“Todos os serviços públicos no Brasil deveriam ser privatizados”, diz pré-candidato à presidência pelo Novo

Na última pesquisa eleitoral do instituto Datafolha, no começo de abril, o economista João Amoêdo oscila entre 0% e 1% das intenções de voto, dependendo do cenário analisado.

O resultado talvez fosse outro se o levantamento tivesse sido feito somente no Itaim Bibi, bairro nobre de São Paulo onde fica a sede do Novo, o partido fundado por João Amoêdo. A BBC conversou com o pré-candidato à Presidência da República na sexta-feira passada na sede da legenda.

Na rua em frente, a reportagem da BBC viu o engenheiro e economista ser reconhecido por pelo menos uma dupla de passantes, enquanto andava da sede do Novo até um prédio residencial alguns metros adiante.

Amoêdo frisou várias vezes o ponto central de sua plataforma: diminuir a intervenção do Estado na economia (com privatização e menos impostos, por exemplo) para dar mais protagonismo aos cidadãos.

“A privatização, pra gente, não é um fim em si mesmo. É um meio. A gente gostaria de ter melhor qualidade na Saúde, na Educação. E, pra isso, é importante que o Estado defina prioridades, áreas onde deveria estar atuando, defina um foco”, declarou à BBC.

“E não faz sentido, portanto, ele [o Estado] estar fazendo gestão de empresas, estar fazendo gestão de distribuidora de petróleo, empresa de correios, instituições financeiras. No nosso entendimento, a população terá um ganho enorme na gestão desses outros negócios se o Estado sair”

Carioca, católico e pai de três filhas já adultas, Amoêdo não vê nenhuma razão para manter qualquer uma das empresas públicas existentes atualmente (inclusive Petrobras, Caixa Econômica e Banco do Brasil).

O pré-candidato acredita ainda que serviços como Saúde e Educação poderiam ser prestados pela iniciativa privada, com o Estado dando diretamente dinheiro para os menos abastados pagarem essas despesas. Esta última ideia foi formulada por um dos papas do liberalismo contemporâneo, o economista Milton Friedman (1912-2006).

Para Amoêdo e o Novo, porém, a defesa intransigente da liberdade individual termina no bolso: o pré-candidato se esquiva de temas polêmicos como o aborto; e conta que a sigla prefere deixar questões como estas a critério de cada um de seus candidatos.

Apesar de ter trabalhado a vida toda como executivo de bancos, Amoêdo diz que não é um mero representante do setor financeiro e muito menos um banqueiro (dono de banco); na verdade, o setor já está bem representado pelos partidos tradicionais e nunca lucrou tanto quanto nos governos do PT, argumenta Amoêdo.

Ao longo dos últimos oito anos, Amoêdo calcula ter tirado do próprio bolso algo como R$ 4,5 milhões para levantar o partido. Outras doações importantes vieram do banqueiro Pedro Moreira Salles, do Itaú (R$ 100 mil); e de Cecília Sicupira, mulher do investidor Beto Sicupira. Hoje, diz Amoêdo, o Novo é sustentado integralmente por cerca de 19 mil filiados, que contribuem cada um com R$ 29 mensais para a sigla.

Ciberia // BBC

COMPARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. realmente, não há nada de novo, no NOVO.
    só falácia e um tom PSDB, na comunicação.
    idéias que nada tem de inovação ou pé na realidade do sistema político do Brasil.
    conversa fiada.
    quando olho para o João Amôedo vejo João Dória Jr.
    e todo o discurso vazio do neo-liberalismo.

  2. Esse é o comportamento do empresariado brasileiro, gostam só de boquinhas para faturar com benefícios do estado. Vamos privatizar tudo, porém não pode haver concorrência, se não não quero, é o que diz o empresários brasileiros que não gastam um tostão sem garantias do governo, ou de pires na mão pedem para não pagar impostos, pedem renegociação e até perdão de dívidas. Quer saber? O Brasil não fabrica equipamentos médicos complexos, como para ressonancia magnetica, tomografia computadorizada e outros equipamentos, sabem por quê? Tem de colocar dindim na frente em pesquisa e desenvolvimento e quem quer ter trabalho? A Petrobras líder em patentes e em excelência na atividade de petróleo, está sendo fatiada e vendida a preços de bananas, sabe por quê? Dindim fácil, melhor que trabalhar, melhor deixar com empresas multinacionais que até podemos supor pagar umas criptomoedas de comissão. Caso SHELL – Medida Provisória da Shell dá R$ 1 tri a multinacionais do petróleo e elimina 1 milhão de empregos – Associação de indústria de máquinas denunciam que a medida destrói indústria naval brasileira e põe o país “de joelhos” perante empresas como a Shell. Agora todos entendem porque João Amoêdo, do partido NOVO, mas velho de hábitos não republicanos querem?

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Dois anos após mortes de Marielle e Anderson, Anistia Internacional cobra identificação de mandantes

Dois anos após os assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e do motorista Anderson Gomes, em 14 de março de 2018, o crime permanece sem solução e ilustra a impunidade no combate à violência …

Coronavírus poderia ser a 1ª de muitas outras pandemias futuras, adverte cientista

Apesar do registro de mais de um milhão de infectados à escala mundial, a doença poderia ser suplantada por patologias bem mais perigosas. Comparando com as doenças que poderiam reaparecer como resultado do aquecimento global, o …

Pesquisadores portugueses revelam que os neandertais foram pioneiros na exploração de recursos marinhos

Um novo estudo liderado por pesquisadores da Universidade de Lisboa (Portugal) descobriu que a familiaridade dos hominídeos com o mar e os seus recursos é muito mais antiga do que se pensava – ao que …

Filipinas: presidente Duterte diz que polícia deve matar quem perturbar confinamento

O presidente filipino, Rodrigo Duterte, disse que as forças de ordem podem abater qualquer pessoa que provoque “transtornos” nas regiões onde o confinamento da população foi decretado. As autoridades do país tentaram minimizar as declarações …

Evangélicos fazem coro com Bolsonaro e negam riscos do coronavírus

O presidente Jair Bolsonaro gosta de copiar o seu ídolo americano, Donald Trump – da suposta inofensividade do coronavírus até os poderes de cura de medicamentos como cloroquina e hidroxicloroquina, passando pela teoria da conspiração …

'Estamos em guerra': França confiscou 1 milhão de máscaras destinadas à Espanha e Itália

Os dois países se envolveram em uma disputa diplomática depois que parte das máscaras com destino a outros países vindas da China foram retidas em cidades francesas. As autoridades francesas apreenderam milhões de máscaras que uma …

Sobrevivente da 2ª Guerra e Gripe Espanhola se cura do coronavírus ao 104 anos

Depois da Segunda Guerra Mundial e da pandemia de gripe espanhola, a nova inimiga do soldado aposentado William ‘Bill’ Lapschies, nascido em Salem em 1916, foi a Covid-19 – e ele venceu a batalha! Aos 104 …

Quarentena em todo o mundo deixou a crosta terrestre mais "silenciosa"

As medidas de isolamento social adotadas para conter o novo coronavírus (SARS-CoV-2) estão deixando a Terra mais silenciosa - ao menos para os “ouvidos” sensíveis dos sismógrafos. É que as atividades humanas, tais como a circulação …

UE teme que política autoritária adotada na Hungria por causa do coronavírus tenha efeito dominó no bloco

Em nome da luta contra o novo coronavírus, a Hungria estabeleceu estado de emergência e concedeu poderes ilimitados ao governo de Viktor Orbán. A Europa condena o uso político da pandemia da Covid-19 e …

Grécia põe campo de refugiados em quarentena após infeção

Autoridades confirmam ao menos 20 infecções, todas sem sintomas. Exames foram feitos após uma mulher que deu à luz ter testado positivo para o novo coronavírus no hospital. A Grécia colocou em quarentena o campo de …