“O Iraque estará sempre comigo”, diz papa ao fim de visita histórica ao Oriente Médio

Ahmed Jalil / EPA

Papa Francisco no Iraque

O Papa Francisco concluiu sua histórica visita ao Iraque neste domingo (7) com uma missa diante de milhares de fiéis no norte do país devastado pelos jihadistas, conclamando os cristãos que ainda estão no país “a não desanimar”. Depois de orar pelas “vítimas da guerra” nos escombros de Mossul, cidade proclamada ex-“capital” do grupo Estado Islâmico (EI), o Soberano Pontífice celebrou a missa mais importante de sua viagem sob alta segurança na igreja recém-restaurada de uma cidade-mártir na Planície de Nínive, um dos berços da Humanidade.

Com uma chegada triunfante de papamóvel ao gramado do estádio de Erbil, capital do Curdistão iraquiano, o Papa argentino prometeu aos fiéis de uma das comunidades cristãs mais antigas do mundo: “O Iraque ficará para sempre comigo”.

Para Bayda Saffo, uma católica de 54 anos que fugiu dos jihadistas em Mossul, “sabemos que alguém está pensando em nós e em como nos sentimos”. Isso “encorajará os cristãos a permanecerem em suas terras”, garante ela após a primeira visita papal ao Iraque, país onde o número de cristãos caiu em 20 anos de 6% para 1% da população.

Depois de viajar de avião, helicóptero ou carro blindado por um país que emergiu há três anos de um conflito sangrento contra os jihadistas, o Papa conseguiu passar seu dia neste domingo (7) o mais próximo possível dos cristãos do Iraque.

Vigilância reforçada

Desde sua chegada na sexta-feira, os guarda-costas e as forças de segurança estiveram mais do que vigilantes. Eles acompanharam o papa novamente nesta missa no estádio Franso Hariri – que leva o nome de um político cristão assassinado há 20 anos – logo depois de um ataque com foguete no final de fevereiro, no aeroporto de Erbil.

Mas, neste domingo, Francisco conseguiu abraçar a multidão, primeiro em Mossul, onde lamentou o exílio dos cristãos orientais em uma plataforma construída no meio das ruínas, por falta de uma igreja ainda de pé.

Lá, o papa de 84 anos, que tem dificuldade para andar devido a problemas no nervo ciático, deu um passeio de carrinho de golfe em meio aos gritos e aplausos de uma pequena multidão.

“Dia mais lindo”

É o melhor dos dias!”, exclamou Hala Raad, ao vê-lo passar. “Agora esperamos viver em segurança, isso é o mais importante”, continua este cristão, que fugiu de Mossul durante o avanço jihadista e só retorna para lá para breves visitas.

Em Qaraqosh, uma localidade cristã martirizada a meio caminho entre Mossul e Erbil, o soberano pontífice convocou uma multidão em movimento para “reconstruir” e “não desanimar”.

Se o papa viaja sob alta proteção em um país onde células jihadistas clandestinas ainda estão escondidas, ele também deve lidar com a Covid-19 em sua primeira viagem em 15 meses. O Iraque está em lockdown total depois que as contaminações diárias atingiram um recorde: mais de 5.000 casos.

Como resultado, o número de fiéis no estádio foi reduzido várias vezes, porque se o Papa e todos os jornalistas e eclesiásticos que o acompanham foram vacinados antes da partida, nenhum dos fiéis presentes no estádio ainda foi imunizado.

Apenas 50.000 doses da vacina chegaram ao Iraque até o momento e apenas os médicos puderam se beneficiar dela.

“Gesto de amor”

“É uma viagem especial também no que diz respeito às condições de saúde e segurança”, concordou Matteo Bruni, porta-voz do Vaticano. “Mas”, continua ele, é “um gesto de amor por esta terra e por este povo que Francisco queria visitar desde o surgimento do grupo Estado Islâmico em 2014 no Iraque”, e “qualquer gesto de amor é sempre um pouco extremo”.

O papa deve deixar o Iraque com destino a Roma na manhã de segunda-feira (8).

Antes de partir para o norte do país, o soberano pontífice foi a Najaf, cidade sagrada muçulmana xiita no sul, no sábado para se encontrar com o grande aiatolá Ali Sistani. O papa pediu ao aiatolá que ele trabalhe para que os cristãos do Iraque vivam em “paz”, em “segurança” e com “todos os seus direitos constitucionais”.

Muitos cristãos ainda relutam em voltar para casa permanentemente. Quando, em 2014, os jihadistas tomaram a planície de Nínive, dezenas de milhares deles fugiram e poucos agora confiam nas forças de segurança que então os abandonaram, dizem. Hoje, muitos dizem que vivem com medo dos paramilitares, que agora foram integrados ao Estado e que tomaram o lugar dos jihadistas.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Cientistas descobrem como fazer luz atravessar objetos sólidos

Uma equipa de cientistas da TU Wien e da Universidade de Utrecht descobriu como fazer luz atravessar objetos sólidos. Por que o açúcar não é transparente? Porque a luz que penetra em um bloco de açúcar é …

Covid: saúde mental piorou para 53% dos brasileiros sob pandemia, aponta pesquisa

Mais da metade dos brasileiros entrevistados por uma pesquisa declararam que sua saúde emocional e mental piorou desde o início da pandemia, em índice superior à média dos 30 países e territórios pesquisados. Segundo pesquisa do …

Senado oficializa criação da CPI da Pandemia

Presidente do Senado diz que foco deve estar nas ações e omissões do governo federal e no repasse de recursos da União para estados e municípios. STF julgará determinação do ministro Barroso que ordenou abertura …

Bernie Madoff, maior golpista da história, morre em prisão norte-americana, diz relato

Bernard Madoff, o ex-financista que realizou a maior fraude de investimento na história dos Estados Unidos, morreu aos 82 anos de idade, de acordo com relatos da mídia. Em 2009, o notório financista recebeu uma sentença …

Salvator Mundi, obra mais cara de Da Vinci avaliada em R$2,6 bi, é vista em iate de príncipe

A obra de arte mais cara do mundo é ‘Salvator Mundi’, atribuída a Leonardo da Vinci. Com valor estimado em mais de 400 milhões de dólares ou superior aos 2,6 bilhões de reais, seu paradeiro …

Variante indiana da Covid-19 se propaga mais rápido e é menos detectada por testes PCR

A Índia enfrenta a pior onda de contaminações da Covid-19 desde o início da pandemia, com mais de 165 mil casos registrados nas últimas 24 horas: duas vezes mais do que no último pico, em …

Tipo sanguíneo não afeta risco de contrair COVID-19, diz novo estudo

Um estudo buscou entender se determinados tipos sanguíneos trazem mais riscos de contrair a COVID-19, e concluiu que não é o caso. Com a pandemia, muito se questiona em relação ao comportamento da COVID-19 em nosso …

Buracos negros são famintos, mas possuem boas maneiras à 'mesa', aponta estudo

Todos os buracos negros supermassivos nos centros das galáxias possuem períodos nos quais devoram a matéria situada de seus arredores. De acordo com um estudo publicado na revista científica Astronomy & Astrophysics, as galáxias ativas têm …

Pnad e Caged: No auge do desemprego, Brasil enfrenta falhas nas estatísticas do mercado de trabalho que confundem e desorientam

Num momento em que o país tem registrado números diários de mortes por covid-19 que ultrapassam 4 mil e diversos Estados e municípios reforçam medidas de distanciamento social, na tentativa de conter a propagação do …

Jovem negro de Minnesota morreu por “disparo acidental”, afirma polícia

Policial teria confundido arma de descarga elétrica com arma de fogo. Incidente em meio a julgamento da morte de George Floyd acirra tensões e agrava protestos. Mineápolis e outras cidades ampliam toque de recolher. A policial …