Netanyahu promete anexar parte da Cisjordânia se for reeleito

US Department of State / Wikimedia

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu

Premiê israelense está de olho no Vale do Jordão, onde vivem dois milhões de palestinos. ONU fala em ameaça à solução de dois Estados, e autoridades palestinas dizem que medida destruiria todas as chances de paz.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, prometeu nesta terça-feira que, caso seja reeleito na próxima semana, pretende anexar parte da Cisjordânia ocupada, uma medida que ameaça inflamar o conflito entre israelenses e palestinos ao reduzir as esperanças de uma solução de dois Estados.

“Hoje anuncio minha intenção, após o estabelecimento de um novo governo, de aplicar a soberania israelense no Vale do Jordão e no norte do mar Morto”, afirmou Netanyahu num discurso exibido na televisão israelense. Mostrando um mapa, ele chamou a área de “fronteira oriental de Israel”.

O premiê adiantou que pretende anexar também outros assentamentos israelenses na Cisjordânia, mas somente após consultar o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. “Estou esperando para fazer isso em máxima coordenação com Trump”, declarou.

Netanyahu afirmou ainda que o plano de paz para o conflito entre israelenses e palestinos, que vem sendo preparado junto com Washington, será apresentado depois das eleições, e pediu apoio da população, com o voto, para que ele lidere as negociações.

A anexação prometida por Netanyahu pode vir a tomar permanentemente um terço da Cisjordânia, deixando os palestinos com pouco mais do que isolados enclaves. Ele não deixou claro o que pretende fazer com os dois milhões de palestinos que vivem hoje no Vale do Jordão, considerado celeiro do almejado Estado da Palestina.

O anúncio foi visto como uma tentativa de última hora de angariar votos de seus apoiadores antes das eleições gerais em Israel em 17 de setembro. Espera-se uma disputa acirrada entre o partido do primeiro-ministro, o direitista Likud, e a aliança centrista e liberal Azul e Branco, liderada pelo ex-chefe militar Benny Gantz.

O pleito foi convocado após Netanyahu ter fracassado em formar um governo de coalizão em maio, criando uma situação sem precedentes no país: a realização de uma segunda eleição geral em um mesmo ano, além da dissolução do parlamento apenas um mês depois de ter tomado posse.

Se Netanyahu for reeleito e cumprir a controversa promessa de anexar parte da Cisjordânia, a medida acabaria com a possibilidade de uma solução de dois Estados para o conflito, que há muito tempo tem sido foco da diplomacia internacional.

Reações indignadas

Os palestinos reagiram imediatamente ao anúncio do líder israelense, afirmando que ele destrói qualquer esperança de paz entre os dois povos, enquanto adversários eleitorais acusam Netanyahu de aplicar uma jogada cínica a fim de atrair votos de nacionalistas de direita a uma semana das eleições.

Uma alta autoridade palestina afirmou que a promessa coloca em risco o processo de paz na região. “Ele não está apenas destruindo a solução de dois Estados, mas também todas as chances de paz”, afirmou Hanan Ashrawi à agência de notícias AFP. “É um completo divisor de águas.”

Antes do anúncio, o líder da Autoridade Nacional Palestina, Mohammad Shtayyeh, já havia alertado contra essa medida, afirmando que “o território palestino não faz parte da campanha eleitoral de Netanyahu”.

As Nações Unidas também se pronunciaram nesta terça-feira, dizendo que qualquer decisão israelense de “impor suas leis, jurisdições e administração na Cisjordânia ocupada” não teria “efeito legal internacional“.

“A posição do secretário-geral [António Guterres] sempre foi clara: ações unilaterais não são úteis ao processo de paz”, afirmou o porta-voz da ONU Stéphane Dujarric. A anexação do Vale do Jordão “seria devastadora para o potencial de reavivar as negociações, a paz regional e a própria essência de uma solução de dois Estados”, acrescentou.

Por sua vez, o ministro do Exterior da Jordânia, Ayman Safadi, afirmou que o passo “levaria toda a região para a violência”. “As medidas unilaterais que ele [Netanyahu] propõe arriscam matar todo o processo de paz e representam uma ameaça à paz e à segurança na região.”

A Jordânia, que é guardiã dos locais sagrados muçulmanos em Jerusalém oriental, anexada por Israel, tem um tratado de paz com o Estado judaico, firmado em 1994.

Chanceleres árabes também condenaram os planos de Netanyahu, afirmou Ahmed Aboul Gheit, secretário-geral da Liga Árabe, após um encontro no Cairo entre os ministros do Exterior dos países que compõem a organização. Segundo ele, uma anexação minaria qualquer chance de progresso no processo de paz entre israelenses e palestinos.

O Vale do Jordão compreende cerca de um terço da Cisjordânia e contém numerosos assentamentos israelenses, considerados ilegais sob a lei internacional pela maioria dos países do mundo.

Trata-se de um território de 2.400 quilômetros quadrados que se estende do mar Morto, no sul, à cidade israelense de Beit Shean, no norte. Os palestinos desejam que o Vale do Jordão sirva como perímetro oriental de seu próprio Estado na Cisjordânia e na Faixa de Gaza.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …