Grávida medieval deu à luz no túmulo; depois de uma “neurocirurgia”

A. Pasini et al. / World Neurosurgery

A tétrica sepultura encontrada pelos arqueólogos em 2010

Uma grávida da Idade Média, que foi sujeita a uma cirurgia craniana na Itália, deu à luz depois de ter falecido, de acordo com uma equipe de cientistas que examinou os antigos restos mortais da mulher medieval.

Cientistas da Universidade de Ferrara e Bolonha, na Itália, analisaram o esqueleto de uma mulher, descoberto em 2010 na pequena cidade de Imola, na Bolonha, que teria sido sujeita a uma cirurgia craniana e dado à luz após a morte. Acredita-se que os restos mortais sejam do período entre 600 e 700 a.C.

O caso, cujos detalhes foram publicados em fevereiro na revista World Neurosurgery, foi identificado pelos arqueólogos como sendo um nascimento no caixão — fenômeno que ocorre quando o embrião de uma grávida falecida é expulso do corpo da mãe no túmulo.

Conhecido como extrusão fetal após a morte, o nascimento ocorre na sequência do aumento da pressão de gás dentro de um corpo em decomposição.

A mulher foi encontrada com o embrião entre as pernas. Devido à posição dos ossos, os cientistas concluíram que se tratava de um caso de nascimento no caixão. A cabeça do embrião e a parte superior do corpo foram encontradas fora da cavidade pélvica da mulher, enquanto as pernas do bebê ficaram dentro.

De acordo com os cientistas, há uma grande probabilidade de se tratar de um nascimento parcial de uma gravidez de 38 semanas – a pouco menos de duas semanas do desenvolvimento completo do feto.

A. Pasini et al. / World Neurosurgery

Pequenos ossos encontrados abaixo da pélvis da mãe

A mulher tinha também um buraco de 5mm no crânio, o que parece indicar que teria sido sujeita a uma trepanação, procedimento cirúrgico de abertura do crânio por perfuração ou raspagem das camadas ósseas.

A ideia de que uma grávida medieval de 38 semanas pudesse ter sido sujeita a uma forma primitiva de cirurgia é aparentemente bizarra, mas poderia, na realidade, ter havido uma razão médica para a realização da intervenção.

A trepanação era usada para tratar a pré-eclampsia, ou pressão arterial elevada ligada à gravidez, pelo que os cientistas supõem que teria sido o caso da gestante. A mulher teria sobrevivido apenas uma semana após a operação, e sepultada ainda grávida, dando à luz durante a decomposição do corpo.

O caso aparentemente incomum é na realidade mais comum do que poderia se pensar, havendo vários casos documentados na literatura científica. No ano passado, um caso semelhante foi registrado em um cemitério próximo de Gênova, também na Itália.

Ciberia // Sputnik / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …