Câncer é encontrado em esqueleto egípcio com quase 3 mil anos

(dr) El Moto

Múmia de um homem de 50 anos com câncer no reto encontrado no Egito

Um grupo de arqueólogos descobriu seis casos de câncer nos restos mortais de antigos egípcios enterrados no oásis de Dakhleh, no Egito. Entre os resultados, encontra-se uma criança com leucemia, um homem de 50 anos com câncer no reto e alguns indivíduos com câncer possivelmente causado pelo vírus do Papiloma Humano (HPV).

Os casos de câncer foram encontrados enquanto os cientistas analisavam os restos mortais de 1.087 antigos egípcios, enterrados entre 1.500 e 3 mil anos atrás.

Ao extrapolar a partir desses casos, os cientistas estimaram que o número de casos de câncer na região egípcia era de cinco em mil, metade do valor atualmente registrado nas sociedades modernas, explicaram os cientistas El Molto e Peter Sheldrick no artigo publicado em fevereiro na International Journal of Paleopathology.

Os pesquisadores acrescentaram que esses valores demonstram que “o risco de ser diagnosticado com câncer ao longo da vida das sociedades ocidentais atuais é 100 vezes maior do que a registada no antigo Dakhleh”.

Molto, um antropólogo aposentado da Universidade de Ontário, no Canadá, alertou que algumas pessoas de Dakhleh poderiam ter morrido vítimas de câncer sem que houvesse qualquer vestígio nos seus restos mortais. Além disso, avisou também que as pessoas do mundo antigo tendiam a ter vidas mais curtas.

No entanto, e mesmo levando em conta esses fatores, os cientistas acreditam que o risco de se ter a doença foi consideravelmente mais baixo no Antigo Egito.

Em cinco dos seis casos, os pesquisadores determinaram que as pessoas tinham câncer através do estudo das lesões de seus esqueletos – buracos e danos ósseos. Estes buracos se formaram quando o câncer começou a se espalhar por todo o corpo.

Um dos esqueletos encontrados, de uma mulher entre 40 e 50 anos, tinha no quadril direito um buraco de 6,2 centímetros, que os cientistas acreditam ter sido causado por um tumor.

Já no caso do homem de 50 anos com câncer retal, o tumor real foi preservado. No entanto, na maioria dos casos, os cientistas não conseguem determinar a origem dos cânceres.

Incidência em jovens adultos

Três dos seis casos – dois homens e uma mulher – eram pessoas na casa dos 20 ou 30 anos, uma idade na qual é menos comum as pessocas terem câncer, de acordo com os cientistas.

“Quando os casos de Dakhleh foram apresentados pela primeira vez em encontros com outros profissionais, o comentário mais apontado contra o diagnóstico era o fato de serem pessoas ‘muito jovens’, escreveram Molto e Sheldrick, um médico em Chatham, Ontário.

Mulher egípcia antiga, com cerca de 20 anos, com o câncer espalhado para o cérebro

No entanto, pesquisas recentes demonstraram que o HPV é uma das principais causas de várias formas de câncer, incluindo as que afetam frequentemente jovens adultos.

“O HPV é uma causa confirmada de câncer no colo do útero e nos testículos, tendo evoluído na África muito antes de o Homo sapiens emergir”, explicaram os autores.

“As duas mulheres e o homem enterrados em Dakhleh, todos jovens adultos, poderiam ter câncer no colo do útero e câncer nos testículos, respectivamente”, escreveram. “Nós sabemos, a partir de pesquisas atuais sobre a epidemiologia do câncer, que ambos esses tipos de câncer têm maior incidência nesta faixa etária“.

Apesar de ainda não terem conseguido testar geneticamente os três jovens para confirmar se tinham HPV, os cientistas afirmam que existem outros estudos que comprovam que o vírus já existia no mundo antigo. E, por isso, notaram que era muito provável que existisse também no oásis de Dakhleh.

Não há provas de tratamentos antigos

Até agora, e através de pesquisas de textos médicos e restos mortais, não há provas que os egípcios antigos tivessem algum tratamento específico para o câncer.

“Os egípcios sabiam que algo estava acontecendo”, explicou Molto ao Live Science. No entanto, “não encontramos nenhuma indicação de tratamentos específicos para o câncer, até porque não conseguiam entender o que era a doença”. Vale acrescentar que os egípcios antigos poderiam ter tentando curar alguns sintomas, como úlceras na pele.

Os cientistas esperam que no futuro sejam recolhidos mais dados sobre câncer e outras doenças na atualidade. Essas informações podem depois ser comparadas com as taxas de incidência no mundo antigo, fornecendo assim mais evidências sobre como o risco de câncer evoluiu ao longo dos tempos.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Cientistas revelam nova razão que explica dependência do álcool

De acordo com um novo estudo, a dependência do álcool tem uma relação direta com as mudanças climáticas: quanto mais frio é o clima e menos incidência de sol, mais as pessoas tendem a consumir …

Cientistas encontraram pássaro que é três espécies em uma só

Cientistas encontraram um pássaro incomum na Pensilvânia, que guarda um incrível segredo genético: a toutinegra é o híbrido de três espécies diferentes de pássaros. Uma equipe de cientistas encontrou um pássaro incomum na Pensilvânia, cuja mãe …

Hitler abraçou uma menina judia; 85 anos depois, a foto foi a leilão

Uma foto de 1933 mostra o ditador nazista ao lado de uma menina de seis anos de idade cuja avó era judia. A imagem, com uma dedicatória assinada por Hitler, foi arrematada em leilão por …

No deserto mais seco do mundo, a chuva mata

No deserto mais seco e mais antigo da Terra, as coisas não funcionam da mesma maneira que em outros lugares. A água, por exemplo, não é uma bênção. No deserto do Atacama, no Chile, as …

CIA pensou em usar “soro da verdade” nos interrogatórios do 11 de setembro

O “Projeto Medicação” foi posto de lado em 2003, mas, até lá, os médicos da CIA estudaram a hipótese de substituir as violentas técnicas de interrogatório pelo uso de um “soro da verdade” que fizesse …

Distração de professora provoca ferimentos em 40 crianças na China

A distração de uma professora que se esqueceu de apagar uma luz ultravioleta em uma escola de Tianjin, perto de Pequim, causou ferimentos e queimaduras em mais de 40 crianças, informou nesta sexta-feira a imprensa …

Hábito diário pode ajudar a prever morte prematura

A velocidade com que caminhamos fornece muitas pistas sobre o nosso estado de saúde e pode mesmo ajudar a prever uma morte prematura.  Segundo um novo estudo, realizado o por cientistas da Universidade do Sul …

Assassino de John Lennon sente “mais vergonha” a cada dia que passa

Mark David Chapman, que assassinou John Lennon em 1980, disse a um conselho de condicional que se sente “mais e mais envergonhado” a cada ano que passa por ter assassinado o ex-Beatle. “Há 30 anos, eu …

Submarino argentino ARA San Juan é achado um ano após ter desaparecido com 44 tripulantes

A carcaça do submarino argentino Ara San Juan, desaparecido desde 15 de novembro de 2017 com 44 tripulantes a bordo, foi localizada no fundo do oceano Atlântico, a 800 metros de profundidade, a leste da …

Cientistas determinam qual foi o pior período na história da humanidade

Cientistas americanos chegaram à conclusão de que em 536 d.C., "um dos períodos mais terríveis" começou na história da humanidade. Segundo o historiador medieval Michael McCormick, arqueólogo da Universidade de Harvard, um "nevoeiro misterioso" caiu sobre a …