Aumento na densidade do espaço fora do sistema solar é descoberto pela sonda espacial Voyager

Em novembro de 2018, após uma viagem épica de 41 anos, a Voyager 2 finalmente cruzou a fronteira que marcava o limite da influência do Sol e entrou no espaço interestelar. Mas a missão da pequena sonda ainda não está concluída – agora ela está enviando para nós informações sobre o espaço além do Sistema Solar.

E estamos observando algo surpreendente. Conforme a Voyager 2 se distancia do Sol, a densidade do espaço está aumentando.

Não é a primeira vez que esse aumento de densidade foi detectado. A Voyager 1, que entrou no espaço interestelar em 2012, descobriu uma densidade similar em um local distinto.

Os novos dados da Voyager 2 mostram que não apenas confirmam a detecção da Voyager 1, mas que o aumento na densidade pode ser uma característica em grande escala do meio interestelar muito local (MIML).

A borda do Sistema Solar pode ser definida por alguns limites diferentes, mas aquele atravessado pelas sondas Voyager é conhecido como heliopausa, e é definido pelo vento solar.

Trata-se de um vento supersônico constante de plasma ionizado emitido pelo Sol em todas as direções, e a heliopausa é o ponto em que a pressão externa desse vento não é mais forte o suficiente para empurrar o vento do espaço interestelar.

O espaço dentro da heliopausa é a heliosfera, e o espaço fora dela é o MIML. Mas a heliosfera não é exatamente esférica. Está mais para um formato oval, com o Sistema Solar em uma extremidade e uma cauda fluindo atrás; o “nariz” é apontado na direção da órbita do Sistema Solar ao redor do buraco negro supermassivo da Via Láctea.

Ambas as Voyagers cruzaram a heliopausa pelo nariz, mas com uma diferença de 67 graus na latitude heliográfica e 43 graus de diferença na longitude.

O espaço é geralmente considerado um vácuo, mas não é, não completamente. A densidade da matéria é extremamente baixa, mas ainda existe. No Sistema Solar, o vento solar tem uma densidade média de prótons e elétrons de 3 a 10 partículas por centímetro cúbico, mas diminui à medida que se distancia do Sol.

A densidade média de elétrons do meio interestelar na Via Láctea, entre as estrelas, foi calculada em cerca de 0,037 partículas por centímetro cúbico. E a densidade do plasma na heliosfera externa é de cerca de 0,002 elétrons por centímetro cúbico.

Conforme as sondas Voyager cruzavam além da heliopausa, seus instrumentos Plasma Wave Science detectaram a densidade de elétrons do plasma por meio de oscilações de plasma.

A Voyager 1 cruzou a heliopausa em 25 de agosto de 2012, a uma distância de 121,6 unidades astronômicas da Terra (121,6 vezes a distância entre a Terra e o Sol, ou seja, cerca de 18,1 bilhões de km).

Quando mediu pela primeira vez as oscilações do plasma após cruzar a heliopausa em 23 de outubro de 2013 a uma distância de 122,6 unidades astronômicas (18,3 bilhões de km), a Voyager 1 detectou uma densidade plasmática de 0,055 elétrons por centímetro cúbico.

A Voyager 2, que percorreu o caminho longo, voando por Júpiter, Saturno, Urano e Netuno, cruzou a heliopausa em 5 de novembro de 2018 a uma distância de 119 unidades astronômicas (17,8 bilhões de km). Ela mediu as oscilações do plasma em 30 de janeiro de 2019 a uma distância de 119,7 unidades astronômicas (17,9 bilhões), encontrando uma densidade plasmática de 0,039 elétrons por centímetro cúbico, muito próxima à medição da Voyager 1.

E ambos os instrumentos relataram um aumento na densidade. Depois de viajar outras 20 unidades astronômicas (2,9 bilhões de km) através do espaço, a Voyager 1 relatou um aumento para cerca de 0,13 elétrons por centímetro cúbico.

Mas as detecções feitas pela Voyager 2 em junho de 2019 mostraram um aumento muito mais nítido na densidade para cerca de 0,12 elétrons por centímetro cúbico, a uma distância de 124,2 unidades astronômicas (18,5 bilhões de unidades).

Dado que o plasma na pressão atmosférica da Terra tem uma densidade de elétrons de 10 ^ 13 por centímetro cúbico, essas quantidades podem parecer minúsculas, mas são significativas o suficiente para justificar nosso interesse – especialmente porque não está claro o que as causa.

Uma teoria é que as linhas do campo magnético interestelar tornam-se mais fortes à medida que caem sobre a heliopausa. Isso poderia gerar uma instabilidade cíclotron de íons eletromagnéticos que esgota o plasma da região de cobertura. A Voyager 2 detectou um campo magnético mais forte do que o esperado quando cruzou a heliopausa.

Outra teoria é que o material soprado pelo vento interestelar deve desacelerar ao atingir a heliopausa, causando uma espécie de congestionamento. Isso talvez tenha sido detectado pela nova sonda New Horizons do Sistema Solar, que em 2018 captou o brilho ultravioleta fraco resultante de um acúmulo de hidrogênio neutro na heliopausa.

Também é possível que ambas as explicações tenham um papel. Medições futuras feitas por ambas as sondas Voyager enquanto continuam sua jornada no espaço interestelar podem ajudar a descobrir isso. Mas pode demorar.

“Não é certo”, escreveram os pesquisadores em seu artigo, “se as Voyagers serão capazes de operar de tão longe para distinguir entre essas duas classes de modelos.”

A pesquisa foi publicada no The Astrophysical Journal Letters.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …