Museu da Língua Portuguesa lança projeto que usa a palavra para lidar com as dores da pandemia

A palavra não é somente nossa maior ferramenta de comunicação e um dos principais instrumentos para a criação humana – ela pode ser também um remédio.

Usar a palavra para curar nossos males e dores é recurso que escritores ao longo da história sempre souberam ser poderoso, e em um contexto tão doloroso e áspero quanto o da atual pandemia o Museu da Língua Portuguesa decidiu oferecer essa hipótese de saúde pela palavra a todos.

A Palavra no Agora é um projeto virtual que oferece espaço e estímulo para que todos possam processar mais e melhor os acontecimentos através de exercícios de escrita.

A ideia é oferecer um meio para podermos lidar melhor com o que sentimos nos mais diversos aspectos impostos pelo contexto atual – do isolamento ao luto, passando pelas angustias naturais e por dores maiores circunstanciais, agravadas muitas vezes pela impossibilidade de realização de nossos rituais costumeiros.

“São as palavras que dão concretude ao que vemos, ao que pensamos, e ao que sentimos. Mas às vezes nos faltam palavras para processar o mundo atingido pela pandemia de coronavírus. Num ambiente que muda velozmente, o futuro é de incertezas. Ainda assim, estamos aqui. E o que sentimos existe”, diz o comunicado do projeto.

Os exercícios podem ser feitos por qualquer pessoa, com ou sem experiência prévia de escrita, a partir de um roteiro simples de perguntas.

E como escrever e ler são faces indissociáveis da mesma cura, o projeto também disponibiliza trechos de grandes obras literárias que tratam de sentimentos de perda, em um espaço aberto que também aceita outras sugestões inspiradoras.

“O Museu da Língua Portuguesa, ainda que fechado, é uma instituição a serviço de sua comunidade, no sentido mais amplo. O projeto A Palavra no Agora nasce nesse momento histórico, mas não se resume a ele. A ideia é que as novas urgências que vivemos sejam incorporadas tendo como base a potência das palavras não só para a tradução de sentimentos, mas no acolhimento e na imaginação de futuros”, afirma Marília Bonas, diretora técnica do IDBrasil, organização social de cultura que gerencia o Museu da Língua Portuguesa.

O projeto A Palavra no Agora é realizado com o apoio da Profa. Dra. Maria Helena Franco (Laboratório de Estudos do Luto – LeLu, da PUC-SP), Profa. Dra. Ivânia Jann Luna (Laboratório de Processos Psicossociais e Clínicos no Luto – LAPPSIlu, da Universidade Federal de Santa Catarina), Fabíola Mancilha Junqueira (psicóloga e arteterapeuta, mestranda no LeLu/PUC-SP), do Professor Fabio de Paula (Faculdade Cásper Líbero) e da Professora Mariana Valente (InternetLab). O Museu da Língua Portuguesa é uma instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, e o site também oferece informações de apoio para quem estiver enfrentando maiores dificuldades em lidar com a pandemia.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

‘Grande ameaça à saúde pública’: cientistas descobrem mutação resistente a remédio contra a malária

Pesquisadores em Ruanda identificaram uma cepa do parasita causador da malária que é resistente a medicamentos. O estudo, publicado na revista Nature, revelou que os parasitas eram capazes de resistir ao tratamento com a artemisinina, um …

Brasil, um ano no foco da crítica ambiental mundial

Em agosto de 2019, país virou pária ambiental devido a incêndios e aumento do desmatamento. Bolsonaro reagiu com agressividade e insultos. Agora, aumenta a pressão de investidores estrangeiros por uma mudança de rumo. Foi uma catástrofe …

Com medo da Covid-19, Venezuela discrimina venezuelanos que voltam ao país

Várias medidas vêm sendo aplicadas na Venezuela para conter a Covid-19. Um estádio foi transformado em hospital de campanha, blocos de concreto foram colocados nas vias, festas estão proibidas e há um canal de …

Centro Gamalei, desenvolvedor de vacina russa, explica como funciona e se há riscos para o paciente

O diretor do Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamalei falou sobre os testes da vacina, que será registrada oficialmente na quarta-feira (12). As partículas do coronavírus na vacina da COVID-19 não podem prejudicar …

Mistura inusitada de amônia e água cria raios superficiais e granizos em Júpiter

Júpiter, o maior gigante gasoso do Sistema Solar, é um lugar coberto por tempestades estranhas. O que os cientistas ainda não sabiam é que no meio dessas tormentas, existem raios de natureza bem diferente dos …

Emocionante avanço da teoria para a realidade: bizarro efeito quântico é observado

No núcleo toda estrela anã branca — o denso resto de uma estrela que queimou todo seu combustível — existe um fenômeno quântico enigmático: enquanto ganha massa ela reduz de tamanho chegando a um ponto …

Estudo prevê 300 mil mortes por covid até fim do ano nos EUA

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros estados americanos divulgam taxas de infecções recordes. A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil americanos …

Coronavírus: Exportações devem cair mais de 20% na América Latina, diz ONU

As exportações da América Latina e do Caribe podem cair mais de 20% em 2020 devido às consequências da pandemia do coronavírus, que também terá um impacto negativo nas importações, disse uma agência da …

O que é nitrato de amônio, que pode provocar explosões como a de Beirute?

A recente tragédia no país árabe trouxe de novo à tona preocupações sobre o armazenamento do perigoso material, tornando necessário saber como esses incidentes ocorrem para os prevenir. A explosão de nitrato de amônio em Beirute, …

Astrônomos descobrem nuvens gigantes "escondidas" em Vênus há 35 anos

Uma equipe de astrônomos encontrou nuvens venenosas, com gotas de ácido sulfúrico em sua formação, em meio à densa atmosfera de Vênus. Curiosamente, essas nuvens já estavam presente na atmosfera venusiana há pelo menos 35 anos, …