Esqueletos de soldados esmagados por Napoleão são encontrados na Áustria

(dr) Novetus

Alguns dos esqueletos encontrados, na Áustria, dos soldados da Batalha de Wagram

Debaixo dos campos agrícolas de uma pequena cidade a nordeste de Viena, na Áustria, foram encontrados vestígios de uma das maiores batalhas travadas por Napoleão Bonaparte.

De acordo com as estimativas, 55 mil soldados morreram quando as tropas de Napoleão entraram em confronto com o exército austríaco na Batalha de Wagram, entre 5 e 6 de julho de 1809. Muitos foram diretamente enterrados no local e, pela primeira vez, uma equipe de arqueólogos escava o campo de batalha, escreve o Live Science.

Os pesquisadores mapeiam as valas comuns, bem como as milhares de balas e itens pessoais que foram deixados no campo, esperando assim ter uma visão mais detalhada do desfecho da batalha. Eles também examinam os ossos dos soldados, descobrindo o quão pouco saudáveis muitos deles estavam antes de morrerem na guerra.

As escavações começaram porque a autoridade rodoviária da Áustria (ASFINAG) está construindo uma rodovia, que se estende do leste de Viena até a fronteira com a Eslováquia, e a rota planejada passa por Deutsch-Wagram, município onde foram encontrados os vestígios da batalha.

Para cumprir as leis de patrimônio cultural, a ASFINAG teve que levar arqueólogos até o local para procurar qualquer vestígio histórico que pudessem ser destruídos ou encobertos pela nova estrada.

“Sempre soubemos que esse campo de batalha estava aqui, mas não havia nenhuma pesquisa planejada ou focada nele”, disse o arqueólogo Alexander Stagl, diretor executivo da Novetus, uma empresa de gestão de recursos culturais em Viena, que ganhou o contrato para as escavações. “Estamos no local da batalha e esta é a razão pela qual acho que temos tantas descobertas”, acrescenta.

Muitos dos soldados foram enterrados com suas roupas e, embora tenham se desintegrado com o tempo, os botões de metal “sobreviveram”. Os objetos podem mostrar aos arqueólogos as fileiras e nacionalidades dessas pessoas.

Slawomir Konik, o arqueólogo responsável pelas escavações, acredita que a equipe encontrou um oficial francês e, eventualmente, poderá ser possível identificá-lo pelo nome.

Mas a equipe não está apenas interessada nos oficiais. Hannah Grabmayer, da Novetus, e Michaela Binder, do Instituto Arqueológico Austríaco, conduzem um estudo antropológico dos restos mortais encontrados.

“Há, obviamente, muitos traumatismos que são impressionantes”, disse Binder, em declarações ao mesmo site. “Mas o que é realmente interessante é aprender como os soldados viviam”.

Dos 50 esqueletos encontrados até agora, a maioria dos indivíduos eram homens jovens entre 16 e 30 anos, com deficiências de vitamina C, inflamação das articulações provocadas pelas longas marchas carregando objetos pesados e doenças como pneumonia, que teriam se espalhado facilmente devido às condições do acampamento militar.

A equipe explora a zona desde março de 2017, estimando vá continuar as escavações até o fim do ano. Trata-se de um projeto caro e de grandes dimensões. Por exemplo, um dos locais cobre uma área do tamanho de 27 campos de futebol.

A ASFINAG reservou 3 milhões de euros para o projeto, com metade do dinheiro para os agricultores cujas terras terão de ser alugadas para a escavação.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Lausanne, na Suíça, é a melhor cidade pequena do mundo

A cidade de Lausanne, na Suíça, foi considerada a melhor cidade pequena do mundo pela influente revista britânica “Monocle”. A publicação fez uma lista com as 25 melhores cidades pequenas do mundo, com população …

Esse organismo unicelular toma "decisões" complexas mesmo sem um cérebro

Um organismo unicelular de água fresca chamado Stentor roeseli demonstra comportamento inteligente. Ele foi descoberto em 1906, e quando estimulado no microscópio, essa criatura com formato de trompete conseguiu tomar decisões consideradas complexas para um …

Rússia é banida de eventos esportivos mundiais por quatro anos

Decisão deixará o país de fora dos Jogos Olímpicos de 2020 e da Copa do Mundo de Futebol de 2022. Agência Mundial Antidoping (Wada) conclui que Moscou manipulou dados laboratoriais de seus atletas. A Rússia está …

Pessoas em situação de rua viram guias turísticos na Irlanda

Olha só que iniciativa maravilhosa. Na Irlanda, o projeto ‘Secret Street Tours’ treina pessoas em situação de rua para usar seu conhecimento sobre a cidade para serem guias de turistas em tours pela cidade de …

Cientistas finalmente criam neurônios artificiais

Uma equipe internacional liderada por pesquisadores da Universidade de Bath (Inglaterra) realizou um feito inédito: conseguiu reproduzir a atividade biológica de neurônios usando chips de silicone. E o que é ainda melhor: esses “neurônios artificias” requerem …

Huawei pode lançar novos smartphones no Brasil, afirma executivo

A Huawei oficializou, nesta quinta-feira, 5, uma plataforma de auxílio aos desenvolvedores para publicarem e divulgarem seus aplicativos para os dispositivos da companhia. Chamada Huawei Ability Gallery, trata-se de uma expansão do ecossistema da App Gallery, …

Metrô de Paris ficará em greve até segunda-feira contra reforma da Previdência

A greve dos metroviários de Paris contra o projeto de reforma da Previdência francesa foi prorrogada até segunda-feira (9). Nas assembleias-gerais realizadas pela categoria na manhã de quinta-feira (5), primeiro dia da paralisação, quase todos os …

"Operação Maleta Verde", o escândalo que atinge governo e oposição na Venezuela

Com semblante mais sério que de costume, Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela pelos Estados Unidos, pelo parlamento da União Europeia e por vários países da América Latina, dirigiu-se a jornalistas reunidos em …

Sarampo causou mais de 140 mil mortes em 2018

De acordo com OMS, maioria das vítimas tinha menos de cinco anos de idade e não havia sido vacinada. No ano passado, foram registrados quase 10 milhões de casos da doença no mundo. O sarampo causou …

O que contribuiu em peso para o 'colapso maia'?

Pesquisas recentes reforçam a teoria de que o colapso de muitas das grandes cidades maias mesoamericanas estava relacionado a períodos prolongados de seca, alguns de até 200 anos. Nayelli Jiménez Cano, pesquisadora do Laboratório de Zooarqueologia …