Arroz geneticamente modificado neutraliza o HIV

Uma equipe internacional de cientistas conseguiu desenvolver uma solução inovadora para o vírus do HIV: arroz geneticamente modificado.

O arroz transgênico já havia sido desenvolvido para combater a desnutrição e as mudanças climáticas. Agora, cientistas dos Estados Unidos, Reino Unido e Espanha desenvolveram uma nova variedade para controlar os sintomas do vírus do HIV em países onde os medicamentos tradicionais podem ser muito difíceis de se obter.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), no ano passado havia cerca de 36,9 milhões pessoas infectadas com o vírus, 25,7 milhões apenas na África.

Atualmente, estão em desenvolvimento soluções muito interessantes para prevenir e controlar o vírus HIV, como vacinas experimentais ou implantes vaginais. Por enquanto, os profissionais de saúde confiam em dois métodos para controlar a propagação do vírus.

Normalmente, os pacientes com HIV são medicados com um tipo de medicamento antirretroviral que impede que o vírus se propague dentro do corpo, para, essencialmente, adiar o início da doença. Se tratado adequadamente, o vírus pode ser controlado e os pacientes podem ter uma vida longa e saudável.

No entanto, nem todo mundo tem acesso a esse tipo de medicamento. Dessa forma, os cientistas afirmam que o arroz transgênico é a opção viável que oferece uma solução efetiva e acessível para os pacientes, principalmente nos países em desenvolvimento.

No fundo, as sementes de arroz transgênico produzem três proteínas – o anticorpo monoclonal 2G12 e as lectinas griffithsin e cyanovirin-N – cujos testes preliminares in vitro revelaram uma ligação à gp120 – a glicoproteína que permite que o vírus atinja as células – neutralizando o HIV.

Segundo a equipe, essas sementes podem ser moídas de modo a criar uma pasta que pode ser aplicada como creme tópico, que contrabalança o vírus da mesma maneira que o medicamento antirretroviral.

Esse tratamento se torna surpreendentemente acessível para aqueles que necessitariam viajar para poderem ser consultados em uma clínica, na medida em que quando as plantações estão totalmente cultivadas, as sementes podem ser produzidas no próprio local por quase nenhum custo.

Há, porém, alguns entraves que os cientistas terão ainda que resolver antes que esse tipo de arroz se torne uma solução viável. Os especialistas terão que provar que não existem efeitos colaterais prejudiciais e, além disso, terão de cumprir as várias restrições no que diz respeito à regulação em vigor nos países que desejam alcançar.

Ainda assim, os resultados são, até agora, muito promissores.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Aumento do Judiciário compromete orçamento de 13 Estados

Metade dos 26 estados ligou o alerta orçamentário: o aumento que os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) concederam a si mesmos – ainda depende de aprovação no Senado – pode inviabilizar a folha de …

Universidade de São Paulo abre inscrições para curso gratuito sobre Harry Potter

O universo de Harry Potter continua conquistando gerações. Desde o lançamento do primeiro romance em 1997 (A Pedra Filosofal), foram mais de 450 milhões de cópias vendidas, traduções para 73 idiomas e o surgimento de …

Polícia catalã abate homem que invadiu delegacia aos gritos de “Alá é grande”

O homem de 29 anos, de origem argelina, foi abatido, na manhã desta segunda-feira (20), depois de ter tentado invadir uma delegacia catalã armado com uma faca aos gritos de “Allahu Akbar”. Segundo o El País, …

Juiz solta empresário filmado agredindo a esposa; imagens fortes

O juiz Fabiano Ribeiro abriu mão da fiança e permitiu que o empresário Giorgio Alan Bortolin dos Santos, preso em flagrante após ser filmado por uma câmera de segurança agredindo a própria mulher, responda ao …

“Bola de fogo” 40 vezes mais brilhante que a Lua cheia atravessa os EUA

Uma bola de fogo cruzou o céu do estado norte-americano do Alabama durante a noite de sexta-feira (17). A NASA divulgou um vídeo, no qual mostra o objeto sobrevoando a cidade, com um feixe de …

Com curso gratuito, USP quer meninas cientistas

Meninas que sonham ser cientistas contam agora com o incentivo de um grupo de pesquisadoras e cientistas de São Paulo. É o projeto “Meninas com Ciência-2ª edição SP: de mulheres cientistas para meninas que sonham”, …

Ministra neozelandesa pedala até hospital para dar à luz

Titular do Ministério para Mulheres que estava grávida de 42 semanas brincou que escolheu bicicleta porque não havia "espaço suficiente no carro”. A ministra para Mulheres da Nova Zelândia deu à luz ao seu primeiro bebê …

Japão terá robôs "inteligentes" nas salas de aula para ensinar inglês

O Governo de Japão planeja introduzir nas salas de aula robôs com inteligência artificial (IA) capazes de falar inglês durante as aulas desta matéria, para ajudar as crianças a melhorar sua destreza oral, uma das …

Empresário britânico doa R$ 5 milhões para campanha contra o Brexit

O empresário britânico Julian Dunkerton, cofundador da marca de roupas Superdry, anunciou neste domingo (19) que apoia financeiramente a organização People's Vote, que milita pela realização de um novo referendo sobre o Brexit. A doação do …

Cientistas afirmam ter evidências de um universo anterior ao nosso

Cientistas afirmam que as evidências de universos passados ​​podem existir mesmo no céu noturno - sendo restos de buracos negros de outro universo. De acordo com a New Scientist, a ideia é baseada na Cosmologia Cíclica …