Surpreendentemente, o universo está esquentando ao invés de esfriar

Por quase um século astrônomos descobriram que o Universo está em um estado de expansão. Desde a década de 1990, eles sabem que há 4 bilhões de anos a taxa de expansão está se acelerando.

Conforme isso progride, e os aglomerados de galáxias e filamentos do Universo se distanciam cada vez mais, os cientistas teorizam que a temperatura média do Universo diminuirá gradualmente.

Mas de acordo com uma nova pesquisa liderada pelo Centro de Cosmologia e Física de AstroPartículas (CCAPP) da Universidade do Estado de Ohio (EUA), parece que o Universo está realmente ficando mais quente com o passar do tempo, de acordo com o Universe Today.

Depois de investigar a história térmica do Universo nos últimos 10 bilhões de anos, a equipe concluiu que a temperatura média do gás cósmico aumentou mais de 10 vezes e atingiu cerca de 2,2 milhões K (cerca de 2,2 milhões de graus Celsius) até os dias de hoje.

O estudo que descreve suas descobertas, “The Cosmic Thermal History Probed by Sunyaev-Zeldovich Effect Tomography“, foi publicado recentemente no The Astrophysical Journal. O estudo foi liderado por Yi-Kuan Chiang, um pesquisador do CCAP, e incluiu membros do Instituto Kavli de Física e Matemática do Universo (Kavli IPMU), da Universidade Johns Hopkins e do Instituto Max-Planck para Astrofísica.

Para o seu estudo, a equipe examinou os dados térmicos da Estrutura de Grande Escala (EGE) do Universo. Isso se refere a padrões de galáxias e matéria na maior das escalas cósmicas, que é o resultado do colapso gravitacional da matéria escura e do gás.

Como o Dr. Chiang explicou em um comunicado à imprensa: “Nossa nova medição fornece uma confirmação direta do trabalho seminal de Jim Peebles — o Prêmio Nobel de Física de 2019 — que expôs a teoria de como a estrutura em grande escala se forma no Universo.”

Para medir as mudanças térmicas nos últimos 10 bilhões de anos, Chiang e seus colegas combinaram dados do Planck Infrared Astronomical Satellite da ESA e do Sloan Digital Sky Survey (SDSS). Considerando que o Planck foi a primeira missão europeia a medir a temperatura da radiação microondas cósmica de fundo (CMB, na sigla em inglês), o SDSS é uma pesquisa multiespectral massiva que criou os mapas 3D mais detalhados do Universo.

A partir desses conjuntos de dados, a equipe correlacionou oito dos mapas de intensidade do céu de Planck com dois milhões de referências espectroscópicas de redshift do SDSS. Combinando medições de redshift (que são comumente usadas para determinar a velocidade com que os objetos estão se afastando de nós) e estimativas de temperatura com base na luz, a equipe comparou a temperatura de nuvens de gás mais distantes (e também mais antigas) com aquelas mais próximas da Terra.

A partir disso, a equipe de pesquisa foi capaz de confirmar que a temperatura média dos gases no início do Universo (cerca de 4 bilhões de anos após o Big Bang) era menor do que a de agora. Isso aparentemente se deve ao colapso gravitacional da estrutura cósmica ao longo do tempo, uma tendência que continuará e se tornará mais intensa à medida que a expansão do Universo continuar se acelerando.

Como Chiang resumiu, o Universo está se aquecendo por causa do processo natural de formação de galáxias e estruturas, e não está relacionado às mudanças de temperatura aqui na Terra:

“À medida que o Universo evolui, a gravidade aglutina a matéria escura e o gás do espaço em galáxias e aglomerados de galáxias. O arrasto é violento, tão violento que mais e mais gás se choca e se aquece … Esses fenômenos estão acontecendo em escalas muito diferentes. Eles não estão de forma alguma conectados.”

No passado, muitos astrônomos argumentaram que o cosmos continuaria a esfriar à medida que se expandisse, algo que inevitavelmente resultaria no “Big Chill” (ou “Big Freeze”). Em contraste, Chiang e seus colegas mostraram que os cientistas podem datar a evolução da formação da estrutura cósmica “verificando a temperatura” do Universo.

Essas descobertas também podem ter implicações para as teorias que aceitam o “resfriamento cósmico” como uma conclusão precipitada. Por um lado, foi sugerido que uma possível resolução para o Paradoxo de Fermi é que as inteligências extraterrestres (ETIs) estão dormentes e esperando que o Universo melhore (a Hipótese de Estivação).

Baseado em parte na termodinâmica da computação (o Princípio de Landauer), o argumento afirma que, à medida que o Universo esfria, as espécies avançadas seriam capazes de extrair muito mais de suas megaestruturas. Além disso, se o cosmos vai ficar mais quente com o tempo, isso significa que o surgimento de vida se tornará menos provável com o tempo devido ao aumento da radiação cósmica?

Supondo que não haja mecanismo para manter um certo equilíbrio térmico, isso significa que o Universo não terminará em um “Big Chill”, mas em um “Big Blaze”?

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …