Brasil sai da Copa de cabeça erguida, apesar de repetir erros do passado

A seleção brasileira se despediu nesta sexta-feira (7) da Copa do Mundo, ao ser derrotada nas quartas de final pela Bélgica por 2 a 1, e fechou assim um ciclo repleto de êxitos – embora com erros que se refletiram nesta eliminação – que foi iniciado em 20 de junho de 2016.

Foi naquela data que Tite assumiu o comando da seleção no lugar de Dunga, demitido após fracassos em duas edições de Copa América (em 2015 e 2016) e que havia fracassado na missão de apagar a vexatória campanha na Copa de 2014, em casa.

A eliminação diante da Bélgica não chega a ser traumática, como há quatro anos, com a goleada acachapante sofrida para a Alemanha por 7 a 1, em pleno Mineirão, ou como o passeio da França por 3 a 0, na final da edição de 1998. Nem mesmo pior que a derrota para a arquirrival Argentina por 1 a 0, nas oitavas de final em 1990, é verdade.

A badalada “ótima geração belga” ansiava derrubar uma grande seleção em uma Copa e se colocar entre as grandes potências do futebol mundial, ainda mais depois de vencer com muito sofrimento o Japão, o que trouxe desconfiança geral sobre Hazard, De Bruyne, Lukaku e outros. A má impressão foi apagada de forma brilhante, especialmente no primeiro tempo.

O Brasil chegou a se reeguer na etapa complementar, criou inúmeras oportunidades e até diminuiu a diferença no placar, com Renato Augusto. O meia entrou em campo quando a equipe melhorava, depois das entradas de Roberto Firmino e Douglas Costa. Este último foi o maior responsável pela pressão exercida sobre a Bélgica.

A mudança da cara da seleção, inclusive, aponta para um dos pontos fracos do trabalho de Tite, que antes da Copa só havia perdido uma partida, para a Argentina, em amistoso disputado em meados de 2017. No geral, houve pouca variação na forma de jogar, e resistência em ter uma alternativa ao 4-1-4-1 que deu certo com ele no Corinthians.

Vale lembrar que o Brasil conquistou vaga no Mundial com grande antecedência, mas poucos jogadores foram testados em partidas por competição, como contra Equador, Colômbia, Bolívia e Chile, disputadas já com passaporte para a Rússia assegurado.

Jogadores como Roberto Firmino e Douglas Costa, que terminaram a temporada em alta, não conseguiram superar Gabriel Jesus e Willian, que não foram bem nos jogos contra Suíça e Costa Rica, os dois primeiros da Copa. O meia-atacante da Juventus, é verdade, teve problemas musculares antes do torneio e também durante.

Nos cinco jogos disputados pelo Brasil, as mudanças sempre foram forçadas. Danilo deu lugar a Fagner por lesão, assim como Marcelo para Filipe Luís, no jogo das oitavas contra o México. Já no duelo com a Bélgica, Casemiro, suspenso, foi substituído por Fernandinho.

As alterações na forma de atuar aconteceram, exclusivamente, no decorrer dos jogos, como o contra a Costa Rica, no qual Firmino substituiu Paulinho, ou no duelo com os mexicanos, em que não foi necessário trocar jogador, mas houve uma mexida no sistema, que passou a ter dois atacantes mais próximos da área, Neymar e Gabriel Jesus.

As opções de banco, inclusive, viraram um calcanhar de Aquiles para Tite, que “abraçou” o grupo que o levou a liderar de forma tranquila as Eliminatórias e passar bem pelos amistosos, inclusive, com vitória por 1 a 0 sobre a Alemanha. Além dos goleiros Ederson e Cássio, os zagueiros Marquinhos e Geromel, o volante Fred e o atacante Taison não entraram em campo um minuto sequer no Mundial.

Há quatro anos, Luiz Felipe Scolari também recebeu muitas críticas por confiar na base conquistou a Copa das Confederações, sem dar chances ou demorar a apostar em jogadores que estavam em alta, como Miranda, Philippe Coutinho e Diego Costa, optando, por exemplo, por Henrique, Bernard e Jô, que não atravessavam o melhor momento na carreira.

Ao contrário do que se esperava, a seleção não exibiu um futebol exuberante, o que os estrangeiros gostam de chamar de “jogo bonito”. O máximo que conseguiu foi eficiência no duelo contra os sérvios, que valeu classificação às oitavas, e 45 minutos finais de muito ímpeto na vitória sobre os mexicanos.

A decepção maior acaba sendo não estar na reta final de uma Copa em que as seleções mais badaladas ficaram pelo caminho.

Em 2018, pela primeira vez o torneio não terá Brasil, Argentina, Alemanha, Itália ou Holanda na decisão. Dos campeões mundiais, restam apenas França, que já está nas semis, e Inglaterra, que pegará a Suécia, pelas quartas.

A realidade é a que o hexa não virá antes de 2022, quando será realizado o Mundial do Catar. Talvez ainda com Tite no comando. E que os erros do passado sigam como aprendizado para o futuro.

Bruno Guedes // EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …