“Algo terrível está acontecendo”: Myanmar nega acesso à relatora especial da ONU

unisgeneva / Flickr

Yanghee Lee, relatora especial das Nações Unidas para Direitos Humanos

O governo de Myanmar negou o acesso ao país da Relatora Especial da ONU para Direitos Humanos para fazer um acompanhamento da situação no país, onde a minoria rohingya é alvo de uma grave perseguição.

“O governo de Myanmar informou à relatora especial Yanghee Lee que nega qualquer acesso e cooperação dela enquanto dure o seu mandato”, anunciou o Escritório de Direitos Humanos da ONU em comunicado.

Estava previsto que Lee visitasse Myanmar no próximo mês de janeiro para avaliar questões relativas com os direitos humanos em todo o país, incluindo os abusos perpetrados contra os rohingyas no estado de Rakhine.

Lee mostrou sua decepção com a atitude assumida pelo governo do país asiático e disse que a proibição é “um forte indício de que algo terrível está acontecendo em Rakhine e no resto do território”.

Em diferentes fóruns e reuniões das Nações Unidas, o governo de Myanmar prometeu que iria cooperar com a organização, assim como com a missão da relatora especial.

No entanto, o Executivo mostrou desagrado com uma declaração de Lee durante sua primeira visita ao país, em julho deste ano, dando esse fato como justificativa para colocar um ponto final na colaboração.

Lee indicou que “havia uma relação de respeito mútuo”, mas que agora o governo a acusa de ter agido com deslealdade e sem objetividade.

Um relator especial atribuído pela ONU a um determinado país requer a realização de duas visitas anuais para que possa preparar um relatório completo para o Conselho de Direitos Humanos e para a Assembleia Geral das Nações Unidas.

Desde que assumiu a missão, Lee visitou Myanmar seis vezes, embora nem sempre tenha conseguido se deslocar a algumas zonas porque as autoridades não autorizavam, alegando problemas de segurança.

“É uma vergonha que Myanmar tenha optado por este caminho. Afirmaram sempre que não têm nada a esconder, mas sua recusa em cooperar com meu mandato e com a missão investigativa indica o contrário”, comentou a relatora, que mesmo assim mostrou esperanças de que as autoridades ainda mudem de opinião.

Myanmar se alinha assim com a posição não cooperativa que já tinha assumido com uma comissão investigativa independente, instância igualmente criada pelo Conselho de Direitos Humanos para documentar as violações graves dos direitos humanos no país.

Mais de 620 mil rohingya fugiram para Bangladesh, onde se encontram como refugiados, devido a uma onda de violência na qual, segundo os Médicos Sem Fronteiras, foram assassinados pelo menos 6.700 rohingyas, incluídos 730 crianças menores de cinco anos, durante os primeiros 30 dias de crise, que começou no dia 25 de agosto.

Nesta semana, o alto-comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, admitiu que, no futuro, a líder de Myanmar, Aung San Suu Kyi, e o chefe das forças armadas, Gen Aung Min Hlaing, podem vir a ser julgados por genocídio.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Emocionante avanço da teoria para a realidade: bizarro efeito quântico é observado

No núcleo toda estrela anã branca — o denso resto de uma estrela que queimou todo seu combustível — existe um fenômeno quântico enigmático: enquanto ganha massa ela reduz de tamanho chegando a um ponto …

Estudo prevê 300 mil mortes por covid até fim do ano nos EUA

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros estados americanos divulgam taxas de infecções recordes. A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil americanos …

Coronavírus: Exportações devem cair mais de 20% na América Latina, diz ONU

As exportações da América Latina e do Caribe podem cair mais de 20% em 2020 devido às consequências da pandemia do coronavírus, que também terá um impacto negativo nas importações, disse uma agência da …

O que é nitrato de amônio, que pode provocar explosões como a de Beirute?

A recente tragédia no país árabe trouxe de novo à tona preocupações sobre o armazenamento do perigoso material, tornando necessário saber como esses incidentes ocorrem para os prevenir. A explosão de nitrato de amônio em Beirute, …

Astrônomos descobrem nuvens gigantes "escondidas" em Vênus há 35 anos

Uma equipe de astrônomos encontrou nuvens venenosas, com gotas de ácido sulfúrico em sua formação, em meio à densa atmosfera de Vênus. Curiosamente, essas nuvens já estavam presente na atmosfera venusiana há pelo menos 35 anos, …

Japão lembra 75 anos de bomba de Hiroshima e pede união contra armas nucleares

Esta quinta-feira (6) marca o 75º aniversário do primeiro ataque com bomba atômica do mundo. Cerca de 140 mil pessoas morreram no bombardeio à cidade japonesa, realizado pelo Estados Unidos no fim da Segunda Guerra …

Donald Trump determina bloqueio do TikTok e WeChat nos EUA em 45 dias

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump assinou na noite de ontem (6) uma ordem executiva determinando o fim de relações com as empresas responsáveis pelos apps TikTok e WeChat no país norte-americano. Em comunicado emitido …

Brasil caminha para ter 200 mil mortes pelo coronavírus até outubro, diz especialista

Na semana em que o Brasil deverá registrar 100 mil mortes pelo novo coronavírus, um especialista brasileiro indica que o país caminha para dobrar esse número em dois meses, atingindo 200 mil óbitos pela pandemia …

Petição defende que França assuma controle do Líbano

Suspeita de que desastre em Beirute foi causado por negligência eleva indignação dos libaneses, que pedem mandato francês pelos próximos dez anos no país. Apelo recebe mais de 50 mil assinaturas após visita de Macron. Quase …

Macron visita Beirute devastada e cobra reformas no Líbano

Presidente francês visita local da explosão e ouve apelos por mudanças por parte da população, para quem o desastre é consequência de anos de corrupção, caos público e má gestão. O presidente da França, Emmanuel Macron, …