordo com os islamistas que previa a retirada americana e estabelecia que, em contrapartida, o Talibã teria de negociar a paz com o governo afegão. Porém, logo que as tropas da coalizão internacional liderada pelos EUA começaram a deixar o país, os insurgentes deram início à sua ofensiva.

A decisão de Biden de retirar as tropas gerou críticas de aliados e adversários. Muitos afirmam que isso levou o governo afegão a entrar colapso em questão de poucos dias. Washington também vem sendo fortemente criticada pela retirada desordenada de civis americanos e funcionários da embaixada do país em Cabul.

“Mantenho com firmeza minha decisão”, disse o presidente na Casa Branca, em sua primeira aparição pública desde o rápido avanço dos islamistas, até a tomada de Cabul. “Depois de 20 anos, aprendi do jeito mais difícil que nunca haveria uma época ideal para realizar a retirada das tropas americanas. É por isso que ainda estávamos lá.”

Ele admitiu que Washington não contava com o êxito dos islamistas, e não poupou críticas ao presidente Ashraf Ghani, que abandonou o país, e aos líderes políticos afegãos. “Demos a eles todas as oportunidades para determinarem eles mesmos o seu futuro. Mas, não pudemos fornecer a eles a vontade de lutar por esse futuro.”

“A verdade é que as coisas aconteceram mais rapidamente do que prevíamos”, afirmou, ao se dizer surpreendido com a falta de resistência das autoridades locais e das forças de segurança. “Os líderes políticos afegãos desistiram e fugiram do país. Os militares afegãos desistiram, às vezes, sem sequer tentar lutar.”

Missão cumprida?

Os Estados Unidos e seus aliados invadiram o Afeganistão após os ataques de 11 de setembro de 2001 em Nova York e Washington, e retiraram do poder o Talibã, acusado de dar abrigo a terroristas da Al Qaeda, que estariam por trás dos ataques em solo americano.

“Chegamos ao Afeganistão há quase 20 anos com objetivos bem definidos: capturar aqueles que nos atacaram em 11 de setembro de 2001 e assegurar que a Al Qaeda não pudesse usar o Afeganistão como base para novos ataques. Conseguimos isso.”

“Jamais desistimos da caçada por Osama bin Laden, e o pegamos”, afirmou, em referência ao ex-líder da Al Qaeda, acusado de planejar os ataques de 2001. Bin Laden foi morto em 2011, numa operação de uma equipe de elite da Marinha americana no Paquistão.

“Nossa missão no Afeganistão jamais foi criar uma nação, nunca tivemos o objetivo de criar uma democracia unificada e centralizada”, sublinhou. O presidente disse que não tinha a intenção de arriscar as vidas de uma nova geração de soldados americanos em uma guerra que já deveria der sido encerrada há muito tempo.

“Nossos líderes fizeram isso no Vietnã quando estive lá na minha juventude. Não farei o mesmo no Afeganistão. Sei que minha decisão será criticada, mas prefiro receber todas essas críticas a repassar essa decisão para outro presidente.”

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …

Explosões deixam vários mortos em mesquita no Afeganistão

Ao menos 33 pessoas morrem após explosões em mesquita xiita durante a oração de sexta-feira. Testemunha diz ter visto homens-bomba. Incidente ocorre dias depois de ataque do "Estado Islâmico" contra xiitas no país. Fortes explosões atingiram …