EUA esperam associação ativa com governo de Bolsonaro

Fernando Frazão / Agencia Brasil

Jair Bolsonaro

O assessor de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton, afirmou depois de se reunir no Rio de Janeiro com o presidente eleito, Jair Bolsonaro, que seu país espera uma “associação ativa com o Brasil” durante o novo governo.

O assessor de Donald Trump disse que aproveitou o encontro para estender o convite que o presidente dos EUA fez para que Jair Bolsonaro o visite em Washington a fim de debater sobre uma maior cooperação entre os dois países.

“Tivemos uma ampla e produtiva discussão com o presidente eleito do Brasil e com sua equipe de segurança”, disse Bolton em mensagem no Twitter, depois de uma reunião na qual nenhuma das partes deu declarações à imprensa.

Bolsonaro também se pronunciou pelo Twitter e disse que o encontro foi produtivo, mas também não se referiu ao que foi discutido.

“Uma reunião muito produtiva e agradável com o assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton. Estive acompanhado de nosso futuro ministro da Defesa (General Fernando), Relações Exteriores (Ernesto Araújo) e com o chefe do Gabinete de Segurança Institucional (General Heleno)”, disse Bolsonaro em sua mensagem.

Heleno, colaborador próximo do presidente eleito, afirmou que os dois países precisam estreitar seus vínculos para aproveitar “a proximidade geográfica e geopolítica”. “Temos que nos aproximar. Isso parece muito importante”, afirmou o general da reserva do Exército.

Junto a Bolsonaro também estavam um de seus filhos, o senador eleito Flavio Bolsonaro, e o atual ministro de Relações Exteriores, Aloysio Nunes.

Bolton compareceu ao encontro acompanhado pelo diretor para Assuntos do Hemisfério Ocidental do Conselho de Segurança Nacional, Mauricio Claver-Carone; o diretor para o Brasil, David Schnier; o encarregado de Negócios, Bill Popp; e o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Garrett Marquis.

O assessor americano chegou à residência de Bolsonaro no Rio às 6h45 para um encontro de pouco mais de uma hora, no qual as duas delegações se sentaram à mesa para um café da manhã, tiveram uma reunião mais reservada e posaram para fotógrafos e cinegrafistas oficiais.

Bolton fez uma breve escala no Rio de Janeiro em sua viagem rumo a Buenos Aires, onde participará a partir de amanhã da Cúpula do G20 como integrante da delegação de Trump.

Apesar de nenhuma das partes ter divulgado o assunto da conversa, tanto Bolsonaro como Bolton tinham antecipado nas redes sociais que abordariam temas como a situação de Venezuela e Cuba, a segurança regional e a influência econômica e política da China nos países da América Latina.

Desde que foi eleito, Bolsonaro não escondeu seu interesse em se aproximar dos EUA.

Trump, por sua vez, foi o primeiro chefe de Estado a parabenizá-lo por sua vitória nas eleições, em uma conversa na qual disse esperar uma maior aproximação entre ambos os países, especialmente em assuntos comerciais e de cooperação militar.

Na última terça-feira, Bolton disse que a eleição de Bolsonaro é uma “oportunidade histórica” para Brasil e EUA e afirmou que os dois presidentes já começaram a desenvolver “uma relação pessoal”.

“Vemos isto como uma oportunidade histórica para que Brasil e EUA trabalhem juntos em uma série de áreas, como economia, segurança, entre outras”, afirmou Bolton.

ZAP // EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …

Explosões deixam vários mortos em mesquita no Afeganistão

Ao menos 33 pessoas morrem após explosões em mesquita xiita durante a oração de sexta-feira. Testemunha diz ter visto homens-bomba. Incidente ocorre dias depois de ataque do "Estado Islâmico" contra xiitas no país. Fortes explosões atingiram …