Vítimas de Brumadinho são lembradas no Vaticano

(h) Corpo de Bombeiros

Em meio à luta de familiares por justiça, homenagem aos 270 mortos na tragédia da Vale ocorre paralelamente ao Sínodo para a Amazônia. Em Mariana, Samarco ganha licença para retomar atividades quatro anos após desastre.

Enquanto Marcela Rodrigues distribui 270 fotos pelo piso da igreja Transpontina, no Vaticano, outros voluntários acendem velas e empurram os bancos para trás.

É preciso mais espaço para abrigar as imagens impressas em folha A4 das vítimas do desastre de Brumadinho, soterradas nove meses atrás, após o rompimento da barragem da Vale, em 25 de janeiro. Uma reprodução de duas ultrassonografias de bebês mortos na barriga das mães também são acomodadas no local. Escrito em inglês, um cartaz pede justiça para o desastre na cidade mineira.

“Estamos lutando para que o que aconteceu em Brumadinho não se repita, para que não existam mais essas mortes desnecessárias”, afirma Marcela durante a homenagem neste sábado (26/10). A jovem, que perdeu o pai Denílson na tragédia, conta que muitos sobreviventes e pessoas no município estão enfrentando problemas psicológicos.

O grupo que veio do Brasil percorrerá ao todo sete países. Eles já estiveram na Alemanha, onde a empresa TÜV Süd, que emitiu o certificado de segurança da estrutura que rompeu, é sediada. Em Munique, os familiares apresentaram uma denúncia contra a companhia alemã e um diretor da empresa no país, sob acusações de homicídio culposo, negligência e corrupção.

Do Vaticano, o grupo irá a Bruxelas. Na capital da União Europeia, parentes e advogados que representam as vítimas têm uma série de reuniões marcadas com parlamentares.

“Iremos defender a proposta de uma lei europeia para devida diligência em relação a direitos humanos e meio ambiente de todas as empresas europeias em toda a cadeia de valor”, detalha Danilo Chammas, advogado que acompanha o grupo.

A lei obrigaria as empresas a averiguarem a origem das matérias-primas e produtos que compram de outros países e, em caso de uma análise malfeita ou insatisfatória, as compradoras seriam responsabilizadas legalmente.

“Ou seja, elas seriam responsabilizadas pelas violações aos direitos humanos, aos danos ao meio ambiente que as empresas das quais compraram causaram nos países onde atuam”, esclarece Chammas.

França e Holanda são os países europeus que mais importaram minério de ferro do Brasil até setembro, segundo dados do Ministério da Economia. A Vale, maior exportadora dessa matéria-prima no mundo, praticamente vende ao exterior toda a sua produção.

Segundo Chammas, uma proposta de lei semelhante à que será levada ao Parlamento Europeu foi aprovada na França. Campanhas para a criação de regras similares estão em andamento na Alemanha e na Suíça. “Nós estamos aqui para demonstrar também que empresas europeias estão diretamente implicadas em tragédias como a de Brumadinho”, argumenta o advogado.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

‘Grande ameaça à saúde pública’: cientistas descobrem mutação resistente a remédio contra a malária

Pesquisadores em Ruanda identificaram uma cepa do parasita causador da malária que é resistente a medicamentos. O estudo, publicado na revista Nature, revelou que os parasitas eram capazes de resistir ao tratamento com a artemisinina, um …

Brasil, um ano no foco da crítica ambiental mundial

Em agosto de 2019, país virou pária ambiental devido a incêndios e aumento do desmatamento. Bolsonaro reagiu com agressividade e insultos. Agora, aumenta a pressão de investidores estrangeiros por uma mudança de rumo. Foi uma catástrofe …

Com medo da Covid-19, Venezuela discrimina venezuelanos que voltam ao país

Várias medidas vêm sendo aplicadas na Venezuela para conter a Covid-19. Um estádio foi transformado em hospital de campanha, blocos de concreto foram colocados nas vias, festas estão proibidas e há um canal de …

Centro Gamalei, desenvolvedor de vacina russa, explica como funciona e se há riscos para o paciente

O diretor do Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamalei falou sobre os testes da vacina, que será registrada oficialmente na quarta-feira (12). As partículas do coronavírus na vacina da COVID-19 não podem prejudicar …

Mistura inusitada de amônia e água cria raios superficiais e granizos em Júpiter

Júpiter, o maior gigante gasoso do Sistema Solar, é um lugar coberto por tempestades estranhas. O que os cientistas ainda não sabiam é que no meio dessas tormentas, existem raios de natureza bem diferente dos …

Emocionante avanço da teoria para a realidade: bizarro efeito quântico é observado

No núcleo toda estrela anã branca — o denso resto de uma estrela que queimou todo seu combustível — existe um fenômeno quântico enigmático: enquanto ganha massa ela reduz de tamanho chegando a um ponto …

Estudo prevê 300 mil mortes por covid até fim do ano nos EUA

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros estados americanos divulgam taxas de infecções recordes. A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil americanos …

Coronavírus: Exportações devem cair mais de 20% na América Latina, diz ONU

As exportações da América Latina e do Caribe podem cair mais de 20% em 2020 devido às consequências da pandemia do coronavírus, que também terá um impacto negativo nas importações, disse uma agência da …

O que é nitrato de amônio, que pode provocar explosões como a de Beirute?

A recente tragédia no país árabe trouxe de novo à tona preocupações sobre o armazenamento do perigoso material, tornando necessário saber como esses incidentes ocorrem para os prevenir. A explosão de nitrato de amônio em Beirute, …

Astrônomos descobrem nuvens gigantes "escondidas" em Vênus há 35 anos

Uma equipe de astrônomos encontrou nuvens venenosas, com gotas de ácido sulfúrico em sua formação, em meio à densa atmosfera de Vênus. Curiosamente, essas nuvens já estavam presente na atmosfera venusiana há pelo menos 35 anos, …