Justiça Eleitoral não teria impedido uso ilegal da internet

A Justiça Eleitoral não conseguiu dar respostas efetivas aos problemas envolvendo o uso da internet nessas eleições. A avaliação foi a tônica do debate principal do 2º dia do Fórum da Internet no Brasil (FIB), que reúne empresários, pesquisadores, ativistas e representantes de instituições públicas em Goiânia nesta semana.

O evento, maior encontro sobre o tema do país, é uma iniciativa do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI Br).

A advogada e integrante do CGI Flávia Lefévre avaliou que a Justiça Eleitoral deveria ter dado mais atenção e investigado efetivamente a denúncia publicada pelo jornal Folha de S. Paulo durante o segundo turno eleitoral de que apoiadores do presidente eleito teriam custeado envios de mensagens em massa pelo aplicativo WhatsApp.

Se confirmado, o esquema teria desrespeitado a legislação eleitoral pelo uso de cadastros sem consentimento dos donos dos números, pela violação da proibição de contratação de serviço para emitir mensagens contrárias a um candidato e por propaganda eleitoral por mensagem instantânea, o que só seria permitido a candidatos e partidos, além de caracterizar um tipo de caixa 2 para financiamento indireto da campanha de Jair Bolsonaro com recursos de empresas privadas.

“Acho que o TSE errou no foco. Antes das eleições, disse que iria perseguir notícias falsas. Mas essas são a ponta do iceberg. O problema é o uso ilegal e abusivo dos nossos dados e o desrespeito à lei eleitoral”, pontuou Flávia Lefévre. Segundo a advogada, o caso pode ir para além da própria esfera da Justiça Eleitoral.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) já reconheceu em acórdão que, embora as redes sociais sejam gratuitas, se estabelece com seus usuários uma relação equivalente à de consumo. E o Código de Defesa do Consumidor reconhece a vulnerabilidade dos consumidores e garante que fornecedores de bens e serviços têm de garantir segurança nesses produtos.

TSE e plataformas

O representante do governo federal no Comitê Gestor da Internet, Luís Martins Castro, afirmou que o órgão buscou se aproximar da Justiça Eleitoral, tanto do TSE como de tribunais regionais, para levar a importância da temática da internet aos magistrados.

Mas, na avaliação dele, as autoridades subestimaram os possíveis problemas da campanha em ambientes online. “Houve ingenuidade da Justiça Eleitoral de que as plataformas iam dar conta do problema”, comentou.

O TSE realizou reuniões com representações de plataformas antes da campanha para cobrar providências. No caso do combate às notícias falsas, plataformas como Facebook e Google anunciaram medidas como parceria com agências de checagem e conteúdos informativos.

O WhatsApp, que veio a ser o principal meio de disseminação de conteúdos enganosos durante as eleições, só agiu na reta final, derrubando contas, após a denúncia de esquemas de disparo em massa de mensagens.

Conselho Consultivo

Uma das iniciativas do TSE para discutir a atuação da Justiça Eleitoral no tema foi a implantação do Conselho Consultivo sobre Internet e Eleições do órgão, criado em 2017. O colegiado se reuniu algumas vezes no fim do ano passado e no primeiro semestre, deixou de se encontrar ao longo do 1º turno das eleições e retomou as reuniões no 2º turno.

O presidente da ONG Safernet e integrante do grupo, Tiago Tavares, afirmou que a entidade apresentou diversas recomendações aos atores envolvidos na campanha. Antes das eleições, sugeriu mecanismos para assegurar transparência nas propagandas eleitorais online, parte acatadas na resolução do TSE sobre o tema.

No 2º turno, a ONG propôs ao WhatsApp a redução dos tamanhos dos grupos e do limite de destinatários para o encaminhamento de mensagens. As alterações não foram acatadas pela plataforma durante reunião com o Conselho Consultivo.

Impactos à democracia

Para o professor da Universidade Federal do ABC e conselheiro do CGI Sérgio Amadeu, a Justiça Eleitoral poderia ter atuado junto ao WhatsApp para que a plataforma tomasse medidas técnicas de modo a evitar ou mitigar o envio de mensagens em massa.

Na avaliação do docente, o avanço da desinformação que marcou o processo eleitoral trouxe sérios riscos ao regime democrático em nosso país e precisa ser discutido.

“A democracia sobrevive se os parâmetros de realidade forem destruídos? Se a opinião for maior do que os fatos? Eu acho que não. A democracia precisa de Estado de Direito, de regras. Esse não é um problema partidário. Precisamos começar a nos preocupar com a regulação da esfera pública algoritmizada [medida por algoritmos] e discutir a questão da ética”, defendeu.

Mídia tradicional

A coordenadora do Coletivo Intervozes, Ana Cláudia Mielke, apontou falhas da Justiça Eleitoral não somente no tocante às novas mídias digitais, mas também sobre os veículos tradicionais.

Ela citou como exemplos, episódios como emissoras que decidiram realizar entrevistas com apenas um dos candidatos à Presidência da República e outras redes que cancelaram debates em razão da ausência do então candidato e agora presidente eleito, Jair Bolsonaro.

Parte dos meios privilegiou de forma declarada um dos candidatos, convidando só um candidato, o que é proibido pela legislação eleitoral que prevê isonomia. A substituição de debate por entrevista com candidato que comparece está prevista em resolução do TSE. Mesmo assim, redes como a Globo escolheram não manter [a realização de entrevista]”, colocou.

Ciberia // Agência Brasil

COMPARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. É de dar dó. Ah! coitados. Um bando de manés parciais, alguns falando daquilo que não conhecem, visivelmente ligados a partidos, misturando laranjas com bananas, e referindo-se sempre a um dos candidatos. Suas soluções são sempre restritivas e em decorrência de ignorância. – “Não sei como resolver, proíbo.” É a máxima dos energúmenos e beócios. Enquanto essa “esquerdalha” não for eliminada teremos retrocessos sempre.

  2. Independente do estrago feito, e que deve ser apurado e processado, aliás já existem tais processos, as brechas continuam em aberto, e pontualmente ocorrem disparos dependendo dos interesses dos grupos em particular, em um determinado momento. É hora de agir com políticas, ações e multas, para que os fornecedores envolvidos nas redes sociais tomem providências imediatas.

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …