Crise hídrica se agrava e ministro pede redução do consumo de energia

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, fez na noite de terça-feira (31/08) um pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão no qual afirmou que a crise hídrica se agravou, com reflexo nos reservatórios das hidrelétricas, e pediu que as pessoas reduzam o consumo de eletricidade.

Ele fez um apelo para que os consumidores apaguem luzes e aparelhos que não estão em uso, e diminuam o uso de ar-condicionado, ferro de passar e chuveiro elétrico, especialmente durante o horário de pico da tarde nos dias úteis. Albuquerque disse que o esforço será necessário para afastar o risco de apagões.

“Para aumentar a segurança energética e afastar o risco de falta de energia no horário de maior consumo é necessário que a administração e o consumidor participem de um esforço inadiável de redução do consumo”, afirmou o ministro.

O Brasil atravessa a sua pior crise hídrica dos últimos 91 anos, e o volume de chuvas neste ano foi pior do que o esperado, afetando de forma particularmente grave os reservatórios das regiões Sudeste e Centro-Oeste. Segundo o ministro, a perda de geração hidrelétrica maior que a prevista equivale ao consumo de uma cidade do tamanho do Rio de Janeiro durante cinco meses.

Eletricidade mais cara

A crise hídrica forçou o governo a aumentar a geração de eletricidade em usinas termelétricas, mais caras, e importar energia de países vizinhos. Como consequência, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vem adotando bandeiras tarifárias mais caras nos últimos meses, que elevam o preço da eletricidade vendida ao consumidor.

Nesta terça, a Aneel anunciou a criação de uma nova bandeira, chamada de “bandeira de escassez hídrica”, que custará R$ 14,20 por 100kWh e entrou em vigor nesta quarta. Esse valor é 49,6% superior à bandeira vermelha patamar 2, que vinha sendo aplicada e que, por sua vez, já havia sido reajustada em 52% no final de junho.

A adoção da nova bandeira provocará um aumento na conta média dos consumidores de 6,8%, segundo o Ministério de Minas e Energia.

Incentivos à redução do consumo

O governo federal também anunciou na terça detalhes de um programa que dará desconto na conta para consumidores residenciais e pequenas empresas que reduzirem seu consumo. O bônus será de R$ 0,50 para cada quilowatt-hora (kWh) reduzido em relação ao consumo do mesmo período do ano passado.

O desconto entrou em vigor nesta quarta e vale para quem reduzir em ao menos 10% o seu consumo, e será limitado a 20% de redução. A comparação será feita no período acumulado de setembro ao final de dezembro, e o desconto será dado nas contas de janeiro de 2022.

A medida custará cerca de R$ 339 milhões por mês, e será financiada por uma taxa cobrada na própria fatura da energia elétrica de todos os consumidores.

Em 23 de agosto, o governo já havia publicado regras para um programa de redução voluntária do consumo de energia por grandes consumidores, como indústrias. Também foi editado um decreto determinando que os órgãos públicos federais reduzam o seu consumo de energia de 10% a 20% de setembro até abril de 2022.

Ciberia // DW

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Carro voador da NASA levanta voo pela primeira vez; veja como foi

A NASA anunciou que os testes com o eVTOL (veículo elétrico voador com decolagem vertical) mais promissor do mercado foram bem-sucedidos. Desenvolvido pela Joby Aviation, o carro voador experimental realizou uma série de procedimentos para coleta …

Mudanças climáticas: cientistas treinam vacas para usar banheiro contra aquecimento global

Vacas podem ser treinadas para usar um banheiro para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, segundo uma experiência realizada na Alemanha por pesquisadores alemães e da Nova Zelândia. No estudo, os cientistas treinaram os …

Reprovação a Bolsonaro volta a subir, afirma Datafolha

O Instituto Datafolha apurou que a reprovação ao governo do presidente Jair Bolsonaro aumentou ainda mais, passando para 53% entre as pessoas consultadas, segundo uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (17/02) pelo jornal Folha de S. …

Empresa norueguesa assegura que pode 'eliminar' furacões antes que se tornem destrutivos

Especialistas ambientais advertem que o sistema de cortina de bolhas proposto pela empresa poderia ela própria provocar efeitos indesejados. A OceanTherm, startup norueguesa, assegura que sua tecnologia pode evitar que as tempestades tropicais se tornem poderosos …

Limitar aquecimento global a 1,5ºC exige redução drástica de gases poluentes, mostra relatório

Manter a temperatura da Terra a 1,5°C será impossível sem uma redução massiva das emissões de gases poluentes. É o que mostra um novo relatório divulgado pela ONU nesta quinta-feira (16). O documento "United …

Alemanha libera entrada para brasileiros que apresentem teste negativo

A Alemanha vai deixar de considerar o Brasil como área de alto risco na pandemia do novo coronavírus a partir deste domingo, anunciou nesta sexta-feira (17/09) o Instituto Robert Koch (RKI), a agência governamental alemã …

Assembleia-Geral da ONU: exigência de vacina ainda não está decidida, mas é improvável que Bolsonaro seja barrado

Perdeu força a possibilidade de que líderes de países tenham que comprovar que se vacinaram contra a covid-19 para participar da 76ª Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), que acontece na semana que vem …

Submarinos: França perde o "contrato do século" para a Austrália, que opta por EUA e Reino Unido

O jornal econômico Les Echos estampa em sua primeira página desta quinta-feira (16) uma notícia, ainda no condicional, que se concretizaria durante a madrugada: "A Austrália desiste de uma encomenda de 12 submarinos franceses …

VSR: o pouco conhecido vírus que se espalha entre crianças no mundo e também no Brasil

No início de 2021, a equipe do Hospital Infantil de Maimonides, no Brooklyn, em Nova York (EUA), começou a experimentar uma cautelosa sensação de alívio. Os casos de covid-19 na cidade estavam em queda. Como …

Com popularidade em queda, premiê britânico Boris Johnson reforma equipe de governo

Após semanas de boatos, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, decidiu modificar o governo nesta quarta-feira para formar uma "equipe unida" e enfrentar os desafios depois de um ano e meio de pandemia e em …