Estude na Nova Zelândia: bolsas de até R$ 80 mil para brasileiros

sxbaird / Flickr

Vista de Auckland, a maior cidade da Nova Zelândia

Oportunidade para estudar na Nova Zelândia: para atrair bons acadêmicos, o governo neozelandês e as universidades do país estão dando uma série de incentivos aos estudantes internacionais. Entre eles, estão bolsas de estudo, vistos de trabalho pós-formação e condições especiais para quem quer fazer Doutorado.

As instituições estão com inscrições abertas para programas de bolsas. Os valores podem chegar a 30 mil dólares neozelandeses por ano – cerca de R$ 80 mil anuais.

Hoje, oito universidades neozelandesas estão com inscrições abertas para bolsas em inúmeras áreas do conhecimento, como filosofia, jornalismo, economia, engenharia mecânica, negócios e cursos da área da saúde.

As universidades são: Victoria University of Wellington, University of Waikato, University of Canterbury, University of Otago, University of Auckland, Auckland University of Technology, Lincoln University e Massey University.

As entidades com maior número de bolsas abertas (que aceitam brasileiros) são a University of Canterbury e Victoria University of Wellington, com mais de 80 programas cada uma. Pelo site do governo da Nova Zelândia, é possível pesquisar quais instituições têm programas de bolsas que aceitam brasileiros.

O sistema permite filtrar a busca por nacionalidade do estudante, área de interesse e nível do estudo procurado (graduação, pós-graduação, doutorado, mestrado, entre outros). As regras e valores das bolsas variam de acordo com o nível de qualificação do estudo e o curso buscado pelo candidato.

Estudos

Os maiores valores de bolsas são oferecidos para estudantes de mestrado e doutorado.

Para mestrado, o valor médio é de 16,5 mil dólares neozelandeses por ano (cerca de R$ 43 mil). No doutorado, as bolsas variam de 23,5 mil a 30 mil dólares neozelandeses por ano (entre R$ 63 mil e R$ 80 mil), mais as taxas do curso.

A maior parte das bolsas de mestrado e doutorado vale por dois ou três anos.

As bolsas de graduação e pós-graduação costumam ir de 500 dólares a 20 mil dólares neozelandeses anuais (R$ 1.325 a R$ 53 mil).

A Massey University, por exemplo, está com inscrições abertas para bolsas anuais de até 20 mil dólares neozelandeses para cursos de graduação e 10 mil dólares em pós-graduação. Sem a bolsa, a graduação na Massey custa, em média, 30 mil dólares neozelandeses por ano.

Podem se inscrever até 30 de novembro estudantes da área de negócios (contabilidade, aviação, marketing, economia e administração) e até 1º de novembro estudantes de humanidades e ciências sociais (artes, comunicação, educação ou linguística).

Doutorado

Estudantes estrangeiros aprovados em programas de doutorado na Nova Zelândia são considerados estudantes domésticos e têm os mesmos benefícios dos neozelandeses. Esses estudantes têm acesso ao sistema público de saúde, podem trabalhar em tempo integral, seus cônjuges podem solicitar vistos de trabalho e os filhos têm acesso gratuito às escolas públicas.

Estudantes de doutorado e mestrado podem trabalhar em período integral. Estudantes de graduação e pós-graduação podem trabalhar 20 horas semanais e tempo integral nos feriados e férias de Natal e Ano Novo.

Além disso, o curso sai bem mais em conta. Se não fosse esse incentivo, um estudante estrangeiro de doutorado pagaria algo entre 30 mil e 35 mil dólares neozelandeses por ano (entre R$ 82 mil e R$ 96 mil). Com o incentivo do governo, o preço cai para 6 mil dólares neozelandeses ao ano (cerca de R$ 16 mil).

Pré-requisitos para as bolsas

As regras e processos para pedidos de bolsas variam de universidade para universidade, mas costumam ter alguns pré-requisitos básicos, explica o portal Estudar Fora. Um deles é o exame de proficiência em inglês, como o Toefl ou o Ielts.

Para a inscrição, os estudantes também devem enviar cópias do passaporte, histórico acadêmico e do diploma brasileiro com tradução juramentada.

As condições para que a bolsa seja mantida durante o curso mudam de uma instituição e disciplina para a outra. Normalmente, o estudante deve ter notas mínimas em B+ (equivalente à nota 7 no Brasil).

As universidades começam a analisar os pedidos de bolsas após o encerramento das inscrições. Se for aprovado, o estudante receberá uma carta informando a aprovação e detalhes sobre a bolsa. Com esse documento, poderá dar entrada no pedido de visto pelo consulado neozelandês no Brasil.

Visto de trabalho

Além disso, qualquer estrangeiro que conclua um curso de nível superior com ao menos 30 semanas de duração na Nova Zelândia pode solicitar um visto de trabalho ao final dos estudos. O visto é válido por 12 meses. Se conseguir trabalho na área, o estudante tem direito a um segundo visto com duração de até dois anos.

A exceção são os estudantes com bolsas da New Zealand Development Scholarships, que devem retornar ao país de origem em dois anos.

Ciberia // Só Notícia Boa

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Asteroide Psyche poderia ser núcleo de planeta que não se formou, dizem cientistas

Cientistas examinaram um asteroide que deve ser visitado por uma missão da NASA em 2022, encontrando provas que suas propriedades atraíram sucessão de outros asteroides. Após realizar diversas simulações em 2D e 3D usando um supercomputador, …

Essa “formiga-diabo” pré-histórica ataca sua presa há 99 milhões de anos

Uma linhagem extinta há tempos, nomeada afetuosamente de “formiga do inferno” ou “formiga-diabo”, foi encontrada presa em âmbar há 99 milhões de anos atrás, com sua mandíbula em formato de foice agarrada firme na presa. No …

Mataram um crocodilo de meia tonelada e 4,5 metros depois de 50 anos de perseguição

Notícia triste para quem luta pela preservação do meio ambiente. Conhecido como Demônio, um crocodilo de meia tonelada e 4,5 metros, que segundo moradores aterrorizava vilarejos na ilhas Bangka Belitung (Indonésia), foi morto na semana …

China diz que encontrou traços de coronavírus em frango brasileiro

Carga de asas de frango que chegou a Shenzhen, no sul do país asiático, foi confiscada. Funcionários da alfândega que entraram em contato com alimentos foram testados, mas exames deram negativo. Traços do novo coronavírus foram …

Vacinação em SP começa em janeiro, segundo diretor do Butantan

Com a pandemia, inúmeras empresas estão dedicadas ao desenvolvimento de uma vacina que possa ajudar na luta contra a COVID-19. Nesta quarta-feira (12), o diretor do Instituto Butantan, Dimas Tadeu Covas, afirmou que o estado …

Descoberto "Stonehenge de madeira" de 4.500 anos em Portugal

A estrutura de madeira achada é a "única na pré-história da Península Ibérica", explicou o arqueólogo que lidera as escavações. Durante uma escavação no sítio arqueológico de Perdigões, arqueólogos descobriram uma estrutura para fins cerimoniais de …

Coronavírus reaparece na "protegida" Nova Zelândia e gera alerta

A detecção de quatro casos de transmissão local do novo coronavírus, depois de mais de 100 dias sem o vírus, levou as autoridades da Nova Zelândia a restaurar a quarentena em Auckland, cidade mais populosa …

Viagem aos anos 90: Airbnb abrirá reservas para pernoites na última Blockbuster

Quem viveu o boom das locadoras nos anos 90 sabe que ir até uma Blockbuster ou redes semelhantes de VHS e DVDs era um verdadeiro programa de final de semana: a experiência de assistir a …

Joe Biden escolhe Kamala Harris como candidata a vice

Senadora eleita pela Califórnia pode se tornar a primeira mulher vice-presidente dos Estados Unidos, caso chapa democrata derrote Donald Trump em eleição de novembro. O candidato à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou nesta terça-feira …

Bilionários do Vale do Silício apostam em bunkers para vencer fim do mundo

Esqueça a vida no espaço: bilionários do Vale do Silício estão se preparando para o apocalipse comprando bunkers. A parte mais abastada da população mundial tem se mostrado interessada em adquirir “buracos na terra” equipados para …