Uruguai, Argentina e Paraguai: como explicar o agravamento da pandemia na América do Sul?

Jean-Christophe Bott / EPA / Lusa

Quinze meses após o aparecimento do coronavírus na América do Sul, três vizinhos do Brasil vivem hoje o pior momento da crise sanitária. Paradoxalmente, a estratégia permissiva do Uruguai e os confinamentos obrigatórios da Argentina produziram o mesmo resultado: junto com os paraguaios, uruguaios e argentinos registram atualmente as maiores taxas de mortalidade do mundo por Covid-19.

A prevalência da variante brasileira e o aumento da mobilidade podem explicar o agravamento da pandemia nessa região, segundo especialistas.

O Uruguai, depois de ocupar as manchetes internacionais por sua gestão exemplar da epidemia, passou a liderar o ranking de mortes por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, com 22 óbitos, de acordo com dados contabilizados nesta quinta-feira (27) pela agência AFP, a partir de notificações oficiais. Atrás, estão Paraguai, com 19 mortos, e Argentina, com 15.

Colômbia, Brasil e Peru vêm na sequência desta lista. Para referência, os Estados Unidos registram atualmente 2,5 óbitos por 100 mil habitantes. A exceção é o Chile, onde há uma redução gradual de novos casos.

No Uruguai, “as pessoas não acreditam” na gravidade do vírus, lamenta o médico intensivista Francisco Domínguez.

“A gente observa isso nas ruas: quase ninguém usa máscara“, conta. “Enquanto a pessoa não tem um parente hospitalizado aqui, ela não se dá conta”, afirma Domínguez. Com 3,6 milhões de habitantes, o Uruguai apresenta hoje números “históricos” de internações em UTIs, confirma Julio Pontet, presidente da Sociedade Uruguaia de Medicina Intensiva.

A baixa percepção do risco no Uruguai pode ser explicada, em parte, por um período quase sem contaminações, enquanto no resto do mundo, e principalmente no Brasil, os números da pandemia explodiam. Além disso, para proteger a economia, o presidente Luis Lacalle Pou defende a “liberdade responsável” dos cidadãos e se recusou a confinar a população, apesar da pressão do sindicato médico e de setores da oposição e da sociedade civil.

O ritmo intenso de imunização – 28% da população uruguaia já foi completamente vacinada e 47% recebeu a primeira dose – ainda não se refletiu na curva de contágio e mortalidade, como está acontecendo no Chile.

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) alertou, nesta quarta-feira (26), para o patamar “preocupante” de casos e mortes pela Covid-19 nas últimas semanas na região. Sylvain Aldighieri, gerente para a Covid-19 na OPAS, apontou que “a carga dos serviços, inclusive para pacientes graves e em unidades de terapia intensiva, ainda é muito alta na maioria dos países do Cone Sul”.

Ele ainda assinalou a pressão que “virá com o início do inverno, que historicamente coincide com o período das doenças respiratórias agudas”, e exortou as autoridades a aplicar e fiscalizar com rigor as medidas de saúde pública.

Cansaço na Argentina

O cansaço provocado por meses de restrições se faz notar na Argentina, após um 2020 de toques de recolher e lockdowns, alternados recentemente com períodos de flexibilização.

No sábado (22), o país iniciou nove dias de quarentena total para enfrentar o recrudescimento dos casos – uma média diária sem precedentes de 30 mil infecções e 500 mortes.

Comportamentos irresponsáveis, adoção tardia de restrições mais duras, falta de vacinas e as novas e mais agressivas variantes do vírus explicam a voracidade dessa nova onda, segundo Elisa Estenssoro, integrante do comitê de especialistas que assessora o governo de Alberto Fernández.

“Os hábitos da população não são consistentes: encontros sociais, gente sem máscara… Tem uma parte que cumpre e outra que nega ou se rebela”, comentou.

A infraestrutura de saúde está no limite. Em Neuquén (sudoeste), o hospital Heller, o maior da província, fechou as portas por falta de oxigênio. No hospital Durand, em Buenos Aires, há “falta de leitos e o pessoal está exausto”, contou o enfermeiro Héctor Ortiz. “Quando os leitos se liberam é devido a mortes e eles se reocupam”.

Na terça-feira (25), protestos convocados nas redes sociais ocorreram em várias cidades argentinas contra as restrições, que dividem um país que começava a dar sinais de reativação após três anos de recessão agravada pela pandemia.

Em relação à vacinação, cerca de 8,7 milhões dos 45 milhões de argentinos (menos de 20% da população) receberam a primeira dose e 2,4 milhões as duas doses, segundo dados oficiais.

Faltam insumos e vacinas no Paraguai

No Paraguai, os principais problemas são a falta de insumos e de doses de vacina para tratar os doentes. O governo de Mário Abdo Benitez estendeu o toque de recolher noturno até 7 de junho, mas a circulação durante o dia continua intensa.

“Hoje vivemos uma circulação comunitária alta, com pouca resposta sanitária, com falta de insumos e falta de vacinas”, lamentou o epidemiologista Tomás Mateo Balmelli.

Apenas 3% dos 7,3 milhões de paraguaios estão vacinados e as autoridades reconheceram em março 100% de ocupação das UTIs. Os pacientes “estão morrendo nos bancos ou leitos de hospitais, nos corredores (…) e em suas próprias casas”, afirmou o especialista.

Dezenas de pessoas se aglomeram nas entradas dos hospitais do país para acompanhar a evolução de seus familiares, sem poder entrar nos estabelecimentos.

Na semana passada, a enfermeira Elizabeth Marín se acorrentou na em frente à sede do Ministério da Saúde, em Assunção, para exigir um leito de terapia intensiva. “Tem que haver um lugar para meu pai. É seu direito”, disse a repórteres.

O vice-ministro Hernán Martínez prometeu conseguir uma vaga para ela, depois de pedir “um pouco de paciência”. Paciência que geralmente é letal.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …