Até jogar videogame polui: entenda o impacto ambiental da tecnologia

Steven Andrew / Flickr

Em uma primeira impressão, um adolescente vidrado na televisão jogando videogame não tem nada demais. No entanto, este hábito está se tornando um dos vilões da poluição digital, um conceito que permanece abstrato para a maioria das pessoas, mas que já responde por quase 3,8% das emissões mundiais de gases de efeito estufa.

As conclusões foram publicadas em um estudo inédito da consultoria ambiental francesa GreenIT, especialista na questão.

O impacto ambiental da esfera digital consome 6,8 mil TWh (terawatts/hora) de energia e emite 1,4 milhão de toneladas de gases causadores do aquecimento global por ano. Vistos assim, os dados podem não significar muito. Por isso, a pesquisa coloca os números em perspectiva: representam o mesmo que 82 milhões de aquecedores elétricos ligados sem parar, ou a poluição gerada por 116 milhões de voltas ao mundo de carro.

Telefones, computadores, telas com tamanhos e definições cada vez maiores. Os equipamentos em si ainda são a parte mais grave do problema.

“É preciso que os aparelhos durem mais tempo, sejam menos impactantes. Precisamos acabar com o problema de obsolescência programada. Mas o principal é que a duração dos nossos equipamentos é cada vez mais ligada ao fato de que softwares e os sistemas operacionais deles ficam rapidamente desatualizados”, explica Frédéric Bordage, um dos autores do estudo.

“Todas essas atualizações pesadas que somos obrigados a acrescentar nos telefones, computadores ou videogames, cotidianamente, consomem cada vez mais memória e capacidade do microprocessador. Até que ele fica tão pesado que não consegue mais funcionar: vira um ‘obesofone’.”

Os aparelhos digitais possuem baterias e componentes, como metais raros, cuja reciclagem ainda é um desafio para o mundo da tecnologia. Quando descartados de maneira inapropriada, são tóxicos ao meio ambiente. Sem falar de toda a infraestrutura necessária para a transmissão e estocagem de dados. É nesse contexto que os videogames se tornam protagonistas da poluição digital.

“Quanto mais alta é a definição e quanto mais móvel estivermos, maior é o impacto ambiental. O pior cenário é jogar na sala, com um console conectado em uma tela grande, conectado em 4G e jogando em streaming”, resume Bordage. “Os estudos sobre como vamos nos conectar no futuro mostram que, em 2025, cada vez menos vamos nos preocupar em instalar fibra ótica para ter wifi em casa. Haverá mais antenas de 4G e as pessoas se conectarão desta maneira.”

Esteban Giner é pesquisador do Centro de Pesquisas sobre as Mediações, da Universidade de Lorraine, onde estuda formas de diminuir o impacto ambiental dos games. Ele explica que, quando um utilizador baixa no próprio computador ou telefone um jogos triplo AAA, de altíssima definição, vai utilizar cerca de 80 a 150 gigabits. Mas se decide jogar em streaming, como é cada vez mais o caso graças a plataformas como Netflix ou Google, esse “peso” digital pode se multiplicar por quatro.

“Acabamos pensando que o mundo digital é algo imaterial, e é muito importante deixar clara a materialidade da informática e dos nossos meios de comunicação hoje, nos quais estão integrados os videogames. Estamos falando de toneladas e toneladas de cabos, que viabilizam a uma ligação telefônica e o funcionamento de um jogo em rede”, ressalta Giner.

O pesquisador nota que a conscientização dos jovens sobre o problema está aumentando, na medida em que compreendem o impacto ambiental das plataformas digitais. No entanto, dois tipos de jogadores resistem a enfrentar a questão: os que apreciam jogos cada vez mais próximos à realidade e os que buscam a competição com outros gamers.

“Quanto mais sobem de nível no jogo, mais precisam de qualidade de imagem e rapidez. Os jogadores competitivos precisam de máquinas superpotentes, que não vão deixar o jogo lento. Por exemplo: um jogador que joga com 30 imagens por segundo fica em desvantagem em relação a outro que está a 60 imagens por segundo”, sublinha o pesquisador.

Giner sugere algumas alternativas para combater o problema, como jogos menos complexos, fabricados em escala local, e não global, por produtores independentes. Também imagina a criação de um selo ambiental, para os fabricantes que se esforçam em poluir menos, e prega a durabilidade da experiência, no que ele chama de slowplay.

Em vez de experimentar a cada dia uma opção diferente, o melhor seria aproveitar cada jogo por um período maior. O ideal ainda seria limitar o número de horas de jogo, numa mudança de hábitos que se insere em uma filosofia de vida mais ecológica. “É tão importante de apagar as luzes de casa antes de sair e não deixar o chuveiro correndo à toa”, compara.

// RFI

 

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Oxford testa ivermectina como possível tratamento contra covid-19

Universidade quer verificar se medicamento antiparasitário pode trazer benefícios a infectados pelo coronavírus e evitar hospitalizações. Remédio é defendido por Bolsonaro como parte do chamado tratamento precoce. A Universidade de Oxford, no Reino Unido, afirmou nesta …

Aquecimento global fará milhões de vítimas, diz texto da ONU

Dezenas de milhões de pessoas deverão sofrer de fome, seca e doenças nas próximas décadas devido às mudanças climáticas, segundo rascunho de relatório de 4 mil páginas preparado por painel de especialistas. As mudanças climáticas irão …

Blocos flutuantes podem indicar que Vênus está geologicamente ativo

Uma equipe internacional de cientistas descobriu que a superfície de Vênus possui um manto gelatinoso, com pedaços sólidos de crosta flutuando e se movimentando como blocos de gelo. Para os especialistas, esta atividade fornece possíveis indicações …

Fábrica russa eliminará deficiências na produção da Sputnik V de acordo com recomendações da OMS

Em resultado de inspeções efetuadas na Rússia, o grupo de especialistas da Organização Mundial da Saúde fez várias observações sobre a fabricação da vacina Sputnik V. Estas são ligadas principalmente à proteção do meio ambiente …

Brasil ultrapassa Índia e volta a ser líder mundial em mortes diárias por coronavírus

Em meio ao avanço da terceira onda da pandemia, o Brasil ultrapassou a Índia e voltou à liderança do número de mortes diárias por covid-19 registradas, em média. São mais de 2.000 óbitos registrados por …

Rajadas rápidas de rádio ajudarão a mapear distribuição de matéria no universo

O novo levantamento dos dados coletados pelo radiotelescópio CHIME (Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment) resultou em mais de 500 rajadas rápidas de rádio devidamente catalogadas, todas feitas durante o primeiro ano de atuação do telescópio. Agora, …

Lider da UE chama lei húngara anti-LGBT de vergonha

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, afirma que vai usar poderes de que dispõe para garantir direitos de todos os cidadãos do bloco. Países pediram à UE que agisse. A presidente da Comissão Europeia, …

Apesar de ter vacinado mais da metade da população, Israel teme 2ª onda de Covid

O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, alertou nesta terça-feira que o país pode enfrentar uma nova onda de coronavírus. Segundo ele, o aumento do número de doentes, causado pela chegada da variante Delta, “importada” por …

Cientistas resolvem enigma de esculturas de pedra de 3.200 anos da Turquia

Um recente estudo permitiu descobrir finalmente o significado e a função dos relevos em pedra criados há 3.200 anos no santuário de Yazilikaya, na Turquia, após 200 anos de conjeturas. No século XIII a.C., a alguns …

EUA não devem esperar retomada do diálogo com Pyongyang, diz irmã de Kim Jong-un

As expectativas de retomada do diálogo entre os EUA e a Coreia do Norte são erradas, podendo levar a uma "decepção ainda maior", declarou a irmã do líder norte-coreano. Na terça-feira (22), Kim Yo Jong, alta …