68% do universo pode não existir

Pablo Carlos Budassi / Wikimedia

Conceito artístico do aspecto do Universo conhecido

O modelo atual padrão que explica como o universo começou e evoluiu, o Lambda Cold Dark Matter (Lambda-CDM), diz que a matéria comum (nós, os planetas, as estrelas) representa apenas cerca de 5% da densidade do universo, com a matéria escura compreendendo 27%, e a energia escura compondo os restantes 68%.

No entanto, um novo estudo da Universidade Eötvös Loránd, na Hungria, e da Universidade do Havaí, nos EUA, questionou se a energia escura realmente existe, citando simulações de computador que explicam a estrutura mutável do cosmos sem necessidade dessa misteriosa substância, que até hoje não conseguimos detectar.

A teoria geral da relatividade de Einstein, criada em 1915, constitui a base para a história da origem mais bem aceita do universo, que diz que o Big Bang iniciou sua expansão cerca de 13,8 bilhões de anos atrás.

O problema é que as equações desta teoria são incrivelmente complicadas, então os físicos tendem a simplificar partes delas, para torná-las um pouco mais práticas de trabalhar. Quando modelos são construídos a partir dessas versões simplificadas, pequenos buracos podem se transformar em grandes discrepâncias.

“As equações de Einstein que descrevem a expansão do universo são tão complexas matematicamente que durante cem anos não foram encontradas soluções para o efeito das estruturas cósmicas”, explica o Dr. László Dobos, coautor do estudo.

“Sabemos por observações de supernova muito precisas que o universo está acelerando, mas ao mesmo tempo nós dependemos de aproximações grosseiras às equações que podem introduzir efeitos colaterais sérios, como a necessidade de energia escura, nos modelos projetados para se ajustarem às observações”, disse.

Energia escura

A energia escura nunca foi diretamente observada – ela somente foi inferida através de seus efeitos sobre outros objetos. Suas propriedades e existência ainda são puramente teóricas, apresentadas pela primeira vez na década de 1990, com base na observação de supernovas do tipo Ia.

Tal pesquisa foi instrumental na propagação da aceitação da ideia de que a energia escura é o motor que acelera a expansão do universo, dando aos cientistas envolvidos o Prêmio Nobel de Física em 2011.

Mas outros estudos têm questionado a validade dessa conclusão. De acordo com a nova pesquisa, por exemplo, a discrepância que a energia escura foi “inventada” para preencher poderia ter surgido a partir das partes da teoria que foram ignoradas por uma questão de simplicidade.

Os pesquisadores criaram uma simulação computacional (mais exata que cálculos humanos) de como o universo se formou, com base em sua estrutura de larga escala. Essa estrutura aparentemente toma a forma de “espuma”, onde as galáxias são encontradas nas paredes finas de cada bolha, mas grandes bolsos vazios no meio são majoritariamente desprovidos de matéria normal e escura.

A simulação

A equipe simulou como a gravidade afetaria a matéria nessa estrutura e descobriu que, ao invés de o universo se expandir de uma maneira uniforme, diferentes partes se expandiriam a taxas diferentes.

Mais importante, porém, é que a taxa média global de expansão ainda é consistente com as nossas observações, e aponta para a expansão acelerada. O resultado final é o que a equipe chama de modelo Avera.

A animação acima mostra a expansão do Universo de acordo com o modelo Lambda-CDM da cosmologia tradicional, que inclui a energia escura (à esquerda), o modelo Avera, que considera a estrutura em “espuma” do Universo e dispensa a energia escura (ao centro), e o modelo original de Einstein-de Sitter, também sem energia escura (à direita).

“A teoria da relatividade geral é fundamental para entender o modo como o universo evolui. Nós não questionamos a sua validade, questionamos a validade das soluções aproximadas”, comentou Dobos.

“Nossos resultados baseiam-se em uma conjectura matemática que permite a expansão diferencial do espaço, coerente com a relatividade geral, e mostram como a formação de estruturas complexas da matéria pode explicar a aceleração sem a necessidade de energia escura”, conclui o físico.

A pesquisa foi publicada na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Ciberia // HypeScience

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Cientistas criam embriões que são parte humanos, parte macacos

Pela primeira vez, cientistas criaram embriões que são uma mistura de células humanas e macacos. Os embriões, descritos quinta-feira na revista Cell, foram criados em parte para tentar encontrar novas formas de produzir órgãos para pessoas …

Criatura misteriosa em árvore que assustou moradores em cidade da Polônia era croissant

Quando autoridades polonesas receberam o chamado de que um animal incomum estava escondido em uma árvore da cidade de Cracóvia, não sabiam o que esperar. "As pessoas não estão abrindo as janelas porque estão com medo …

"Os Simpsons": Hank Azaria se desculpa por dar voz ao personagem indiano Apu

O ator e dublador Hank Azaria pediu desculpas por sua contribuição ao racismo estrutural contra a população indiana. Azaria, que é branco, foi a voz por trás do personagem Apu Nahasapeemapetilon no desenho animado Os Simpsons …

STF confirma anulação das condenações de Lula na Lava Jato

Plenário do Supremo referenda decisão de Fachin que considerou a 13ª Vara Federal de Curitiba incompetente para julgar ações contra o ex-presidente. Com isso, petista retoma o direito de disputar eleições em 2022. O plenário do …

Biden: EUA estão prontos para mais medidas se Rússia continuar a interferir na nossa democracia

Em discurso nesta quinta-feira (15), o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que notificou o presidente russo, Vladimir Putin, de que seu governo poderia ter tomado mais medidas contra a Rússia, mas preferiu ser …

Eurodeputados defendem que Bolsonaro seja responsabilizado por necropolítica

O embaixador brasileiro na União Europeia, Marcos Galvão, pediu nesta quinta-feira "vacinas, vacinas e vacinas" para tirar o Brasil "da situação desastrosa" em que se encontra. Durante audiência com deputados do Parlamento Europeu, em …

Robô em forma de estrela vai estudar o fundo do mar

Cientistas do MIT criaram uma estrela-do-mar robótica, que consegue nadar pela vizinhança sem chamar muita atenção. Um dos principais problemas enfrentados pelos robôs marinhos é que eles não se parecem com peixes ou com alguma outra …

Famosa rajada rápida de rádio revela magnetosfera 'dançante' em estrela de nêutrons, diz estudo

Dois novos estudos holandeses revelam informações sobre a famosa rajada rápida de rádio FRB20180916B. Embora os artigos forneçam detalhes antes desconhecidos, eles também levantam questões inéditas. Duas equipes internacionais de astrônomos publicaram dois artigos científicos com …

Bolsonaro é 'grande responsável' por 'desastre' de covid, diz vice-presidente de delegação do Parlamento Europeu para o Brasil

Na visão da alemã Anna Cavazzini, eurodeputada pelo Partido Verde e vice-presidente da delegação do Parlamento Europeu para assuntos relacionados ao Brasil, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem "grande parcela de responsabilidade" pela crise …

Lockdown efetivo e vacinação em massa viabilizam reabertura de pubs no Reino Unido

O Reino Unido está colhendo os frutos de um lockdown efetivo e da vacinação em massa promovida pelo gestão de Boris Johnson para frear o avanço da pandemia de covid-19. O país celebra agora o relaxamento …