Aumento na densidade do espaço fora do sistema solar é descoberto pela sonda espacial Voyager

Em novembro de 2018, após uma viagem épica de 41 anos, a Voyager 2 finalmente cruzou a fronteira que marcava o limite da influência do Sol e entrou no espaço interestelar. Mas a missão da pequena sonda ainda não está concluída – agora ela está enviando para nós informações sobre o espaço além do Sistema Solar.

E estamos observando algo surpreendente. Conforme a Voyager 2 se distancia do Sol, a densidade do espaço está aumentando.

Não é a primeira vez que esse aumento de densidade foi detectado. A Voyager 1, que entrou no espaço interestelar em 2012, descobriu uma densidade similar em um local distinto.

Os novos dados da Voyager 2 mostram que não apenas confirmam a detecção da Voyager 1, mas que o aumento na densidade pode ser uma característica em grande escala do meio interestelar muito local (MIML).

A borda do Sistema Solar pode ser definida por alguns limites diferentes, mas aquele atravessado pelas sondas Voyager é conhecido como heliopausa, e é definido pelo vento solar.

Trata-se de um vento supersônico constante de plasma ionizado emitido pelo Sol em todas as direções, e a heliopausa é o ponto em que a pressão externa desse vento não é mais forte o suficiente para empurrar o vento do espaço interestelar.

O espaço dentro da heliopausa é a heliosfera, e o espaço fora dela é o MIML. Mas a heliosfera não é exatamente esférica. Está mais para um formato oval, com o Sistema Solar em uma extremidade e uma cauda fluindo atrás; o “nariz” é apontado na direção da órbita do Sistema Solar ao redor do buraco negro supermassivo da Via Láctea.

Ambas as Voyagers cruzaram a heliopausa pelo nariz, mas com uma diferença de 67 graus na latitude heliográfica e 43 graus de diferença na longitude.

O espaço é geralmente considerado um vácuo, mas não é, não completamente. A densidade da matéria é extremamente baixa, mas ainda existe. No Sistema Solar, o vento solar tem uma densidade média de prótons e elétrons de 3 a 10 partículas por centímetro cúbico, mas diminui à medida que se distancia do Sol.

A densidade média de elétrons do meio interestelar na Via Láctea, entre as estrelas, foi calculada em cerca de 0,037 partículas por centímetro cúbico. E a densidade do plasma na heliosfera externa é de cerca de 0,002 elétrons por centímetro cúbico.

Conforme as sondas Voyager cruzavam além da heliopausa, seus instrumentos Plasma Wave Science detectaram a densidade de elétrons do plasma por meio de oscilações de plasma.

A Voyager 1 cruzou a heliopausa em 25 de agosto de 2012, a uma distância de 121,6 unidades astronômicas da Terra (121,6 vezes a distância entre a Terra e o Sol, ou seja, cerca de 18,1 bilhões de km).

Quando mediu pela primeira vez as oscilações do plasma após cruzar a heliopausa em 23 de outubro de 2013 a uma distância de 122,6 unidades astronômicas (18,3 bilhões de km), a Voyager 1 detectou uma densidade plasmática de 0,055 elétrons por centímetro cúbico.

A Voyager 2, que percorreu o caminho longo, voando por Júpiter, Saturno, Urano e Netuno, cruzou a heliopausa em 5 de novembro de 2018 a uma distância de 119 unidades astronômicas (17,8 bilhões de km). Ela mediu as oscilações do plasma em 30 de janeiro de 2019 a uma distância de 119,7 unidades astronômicas (17,9 bilhões), encontrando uma densidade plasmática de 0,039 elétrons por centímetro cúbico, muito próxima à medição da Voyager 1.

E ambos os instrumentos relataram um aumento na densidade. Depois de viajar outras 20 unidades astronômicas (2,9 bilhões de km) através do espaço, a Voyager 1 relatou um aumento para cerca de 0,13 elétrons por centímetro cúbico.

Mas as detecções feitas pela Voyager 2 em junho de 2019 mostraram um aumento muito mais nítido na densidade para cerca de 0,12 elétrons por centímetro cúbico, a uma distância de 124,2 unidades astronômicas (18,5 bilhões de unidades).

Dado que o plasma na pressão atmosférica da Terra tem uma densidade de elétrons de 10 ^ 13 por centímetro cúbico, essas quantidades podem parecer minúsculas, mas são significativas o suficiente para justificar nosso interesse – especialmente porque não está claro o que as causa.

Uma teoria é que as linhas do campo magnético interestelar tornam-se mais fortes à medida que caem sobre a heliopausa. Isso poderia gerar uma instabilidade cíclotron de íons eletromagnéticos que esgota o plasma da região de cobertura. A Voyager 2 detectou um campo magnético mais forte do que o esperado quando cruzou a heliopausa.

Outra teoria é que o material soprado pelo vento interestelar deve desacelerar ao atingir a heliopausa, causando uma espécie de congestionamento. Isso talvez tenha sido detectado pela nova sonda New Horizons do Sistema Solar, que em 2018 captou o brilho ultravioleta fraco resultante de um acúmulo de hidrogênio neutro na heliopausa.

Também é possível que ambas as explicações tenham um papel. Medições futuras feitas por ambas as sondas Voyager enquanto continuam sua jornada no espaço interestelar podem ajudar a descobrir isso. Mas pode demorar.

“Não é certo”, escreveram os pesquisadores em seu artigo, “se as Voyagers serão capazes de operar de tão longe para distinguir entre essas duas classes de modelos.”

A pesquisa foi publicada no The Astrophysical Journal Letters.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …

Explosões deixam vários mortos em mesquita no Afeganistão

Ao menos 33 pessoas morrem após explosões em mesquita xiita durante a oração de sexta-feira. Testemunha diz ter visto homens-bomba. Incidente ocorre dias depois de ataque do "Estado Islâmico" contra xiitas no país. Fortes explosões atingiram …