Dinheiro da JBS sobra para propina e falta para pagar a Previdência

(cv)

Joesley Batista

JBS ajudou a financiar campanhas de 1.829 candidatos de 28 partidos

A CPI da Previdência vai começar a ouvir os maiores devedores do INSS, entre eles o grupo JBS, que em delação premiada disse ter desembolsado pelo menos R$ 941 milhões em propina a 1.829 políticos. O dinheiro que sobrou para propinas faltou para a Previdência Social. O frigorífico deve R$ 1,8 bilhão ao INSS. 

Segundo levantamento a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, responsável pela cobrança das dívidas com a União, o grupo JBS é o segundo maior devedor da Previdência, com um montante de R$ 1.837.489.343,08. O valor só é superado pela antiga Varig, companhia aérea que faliu em 2006 e que deve R$ 3.713.041.224,05 bilhões.

O relator da CPI da Previdência, senador Hélio José (PMDB-DF), pergunta: “Existe o lucro dessa empresa, existe ‘distribuição’ de dinheiro, porque não pagam à Previdência?”.

Também comparecerão à audiência pública representantes dos frigoríficos Marfrig, Margen e Nicolini, informou ao DIA o presidente da CPI, senador Paulo Paim (PT-RS). Juntos, os cinco frigoríficos devem mais de R$ R$ 3,8 bilhões à Previdência, segundo dados da Procuradoria-Geral de Fazenda Nacional.

“Neste primeiro momento as empresas foram convidadas, mas, se faltarem, serão convocadas”, adverte o relator.

“Não é possível que empresas tenham ganhos milionários e não paguem o que devem à Previdência e o trabalhador tenha que pagar essa conta via Reforma da Previdência”, complementa Paim.

Receita de R$ 170 bi

Os números da JBS no ano passado corroboram a afirmação dos senadores. Somente em 2016, o grupo JBS apresentou receita líquida de R$ 170,4 bilhões, segundo informações que constam no balanço da companhia.

A dívida que a Previdência tem a cobrar chega a R$ 426,07 bilhões, quase três vezes o déficit do setor, que foi cerca de R$ 149,7 bilhões no ano passado, segundo informou o senador. O objetivo da CPI, conta, é chamar os devedores à responsabilidade para que paguem o que devem.

Só que a cobrança desse dinheiro não é tão simples. A procuradoria tenta recuperar parte do dinheiro por meio de ações na Justiça. No ano passado, voltaram aos cofres da União, aproximadamente, R$ 4,15 bilhões, cerca de 1% do total devido.

O procurador Cristiano de Moraes diz que a procuradoria tem desenvolvido projetos para agilizar o pagamento das dívidas, mas programas de parcelamento de dívidas de estados e prefeituras acabam desincentivando o pagamento dos débitos.

Ineficiência na fiscalização impacta a Previdência

Em entrevista ao DIA, o senador Paulo Paim (PT-RS) questiona o déficit que o governo diz existir, segundo ele apenas para justificar a Reforma da Previdência, e afirma que a CPI da Previdência trará à luz a realidade dos números da Seguridade Social. “O problema é de gestão, o que não se resolve com nenhuma reforma”, defende.

Algumas das razões apontadas pelo senador e por representantes dos procuradores e auditores fiscais da Fazenda que compareceram a audiências públicas para explicar o déficit são a não cobrança de empresas com dívidas milionárias, desonerações a setores específicos que provocaram uma renúncia de R$ 80 bilhões entre 2012 e 2016 e contribuições sociais utilizadas em outras finalidades que não na Seguridade Social.

Outra questão levantada é a chamada “pejotização” — a prática de contratar o trabalhador como pessoa jurídica, o que diminui a arrecadação tributária. Para eles, a reforma não resolve os problemas como deveria, entre outros motivos, por não incluir os militares e não equacionar o financiamento da aposentadoria rural.

De acordo com o presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho, Carlos Fernando da Silva Filho, somente em 2015, mais de R$ 46 bilhões em contribuições previdenciárias dos empregados não foram repassados pelas empresas à União.

O valor que os empregadores deixaram de pagar entre 2012 e 2015 soma, segundo o auditor, mais de R$ 108 bilhões. “O que assusta mais é saber que o número é conhecido pelo governo, porque é declarado pelo devedor. O devedor informa nas guias aquilo que ele recolheu ou que deve, mas não recolheu”, diz.

As entidades dos auditores afirmam que, com ou sem reforma, os problemas da Previdência tendem a crescer por conta da ineficiência na capacidade de arrecadação, que saiu de um índice de 22% em 2012 para 35% em 2015.

Uma dívida que nunca é cobrada

A dívida ativa da União é um dos pontos em destaque em uma das audiência públicas da CPI da Previdência. O senador Paulo Paim (PT-RS) conta que este valor, que se refere a dívidas não pagas ao governo federal por pesosas e empresas, já soma R$ 1,8 trilhão.

Deste montante, R$ 400 bilhões são valores que deveriam ter sido recolhidos à Previdência. “As receitas que deveriam ser destinadas à Seguridade Social são repetidamente usadas para pagar a dívida pública”, adverte o presidente da Associação Nacional de Auditores Fiscais da Receita Federal (Anfip), Vilson Romero.

Dados apontam que se as contribuições fossem repassadas corretamente, o total das receitas em 2015 seria de R$ 694 bilhões. A despesa com a Seguridade Social, por sua vez, seria de R$ 683 bilhões.

Com isso, ao invës do déficit alegado pelo governo, haveria, segundo os numeros dos auditores, um superávit de R$ 11 bilhões. “Por que não cobrar quem deve à Previdência? A impressão que dá é que existe um ‘pacto’ com devedores”, dispara Paulo Paim.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Mistura inusitada de amônia e água cria raios superficiais e granizos em Júpiter

Júpiter, o maior gigante gasoso do Sistema Solar, é um lugar coberto por tempestades estranhas. O que os cientistas ainda não sabiam é que no meio dessas tormentas, existem raios de natureza bem diferente dos …

Emocionante avanço da teoria para a realidade: bizarro efeito quântico é observado

No núcleo toda estrela anã branca — o denso resto de uma estrela que queimou todo seu combustível — existe um fenômeno quântico enigmático: enquanto ganha massa ela reduz de tamanho chegando a um ponto …

Estudo prevê 300 mil mortes por covid até fim do ano nos EUA

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros estados americanos divulgam taxas de infecções recordes. A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil americanos …

Coronavírus: Exportações devem cair mais de 20% na América Latina, diz ONU

As exportações da América Latina e do Caribe podem cair mais de 20% em 2020 devido às consequências da pandemia do coronavírus, que também terá um impacto negativo nas importações, disse uma agência da …

O que é nitrato de amônio, que pode provocar explosões como a de Beirute?

A recente tragédia no país árabe trouxe de novo à tona preocupações sobre o armazenamento do perigoso material, tornando necessário saber como esses incidentes ocorrem para os prevenir. A explosão de nitrato de amônio em Beirute, …

Astrônomos descobrem nuvens gigantes "escondidas" em Vênus há 35 anos

Uma equipe de astrônomos encontrou nuvens venenosas, com gotas de ácido sulfúrico em sua formação, em meio à densa atmosfera de Vênus. Curiosamente, essas nuvens já estavam presente na atmosfera venusiana há pelo menos 35 anos, …

Japão lembra 75 anos de bomba de Hiroshima e pede união contra armas nucleares

Esta quinta-feira (6) marca o 75º aniversário do primeiro ataque com bomba atômica do mundo. Cerca de 140 mil pessoas morreram no bombardeio à cidade japonesa, realizado pelo Estados Unidos no fim da Segunda Guerra …

Donald Trump determina bloqueio do TikTok e WeChat nos EUA em 45 dias

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump assinou na noite de ontem (6) uma ordem executiva determinando o fim de relações com as empresas responsáveis pelos apps TikTok e WeChat no país norte-americano. Em comunicado emitido …

Brasil caminha para ter 200 mil mortes pelo coronavírus até outubro, diz especialista

Na semana em que o Brasil deverá registrar 100 mil mortes pelo novo coronavírus, um especialista brasileiro indica que o país caminha para dobrar esse número em dois meses, atingindo 200 mil óbitos pela pandemia …

Petição defende que França assuma controle do Líbano

Suspeita de que desastre em Beirute foi causado por negligência eleva indignação dos libaneses, que pedem mandato francês pelos próximos dez anos no país. Apelo recebe mais de 50 mil assinaturas após visita de Macron. Quase …