Afinal, a orientação sexual pode mesmo estar escrita nos genes

Os cientistas reportam aquilo que pode ser a primeira prova concreta de ligações genéticas à orientação sexual masculina no primeiro estudo observacional de mapeamento do genoma que examinou o traço.

Pesquisadores recrutaram mais de 2 mil homens de duas orientações sexuais (homo e heterossexuais) e analisaram o seu DNA, identificando duas regiões genéticas que aparecem ligadas ao fato de o indivíduo ser ou não homossexual.

“Como a sexualidade é uma parte essencial da vida humana, para os indivíduos e para a sociedade, é importante compreender o desenvolvimento e a expressão da orientação sexual humana”, disse o psiquiatra Alan Sanders, da NorthShore University HealthSystem, em Illinois (EUA).

“O objetivo do estudo era pesquisar fundamentos genéticos da orientação sexual masculina e, assim, aumentar nosso conhecimento dos mecanismos biológicos por trás da sexualidade”, afirmou o psiquiatra.

Para isso, a equipe de Sanders estudou 1077 homens homossexuais e 1231 heterossexuais de ascendência principalmente europeia, que eram respectivamente recrutados de festivais comunitários e pesquisas nacionais.

Para o estudo, a orientação sexual do homem era baseada no autorrelato de identidade sexual e desejos sexuais. Cada indivíduo que participou do estudo providenciou uma amostra do seu DNA, através de sangue ou saliva, que foi mapeada e analisada.

Quando os pesquisadores separaram os dados recolhidos, isolaram várias regiões genéticas onde as variações chamadas polimorfismos de nucleotídeo único (SNP) assinalou mudanças de uma única letra no DNA, com duas das mais proeminentes congregações se localizando nos cromossomos 13 e 14.

“Os genes mais próximos desses picos têm funções plausivelmente relevantes para o desenvolvimento da orientação sexual”, explicaram os cientistas no artigo.

No cromossomo 13, as variações estavam localizadas no gene SLITRK6, que é expresso no diencéfalo, uma parte do cérebro que já foi provada diferir de tamanho conforme a orientação sexual dos homens.

Enquanto que estes mecanismos não são totalmente compreendidos, os pesquisadores explicam que a família do gene SLITRK é importante no neurodesenvolvimento e pode ser relevante para uma variedade de fenótipos comportamentais, e não apenas orientação sexual.

No cromossomo 14, as associações mais fortes estavam centradas no gene receptor de hormônios estimulantes da tiroide (TSHR) e acredita-se que o conjunto de variantes de SNP aqui poderiam afetar a orientação sexual devido à expressão alterada no hipocampo – além de produzir uma função atípica da tiroide.

Esta não é a primeira vez que os cientistas examinam o código genético à procura de indícios de preditores de persuasão sexual.

Apesar dos vários fatores ambientais a se levar em consideração, pesquisas anteriores – que ainda não foram replicadas – ligaram um marcador genético no cromossomo X, chamado Xq28, à orientação sexual masculina na década de 1990.

Estes estudos deram força ao então chamado “gene gay”, apesar de esse ser tecnicamente um nome incorreto, já que o grupo Xq28 contém vários genes.

Mais recentemente, um estudo controverso apresentado em 2015 por pesquisadores da UCLA sugeriu que um algoritmo conseguia prever a orientação sexual masculina com 70% de certeza, mas a descoberta nunca chegou a ser publicada.

Igualmente controverso, mas em um campo totalmente diferente da ciência, pesquisadores da Universidade de Stanford fizeram manchetes em setembro ao afirmar ter desenvolvido uma Inteligência Artificial que conseguia distinguir corretamente as orientações sexuais de homens e mulheres (81% e 74%, respectivamente).

Com o alvoroço desses resultados, as afirmações – se verdadeiras – servem como ilustração de que a biologia pode conter inúmeras pistas sobre assuntos como a orientação sexual que a ciência está apenas começando a revelar.

Sobre este mais recente estudo, os pesquisadores enfatizam que, por enquanto, as descobertas são amplamente especulativas, uma vez que ainda há muito que não se sabe sobre o que as variações genéticas podem realmente significar.

Além disso, os pesquisadores falam no pequeno tamanho da amostra – que é constituída apenas por homens e de origem europeia – que limita o que o estudo nos pode dizer sobre os fundamentos da genética relativos à orientação sexual.

No entanto, apesar das falhas, há muito a considerar aqui, e a equipe espera que esta possa servir de base a futuras pesquisas que podem estudar mais profundamente os fatores genéticos que ajudam a influenciar a nossa identidade sexual.

“O que alcançamos é um primeiro passo e esperamos que os estudos que se seguem aprofundem as contribuições genéticas. Compreender as origens da orientação sexual nos permite aprender muito sobre motivação sexual, identidade sexual, identidade de gênero e diferenças de sexo”, concluiu Sanders.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Apesar de o título da reportagem ser escandalosamente tendencioso, há dois fatores que precisam ser levados em consideração:
    a) o ser humano ainda continuará a ser responsável por seus atos, independentemente da genética. Quero dizer, com isso, que a tendência genética terá que ser controlada pela vontade. Isso é fato moral em todas as áreas da vida, não apenas na que diz respeito aos genes; e
    b) se os genes, de fato, influenciarem na orientação sexual, estará aberto o caminho para a cura gay genética, em benefício das pessoas que, envergonhadas dos próprios impulsos íntimos, decidem viver de acordo com a orientação orgânica ostensiva, a fim de agradar o seu Criador e de parar de colocar a culpa em fatores terceiros.

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Pais gays viram alvo de investigações na Rússia

Alguns anos atrás, o advogado Vladimir (nome modificado), morador de uma grande cidade russa, decidiu ter um filho com o auxílio de uma mãe de aluguel. Sua família inteira ficou contente quando uma menina nasceu. …

Líbano: Saad Hariri volta ao posto de primeiro-ministro para formar novo governo

Saad Hariri foi nomeado novamente primeiro-ministro do Líbano, com o desafio de chegar a um acordo com as várias forças políticas do país e formar um governo capaz de realizar as reformas necessárias para …

Alunos incentivam câmeras ligadas para que professores não ‘falem’ com telas em branco

Para amenizar a sensação de solidão de professores em aulas online, alunos norte-americanos começaram a usar o TikTok para incentivar mais estudantes a abrirem as câmeras durante encontros educacionais à distância. A usuária da rede social …

Identificada a causa da maior extinção em massa na história da Terra

A vida na Terra tem uma história longa, mas também extremamente turbulenta. Em mais de uma ocasião, a maioria de todas as espécies foi extinta e uma biodiversidade já altamente desenvolvida reduziu para um mínimo …

Cães farejadores de covid: eficazes e baratos, mas esnobados

A Europa está em pânico em meio ao segundo surto de covid-19, com taxas de contágio explodindo e os PIBs despencando. A Bélgica acaba de anunciar que não mais testará cidadãos assintomáticos, mesmo que tenham …

Bolsonaro é avaliado positivamente por 37% da população, diz pesquisa

Entre os que souberam do dinheiro na cueca do senador Chico Rodrigues (52%), 74% não mudaram sua avaliação sobre o presidente Bolsonaro. Os que mais mudaram de opinião foram os pesquisados com ensino superior (26%) …

Tribunal Constitucional da Polônia invalida direito ao aborto por malformação do feto

O Tribunal Constitucional da Polônia invalidou nesta quinta-feira (22) uma disposição que permitia a interrupção voluntária da gravidez (IVG) em caso de malformação do feto. Uma vez que a decisão entre em vigor, apenas o …

Estudo descobre 1,8 bilhão de árvores no deserto do Saara e no Sahel

Um estudo publicado na revista Nature descobriu que na região do Saara Ocidental e no Sahel, há mais de um bilhão de árvores. No meio da aridez do local, a surpreendente descoberta colocou um novo …

Guerra Fria 2.0 entre EUA e China será uma batalha tecnológica, dizem especialistas

A batalha mundial pelo domínio da alta tecnologia está cada vez mais centrada em EUA e China. Com confronto aberto no caso da Huawei, especialistas do clube Valdai alertam para uma longa guerra fria tecnológica …

Combate à corrupção reduz mortalidade infantil, aponta estudo

Auditorias anticorrupção realizadas em municípios brasileiros entre 2003 e 2015 reduziram a mortalidade infantil. Esta é a principal conclusão de um estudo, conduzido por pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, que relacionou o …