Brasil sai da Copa de cabeça erguida, apesar de repetir erros do passado

A seleção brasileira se despediu nesta sexta-feira (7) da Copa do Mundo, ao ser derrotada nas quartas de final pela Bélgica por 2 a 1, e fechou assim um ciclo repleto de êxitos – embora com erros que se refletiram nesta eliminação – que foi iniciado em 20 de junho de 2016.

Foi naquela data que Tite assumiu o comando da seleção no lugar de Dunga, demitido após fracassos em duas edições de Copa América (em 2015 e 2016) e que havia fracassado na missão de apagar a vexatória campanha na Copa de 2014, em casa.

A eliminação diante da Bélgica não chega a ser traumática, como há quatro anos, com a goleada acachapante sofrida para a Alemanha por 7 a 1, em pleno Mineirão, ou como o passeio da França por 3 a 0, na final da edição de 1998. Nem mesmo pior que a derrota para a arquirrival Argentina por 1 a 0, nas oitavas de final em 1990, é verdade.

A badalada “ótima geração belga” ansiava derrubar uma grande seleção em uma Copa e se colocar entre as grandes potências do futebol mundial, ainda mais depois de vencer com muito sofrimento o Japão, o que trouxe desconfiança geral sobre Hazard, De Bruyne, Lukaku e outros. A má impressão foi apagada de forma brilhante, especialmente no primeiro tempo.

O Brasil chegou a se reeguer na etapa complementar, criou inúmeras oportunidades e até diminuiu a diferença no placar, com Renato Augusto. O meia entrou em campo quando a equipe melhorava, depois das entradas de Roberto Firmino e Douglas Costa. Este último foi o maior responsável pela pressão exercida sobre a Bélgica.

A mudança da cara da seleção, inclusive, aponta para um dos pontos fracos do trabalho de Tite, que antes da Copa só havia perdido uma partida, para a Argentina, em amistoso disputado em meados de 2017. No geral, houve pouca variação na forma de jogar, e resistência em ter uma alternativa ao 4-1-4-1 que deu certo com ele no Corinthians.

Vale lembrar que o Brasil conquistou vaga no Mundial com grande antecedência, mas poucos jogadores foram testados em partidas por competição, como contra Equador, Colômbia, Bolívia e Chile, disputadas já com passaporte para a Rússia assegurado.

Jogadores como Roberto Firmino e Douglas Costa, que terminaram a temporada em alta, não conseguiram superar Gabriel Jesus e Willian, que não foram bem nos jogos contra Suíça e Costa Rica, os dois primeiros da Copa. O meia-atacante da Juventus, é verdade, teve problemas musculares antes do torneio e também durante.

Nos cinco jogos disputados pelo Brasil, as mudanças sempre foram forçadas. Danilo deu lugar a Fagner por lesão, assim como Marcelo para Filipe Luís, no jogo das oitavas contra o México. Já no duelo com a Bélgica, Casemiro, suspenso, foi substituído por Fernandinho.

As alterações na forma de atuar aconteceram, exclusivamente, no decorrer dos jogos, como o contra a Costa Rica, no qual Firmino substituiu Paulinho, ou no duelo com os mexicanos, em que não foi necessário trocar jogador, mas houve uma mexida no sistema, que passou a ter dois atacantes mais próximos da área, Neymar e Gabriel Jesus.

As opções de banco, inclusive, viraram um calcanhar de Aquiles para Tite, que “abraçou” o grupo que o levou a liderar de forma tranquila as Eliminatórias e passar bem pelos amistosos, inclusive, com vitória por 1 a 0 sobre a Alemanha. Além dos goleiros Ederson e Cássio, os zagueiros Marquinhos e Geromel, o volante Fred e o atacante Taison não entraram em campo um minuto sequer no Mundial.

Há quatro anos, Luiz Felipe Scolari também recebeu muitas críticas por confiar na base conquistou a Copa das Confederações, sem dar chances ou demorar a apostar em jogadores que estavam em alta, como Miranda, Philippe Coutinho e Diego Costa, optando, por exemplo, por Henrique, Bernard e Jô, que não atravessavam o melhor momento na carreira.

Ao contrário do que se esperava, a seleção não exibiu um futebol exuberante, o que os estrangeiros gostam de chamar de “jogo bonito”. O máximo que conseguiu foi eficiência no duelo contra os sérvios, que valeu classificação às oitavas, e 45 minutos finais de muito ímpeto na vitória sobre os mexicanos.

A decepção maior acaba sendo não estar na reta final de uma Copa em que as seleções mais badaladas ficaram pelo caminho.

Em 2018, pela primeira vez o torneio não terá Brasil, Argentina, Alemanha, Itália ou Holanda na decisão. Dos campeões mundiais, restam apenas França, que já está nas semis, e Inglaterra, que pegará a Suécia, pelas quartas.

A realidade é a que o hexa não virá antes de 2022, quando será realizado o Mundial do Catar. Talvez ainda com Tite no comando. E que os erros do passado sigam como aprendizado para o futuro.

Bruno Guedes // EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Sinais de possível 1º exoplaneta fora da Via Láctea são detectados

Pela primeira vez na história, é possível que os cientistas tenham descoberto um planeta em outra galáxia. O possível exoplaneta recebeu o nome de M51-ULS-1 e se encontra a 28 milhões de anos-luz de distância na …

China vai vacinar crianças a partir de três anos contra a covid-19

Imunizantes aprovados são das farmacêuticas chinesas Sinopharm e Sinovac, fabricante da Coronavac. País será um dos primeiros a começar a vacinar essa faixa etária. No total, China já vacinou 76% da população. Ao menos cinco províncias …

"Bolsonaro ignora todas as necessidades culturais dos brasileiros", diz Gilberto Gil à revista Télérama

A imprensa francesa desta segunda-feira (25) destaca o show de Gilberto Gil nesta noite na Filarmônica de Paris. O músico brasileiro conversou com o jornal Le Monde e com a revista Télérama. "Gilberto Gil", embaixador …

"Peças extraordinárias" achadas na Indonésia podem ser da lendária "ilha do Ouro"

Tesouros no valor de milhões de dólares encontrados nos últimos cinco anos ao longo do rio Musi podem ser do antigo império malaio Serivijaia, na ilha de Sumatra, que por 300 anos dominou as rotas …

Pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", diz diretor da OMS

A pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", disse neste domingo (24) o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus. O representante da ONU discursou na abertura …

Google está “criando Deus”, alerta ex executivo da Google

Segundo um ex-executivo do Google, a singularidade está chegando. E, segundo ele isso representa uma grande ameaça para a humanidade. Mo Gawdat, ex-diretor de negócios da organização moonshot do Google, que na época se chamava Google …

Pandemia causa a maior redução na expectativa de vida desde a Segunda Guerra

Desde a descoberta do coronavírus SARS-CoV-2, mais de 4,9 milhões de pessoas morreram oficialmente em consequência da infecção, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins. Nesse cenário, a pandemia da covid-19 reduziu a expectativa de vida …

Forças Armadas da Noruega assinam contrato bilionário de mísseis para caças F-35

Noruega tem sido um parceiro ativo no programa de caças dos EUA F-35, tendo em conta que 18 empresas deste país nórdico são parceiros diretos. Subsequentemente, a Noruega decidiu adquirir 52 caças F-35 para substituir …

Brasil fez lobby para mudar relatório climático, diz Greenpeace

Vários países, entre eles o Brasil, tentaram fazer mudanças em um crucial relatório da ONU sobre como combater o aquecimento global, afirmou o Greenpeace nesta quinta-feira (21/10), citando um grande vazamento de documentos. Os documentos aos …

Site da Coreia do Sul é usado para hospedar vírus e distribuí-lo via torrents

Uma campanha de distribuição de malwares na Coreia do Sul está disfarçando cavalos de troia de acesso remoto como um jogo para o público adulto, compartilhado via serviço de hospedagem de arquivos, como o WebHard, …