Acabamos de ultrapassar o maior nível de CO2 na atmosfera em milhões de anos

O mundo acabou de passar por um novo marco climático. Cientistas previram que isso aconteceria este ano – e aconteceu. Na terça-feira, o Observatório Mauna Loa, no Havaí, registrou sua primeira leitura de dióxido de carbono em mais de 410 partes por milhão: 410,28 ppm (partes do gás por milhão de moléculas de ar).

Segundo informa a revista Scientific American, o dióxido de carbono não atingiu níveis tão altos em milhões de anos. Os números representam uma nova atmosfera com a qual a humanidade terá de lidar, uma que está prendendo mais calor e fazendo com que o clima mude em um ritmo acelerado.

No que se tornou uma tradição do outono, o dióxido de carbono vem estabelecendo um recorde anual nesta época todo ano desde que começaram as medições. Em 1958, quando os registros começaram a ser feitos em Mauna Loa, os níveis eram de 280 ppm. Em 2013, passou dos 400 ppm. Apenas quatro anos depois, a marca de 400 ppm não é mais uma novidade – é a norma.

“É muito deprimente que seja apenas alguns anos desde que o marco de 400 ppm foi derrubado”, declarou ao portal do centro de pesquisa Climate Central no mês passado Gavin Foster, um pesquisador paleoclimático da Universidade de Southampton.

“Esses marcos são apenas números, mas eles nos dão a oportunidade de fazer uma pausa, fazer um balanço e agir como réguas úteis para comparações com o registro geológico”, disse Foster.

El Niño e emissões humanas

No início deste ano, os cientistas do Met Office da U.K. emitiram sua primeira previsão em relação ao dióxido de carbono. Eles projetaram que o CO2 poderia chegar a 410 ppm em março e quase certamente chegaria a este nível em abril. Sua previsão foi confirmada com registro diário da última terça-feira, dia 18.

 

A animação acima, feita pela NASA, mostra como o dióxido de carbono se move ao redor do planeta e, de acordo com os cientistas, a projeção é que a média mensal de dióxido de carbo na atmosfera chegará a um pico próximo de 407 ppm em maio, estabelecendo um recorde mensal.

As concentrações de dióxido de carbono têm subido vertiginosamente nos últimos dois anos, devido em parte a fatores naturais como El Niño, fazendo com que uma quantidade maior do composto acabe na atmosfera.

Porém, o aumento é principalmente impulsionado pelas quantidades recordes de dióxido de carbono que os seres humanos estão criando através da queima de combustíveis fósseis.

“A taxa de aumento irá diminuir quando as emissões diminuírem”, afirma Pieter Tans, cientista atmosférico da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos, em entrevista à Scientific American.

“Mas o [nível de] dióxido de carbono ainda estará subindo, embora mais lentamente. Somente quando as emissões forem cortadas pela metade o nível de dióxido de carbono atmosférico vai parar de aumentar”, conclui.

Mesmo assim, ainda que as concentrações de dióxido de carbono parassem de aumentar, os impactos das mudanças climáticas se estenderão por séculos futuros. O planeta já aqueceu 1°C, incluindo uma constante de 627 meses consecutivos de calor acima do normal. O nível do mar já aumentou cerca de 30 centímetros e os oceanos se acidificaram. Além disso, o calor extremo tornou-se mais comum.

Todos esses impactos vão durar mais e se intensificar no futuro, mesmo se cortarmos as emissões de carbono. Mas nós temos uma escolha de definir o quão intenso eles serão baseada em quando nós vamos parar de poluir a atmosfera.

Atualmente, estamos nos encaminhando para que até a metade do século criemos um clima nunca visto em 50 milhões de anos.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …

Explosões deixam vários mortos em mesquita no Afeganistão

Ao menos 33 pessoas morrem após explosões em mesquita xiita durante a oração de sexta-feira. Testemunha diz ter visto homens-bomba. Incidente ocorre dias depois de ataque do "Estado Islâmico" contra xiitas no país. Fortes explosões atingiram …