Mulheres negras continuam com menos oportunidades no Brasil

Marcelo Casal Jr / Agência Brasil

Marcha das Mulheres Negras em Brasília, em 2015

Ser mulher e negra no Brasil significa trabalhar mais, ganhar menos e ver limitadas as oportunidades em um mercado de trabalho ainda dominado pelos homens, apesar dos avanços registrados nas duas últimas décadas, como mostra um relatório pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

O estudo intitulado Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça afirma que, entre 1995 e 2005, as mulheres negras brasileiras foram o coletivo que recebeu o menor salário pelo trabalho desempenhado.

“A mulher negra está na base da sociedade. Está com mais desvantagens”, disse à Agência Efe a pesquisadora Natália Fontoura, uma das autoras do relatório.

A marginalização começa no âmbito educativo, onde a taxa de analfabetismo em 2015 foi de 10,2%, contra 4,9% registrado entre as mulheres brancas.

A questão racial é somada à desigualdade de gênero, também profunda no país, o que coloca as mulheres negras em uma posição ainda pior.

“Viemos de uma sociedade em que as mulheres sempre ocuparam posições inferiores, com escravidão. Nunca houve políticas para impulsionar a população negra”, denunciou a especialista.

Em média, o salário mensal de uma mulher negra no Brasil é quase R$ 1,5 mil menor que o salário médio de um homem branco. Em 2015, o salário médio de um adulto branco era de R$ 2.509,7 frente aos R$ 1.027,5 que recebia uma mulher negra.

A tendência se manteve inalterada durante os últimos 20 anos, com as mulheres negras como o setor populacional menos remunerado, apesar de nesse período seu salário ter se valorizado 80%, contra os 11% de crescimento no sálario dos homens brancos.

As maiores dificuldades no âmbito educativo se traduzem em uma formação pior e, por sua vez, no acesso a piores postos de trabalho com remunerações menores.

De acordo com Fontoura, 18% das trabalhadoras negras e 10% das brancas estão empregadas no setor doméstico, embora, em igualdade de situações, as últimas tenham melhores condições.

A diferença também é percebida na taxa de desemprego, que em 2015 chegou a 17,4% para as mulheres negras com ensino médio, contra 11,6% da média feminina.

Em nível geral, os avanços para reduzir as diferenças de gênero na educação não se refletiram no mercado de trabalho, “onde a maior parte dos indicadores mostra uma hierarquia estagnada” dominada pelos homens brancos, segundo o relatório.

As mulheres brasileiras trabalham em média 53,6 horas semanais e os homens apenas 46,1, ou seja, 360 horas a mais ao longo de um ano.

“Precisamos de políticas públicas para enfrentar essas desigualdades”, disse Fontoura, que lamenta que as diferenças salariais entre ambos os sexos “continuem sendo muito grandes”.

Além disso, a taxa de participação laboral feminina ainda é muito baixa, segundo o relatório, que ressalta que quase a metade das brasileiras em idade ativa continua fora do mercado de trabalho.

O documento constata que existem “barreiras” para que as mulheres deixem a casa e se incorporem ao mercado de trabalho, apesar dos avanços das últimas décadas, e alerta que esse “teto” de participação será “difícil” de ser superado.

No âmbito doméstico, 40% das famílias do Brasil são lideradas por mulheres, embora em 34% dos casos exista um cônjuge no núcleo familiar.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Bill Gates vai financiar sete pesquisas de vacina contra COVID-19

Bill Gates, o fundador, ex-CEO e atual filantropo, anunciou durante entrevista no talk show norte-americano Daily Show With Trevor Noah que, por meio de sua própria fundação, estará financiando sete pesquisas clínicas que buscam descobrir …

Bolsonaro é denunciado no TPI por “crime contra a humanidade”

A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) denunciou o presidente Jair Bolsonaro por crime contra a humanidade no Tribunal Penal Internacional.  A denúncia foi protocolada nesta quinta-feira (2) na corte de Haia. Segundo …

O primeiro ‘autor’ do mundo era uma mulher

Enheduanna viveu no século 23 antes da nossa era na Mesopotâmia. Princesa, sacerdotisa e poeta, ela pode se orgulhar de ter sido a primeira autora do mundo a ter seu nome conhecido em uma época …

Maduro envia carta ao povo dos EUA pedindo "cessação das sanções"

Nicolás Maduro enviou uma carta ao povo dos Estados Unidos expressando uma mensagem de solidariedade e paz, e pedindo fim das ameaças militares e das sanções contra Venezuela. No documento, o chefe de Estado venezuelano exprime …

Governo dos EUA alerta população para novo "11 de Setembro" devido à covid-19

Chefe da Saúde Pública do país prevê que próxima semana será "a mais difícil e mais triste da vida da maioria dos americanos". Ele compara repercussão a dois dos maiores traumas da história dos Estados …

Quarentena em todo o mundo deixou a crosta terrestre mais "silenciosa"

As medidas de isolamento social adotadas para conter o novo coronavírus (SARS-CoV-2) estão deixando a Terra mais silenciosa - ao menos para os “ouvidos” sensíveis dos sismógrafos. É que as atividades humanas, tais como a circulação …

IA sincronizada com música cria rostos falsos, o resultado pode se aterrorizante

As pessoas ainda aprendem a melhor forma de empregar as redes neurais artificiais, aprendizado de máquina e avanços em inteligência artificial. Entre as pesquisas práticas há a busca por empregar essas técnicas de forma a …

Coronavírus: 92% das mães nas favelas dizem que faltará comida após um mês de isolamento

"Muitas pessoas entraram na linha de pobreza da noite para o dia. O casal que trabalhava no shopping na semana retrasada, que recebia por semana, fez a compra da semana passada e nesta semana já …

Dois anos após mortes de Marielle e Anderson, Anistia Internacional cobra identificação de mandantes

Dois anos após os assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e do motorista Anderson Gomes, em 14 de março de 2018, o crime permanece sem solução e ilustra a impunidade no combate à violência …

Coronavírus poderia ser a 1ª de muitas outras pandemias futuras, adverte cientista

Apesar do registro de mais de um milhão de infectados à escala mundial, a doença poderia ser suplantada por patologias bem mais perigosas. Comparando com as doenças que poderiam reaparecer como resultado do aquecimento global, o …