A “Partícula de Deus” pode ter salvado o Universo do colapso cósmico

(dr) Colaboração TNG

Uma simulação de computador da distribuição da matéria no Universo. As regiões alaranjadas contêm galáxias; as estruturas azuis são gás e matéria escura

O Universo vai se expandir para sempre ou, eventualmente, entrará em colapso? Esta é uma questão que há anos tira o sono dos cientistas – e parece ter chegado para ficar. Publicações recentes têm deixado a comunidade científica em polvorosa, trazendo mais dúvidas do que certezas.

O campo da Física está fermentando. Nesse momento, há uma nova questão que movimenta a comunidade científica que estuda a Teoria das Cordas. Timm Wrase, da Universidade de Tecnologia de Viena, veio acender ainda mais o debate com a publicação de novos artigos científicos.

Na Teoria das Cordas, uma mudança de paradigma pode estar à espreita. Em junho, uma equipe de teóricos das cordas, de Harvard e da Caltech, publicou uma nova pesquisa, que parecia bastante revolucionária.

De acordo com o artigo dos teóricos, disponibilizado para pré-publicação no arXiv.org, a Teoria das Cordas é fundamentalmente incompatível com a nossa compreensão atual da energia escura – mas só a energia escura é capaz de explicar a atual e acelerada expansão do Universo.

O Universo está envolvido por uma força vasta e invisível que parece se opor à gravidade. Os físicos apelidaram essa força de energia escura e acreditam que ela empurre constantemente o Universo para “fora” – ou seja, expandindo-o.

Mas o artigo publicado em junho sugere que a energia escura vai mudando com o tempo. Na prática, isso significa que o Universo pode não se expandir para sempre, podendo, eventualmente, entrar em colapso e se tornar do tamanho que tinha antes do Big Bang.

Apesar de promissora, a teoria levantou quase de imediato várias questões, tendo vários grupos de cientistas publicado outros artigos nos quais sugeriam revisões à teoria apresentada pelos teóricos de Harvard e Caltech.

Wrase também percebeu rapidamente que havia algo estranho com a teoria: da forma que está descrita, é incompatível com o bóson de Higgs, a partícula celebrada como a “Partícula de Deus” – que sabemos existir desde 2013 graças ao Grande Colisor de Hádrons (LHC), localizado na fronteira da Suíça com a França.

De acordo com os cálculos, que contaram com a participação de cientistas da Universidade da Colúmbia em Nova York e da Universidade de Heidelberg, a hipótese do Universo em constante expansão não pode ser descartada ainda – e foi a partícula descoberta no LHC que causou o maior “buraco” na teoria revolucionária de junho.

Ainda assim, explicou Wrase em declarações ao Live Science, a teoria do Universo em colapso poderia ser viável, mas precisaria de ajustes. O artigo que embaralhou a teoria revolucionária sobre a Teoria das Cordas foi publicado no dia 2 de outubro na revista Physical Review D.

Sinteticamente, o artigo de junho sugere que a Teoria das Cordas – um dos maiores modelos no campo da Física – invalida a expansão infinita do Universo. “As pessoas ficam muito emotivas porque, se for verdade e se for descoberta, seria espetacular”, disse Wrase.

O debate acalorado sobre a Teoria das Cordas e a energia escura continua por todo o mundo. Wrase espera que toda essa discussão conduza a avanços científicos.

“Toda essa controvérsia é boa para a Teoria das Cordas”, reitera o físico. De repente, muitas pessoas surgem com ideias completamente novas sobre as quais ninguém tinha pensado até então”.

A Teoria de Tudo

Já muito se disse e escreveu sobre a Teoria das Cordas. Essa teoria, também conhecida com a Teoria de Tudo, representa uma estrutura matematicamente elegante para unir a teoria da Relatividade Geral de Einstein à Mecânica Quântica. No entanto, e assim como nota a Phys.org, ainda não foi comprovada experimentalmente.

A Teoria das Cordas é, no fundo, uma teoria da unificação, uma vez que propõe relacionar a gravidade à física quântica, entendendo as leis da natureza, que descrevem todo o mundo físico desde partículas muito pequenas até a maior estrutura do Universo.

Nessa hipótese, as cordas são os blocos fundamentais da matéria. A teoria sugere que as partículas que compõem o Universo não são realmente pontos, mas antes cordas unidimensionais que vibram.

Para que a Teoria das Cordas seja uma explicação viável para o Universo, deve incorporar a energia escura. Originalmente, a ideia partiu de Einstein, que a adicionou como uma “constante cosmológica” à teoria da Relatividade Geral, de forma a construir um Universo que não se expande.

Quando, em 1929, Hubble comprovou que o Universo estava efetivamente em expansão, Einstein retratou suas equações e considerou esse o maior erro da sua vida. Entretanto, com a descoberta da expansão acelerada do Universo, a constante cosmológica foi reintroduzida como energia escura no atual modelo padrão da Cosmologia.

Para o bem da Ciência, as hipóteses que vão emergindo serão, pelo menos em parte, testadas experimentalmente. No futuro, a expansão do Universo será medida com mais precisão do que nunca – até lá, o debate promete continuar intenso.

SA, Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Identificada a causa da maior extinção em massa na história da Terra

A vida na Terra tem uma história longa, mas também extremamente turbulenta. Em mais de uma ocasião, a maioria de todas as espécies foi extinta e uma biodiversidade já altamente desenvolvida reduziu para um mínimo …

Cães farejadores de covid: eficazes e baratos, mas esnobados

A Europa está em pânico em meio ao segundo surto de covid-19, com taxas de contágio explodindo e os PIBs despencando. A Bélgica acaba de anunciar que não mais testará cidadãos assintomáticos, mesmo que tenham …

Bolsonaro é avaliado positivamente por 37% da população, diz pesquisa

Entre os que souberam do dinheiro na cueca do senador Chico Rodrigues (52%), 74% não mudaram sua avaliação sobre o presidente Bolsonaro. Os que mais mudaram de opinião foram os pesquisados com ensino superior (26%) …

Tribunal Constitucional da Polônia invalida direito ao aborto por malformação do feto

O Tribunal Constitucional da Polônia invalidou nesta quinta-feira (22) uma disposição que permitia a interrupção voluntária da gravidez (IVG) em caso de malformação do feto. Uma vez que a decisão entre em vigor, apenas o …

Estudo descobre 1,8 bilhão de árvores no deserto do Saara e no Sahel

Um estudo publicado na revista Nature descobriu que na região do Saara Ocidental e no Sahel, há mais de um bilhão de árvores. No meio da aridez do local, a surpreendente descoberta colocou um novo …

Guerra Fria 2.0 entre EUA e China será uma batalha tecnológica, dizem especialistas

A batalha mundial pelo domínio da alta tecnologia está cada vez mais centrada em EUA e China. Com confronto aberto no caso da Huawei, especialistas do clube Valdai alertam para uma longa guerra fria tecnológica …

Combate à corrupção reduz mortalidade infantil, aponta estudo

Auditorias anticorrupção realizadas em municípios brasileiros entre 2003 e 2015 reduziram a mortalidade infantil. Esta é a principal conclusão de um estudo, conduzido por pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, que relacionou o …

2.300 maneiras de prevenir o Covid-19 foram mapeadas por universidade brasileira

Está disponível online a Plataforma das Universidades contra COVID-19 organizada pelo Projeto Ciência Popular e desenvolvida em parceria com a Empresa Júnior de Sistemas de Informação da EACH/USP (Síntese Jr.). Em setembro havia sido publicado o …

Debate nos EUA: Trump não disse nada de novo para reverter vantagem de Biden, diz historiador

O segundo e último debate entre o presidente americano, Donald Trump, e seu rival democrata Joe Biden, nesta quinta-feira (22), em Nashville, foi mais civilizado do que a primeira confrontação entre os dois candidatos …

Mais humanos estão evoluindo para ter três artérias nos braços; entenda porquê

Não se engane ao achar que o corpo humano não está em constante evolução. Pesquisadores australianos descobriram recentemente que o nosso organismo parece estar, aos poucos, desenvolvendo uma nova artéria no braço: a artéria mediana. Esse …