Protestos violentos depois da aprovação da PEC do Teto

Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Policiais e manifestantes entram em confronto na Esplanada dos Ministérios durante protesto contra a aprovação da PEC do Teto dos Gastos Públicos

As cidades de Brasília e São Paulo registraram essa quarta-feira (14) violentos protestos horas depois de o Senado brasileiro ter aprovado a PEC do Teto dos Gastos, lei que limita os gastos públicos durante 20 anos.

Em Brasília, um grupo de manifestantes entrou em confrontos com a polícia e danificou prédios onde existem apartamentos de deputados federais, na região central da cidade, estourando também foguetes nas ruas. Na Esplanada dos Ministérios, também se registraram confrontos entre policiais e manifestantes.

Segundo a comunicação social, os manifestantes atiraram garrafas de vidro, pedras e bombas artesanais contra os policiais, que reagiram usando “bombas de efeito moral” (petardos), sprays de gás pimenta e lacrimogéneo.

A Secretaria de Segurança de Brasília informou que cerca de duas mil pessoas aderiram aos protestos, que resultaram em 15 detidos e seis policiais feridos.

Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Policiais e manifestantes entram em confronto na Esplanada dos Ministérios durante protesto contra a aprovação da PEC do Teto dos Gastos Públicos

Em São Paulo, a maior cidade do país, os manifestantes ocuparam a Avenida Paulista, na região central e houve atos de destruição na sede da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), depois de um grupo forçar os portões do local.

Proposta com uma mudança na Constituição do país, a norma aprovada hoje pelo Congresso, a PEC 55, determina que a partir de 2017 os gastos públicos do Governo Federal só poderão ser reajustados pela inflação do ano anterior, por um período de 20 anos.

A PEC do Teto é considerada um dos três pontos fundamentais do pacote de ajustes fiscais proposto pela equipe econômica do Presidente Michel Temer para fortalecer a economia, juntamente com alterações à lei da Previdência e das regras laborais, que ainda estão sendo analisadas.

A lei tem gerado polémica e forte rejeição dos partidos da oposição e de movimentos sociais, já que limita também gastos com a saúde e a educação, duas áreas que antes tinham regimes especiais.

“Teto de 20 anos para gasto público no Brasil viola direitos humanos”

Um especialista da ONU afirmou na sexta-feira (9) que os planos do governo do Brasil de congelar o gasto público por 20 anos “são totalmente incompatíveis com as obrigações de direitos humanos do país”.

Philip Alston é relator para extrema pobreza e direitos humanos. Para ele, ao aprovar a PEC 55, quem levará o prejuízo “serão os mais pobres, já que a emenda irá bloquear gastos na saúde, na educação e na previdência social”.

O relator da ONU recomenda ao governo que promova um debate público adequado sobre a chamada PEC 55 e que identifique “alternativas para atingir objetivos de austeridade”.

Loey Felipe / ONU

Relator especial da ONU, Philip Alston

Relator especial da ONU, Philip Alston

Na opinião de Alston, a medida “é radical, sem qualquer nuance ou compaixão”, porque atingirá “os brasileiros mais pobres e frágeis”, aumentando as desigualdades sociais.

Para o especialista, o congelamento é inapropriado e, se for adotada, a emenda colocará o “Brasil em uma categoria única de retrocesso social”.

Philip Alston também avalia que o atual “governo chegou ao poder depois de um impeachment e nunca apresentou seu programa“, o que para o relator, levanta maiores preocupações sobre “a proposta de amarrar as mãos de futuros governantes”.

Em sua nota, o relator da ONU lembra que o governo alega que o congelamento de gastos poderá aumentar a confiança dos investidores e reduzir a dívida pública, mas Alston destaca que o Brasil é a maior economia da América Latina e está sofrendo a pior recessão em décadas.

Alston explica um dos impactos na educação: pelo atual plano, o governo precisa investir R$ 37 bilhões por ano no setor. Mas se a PEC 55 for aprovada, o gasto será reduzido para R$ 47 bilhões nos próximos oito anos. Segundo o relator, 3,8 milhões de pessoas já estão fora da escola no país.

Na avaliação de Philip Alston, o debate sobre a PEC 55 foi feito às pressas no Congresso e um estudo recente mostrou que 43% dos brasileiros não conhecem a emenda.

O relator está em contato com o governo brasileiro para entender melhor o processo e afirmou que “mostrar prudência econômica e fiscal e respeitar as normas internacionais de direitos humanos” são objetivos que precisam caminhar juntos.

Ciberia / ZAP / R-ONU

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …