Mulheres negras continuam com menos oportunidades no Brasil

Marcelo Casal Jr / Agência Brasil

Marcha das Mulheres Negras em Brasília, em 2015

Ser mulher e negra no Brasil significa trabalhar mais, ganhar menos e ver limitadas as oportunidades em um mercado de trabalho ainda dominado pelos homens, apesar dos avanços registrados nas duas últimas décadas, como mostra um relatório pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

O estudo intitulado Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça afirma que, entre 1995 e 2005, as mulheres negras brasileiras foram o coletivo que recebeu o menor salário pelo trabalho desempenhado.

“A mulher negra está na base da sociedade. Está com mais desvantagens”, disse à Agência Efe a pesquisadora Natália Fontoura, uma das autoras do relatório.

A marginalização começa no âmbito educativo, onde a taxa de analfabetismo em 2015 foi de 10,2%, contra 4,9% registrado entre as mulheres brancas.

A questão racial é somada à desigualdade de gênero, também profunda no país, o que coloca as mulheres negras em uma posição ainda pior.

“Viemos de uma sociedade em que as mulheres sempre ocuparam posições inferiores, com escravidão. Nunca houve políticas para impulsionar a população negra”, denunciou a especialista.

Em média, o salário mensal de uma mulher negra no Brasil é quase R$ 1,5 mil menor que o salário médio de um homem branco. Em 2015, o salário médio de um adulto branco era de R$ 2.509,7 frente aos R$ 1.027,5 que recebia uma mulher negra.

A tendência se manteve inalterada durante os últimos 20 anos, com as mulheres negras como o setor populacional menos remunerado, apesar de nesse período seu salário ter se valorizado 80%, contra os 11% de crescimento no sálario dos homens brancos.

As maiores dificuldades no âmbito educativo se traduzem em uma formação pior e, por sua vez, no acesso a piores postos de trabalho com remunerações menores.

De acordo com Fontoura, 18% das trabalhadoras negras e 10% das brancas estão empregadas no setor doméstico, embora, em igualdade de situações, as últimas tenham melhores condições.

A diferença também é percebida na taxa de desemprego, que em 2015 chegou a 17,4% para as mulheres negras com ensino médio, contra 11,6% da média feminina.

Em nível geral, os avanços para reduzir as diferenças de gênero na educação não se refletiram no mercado de trabalho, “onde a maior parte dos indicadores mostra uma hierarquia estagnada” dominada pelos homens brancos, segundo o relatório.

As mulheres brasileiras trabalham em média 53,6 horas semanais e os homens apenas 46,1, ou seja, 360 horas a mais ao longo de um ano.

“Precisamos de políticas públicas para enfrentar essas desigualdades”, disse Fontoura, que lamenta que as diferenças salariais entre ambos os sexos “continuem sendo muito grandes”.

Além disso, a taxa de participação laboral feminina ainda é muito baixa, segundo o relatório, que ressalta que quase a metade das brasileiras em idade ativa continua fora do mercado de trabalho.

O documento constata que existem “barreiras” para que as mulheres deixem a casa e se incorporem ao mercado de trabalho, apesar dos avanços das últimas décadas, e alerta que esse “teto” de participação será “difícil” de ser superado.

No âmbito doméstico, 40% das famílias do Brasil são lideradas por mulheres, embora em 34% dos casos exista um cônjuge no núcleo familiar.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …