Até jogar videogame polui: entenda o impacto ambiental da tecnologia

Steven Andrew / Flickr

Em uma primeira impressão, um adolescente vidrado na televisão jogando videogame não tem nada demais. No entanto, este hábito está se tornando um dos vilões da poluição digital, um conceito que permanece abstrato para a maioria das pessoas, mas que já responde por quase 3,8% das emissões mundiais de gases de efeito estufa.

As conclusões foram publicadas em um estudo inédito da consultoria ambiental francesa GreenIT, especialista na questão.

O impacto ambiental da esfera digital consome 6,8 mil TWh (terawatts/hora) de energia e emite 1,4 milhão de toneladas de gases causadores do aquecimento global por ano. Vistos assim, os dados podem não significar muito. Por isso, a pesquisa coloca os números em perspectiva: representam o mesmo que 82 milhões de aquecedores elétricos ligados sem parar, ou a poluição gerada por 116 milhões de voltas ao mundo de carro.

Telefones, computadores, telas com tamanhos e definições cada vez maiores. Os equipamentos em si ainda são a parte mais grave do problema.

“É preciso que os aparelhos durem mais tempo, sejam menos impactantes. Precisamos acabar com o problema de obsolescência programada. Mas o principal é que a duração dos nossos equipamentos é cada vez mais ligada ao fato de que softwares e os sistemas operacionais deles ficam rapidamente desatualizados”, explica Frédéric Bordage, um dos autores do estudo.

“Todas essas atualizações pesadas que somos obrigados a acrescentar nos telefones, computadores ou videogames, cotidianamente, consomem cada vez mais memória e capacidade do microprocessador. Até que ele fica tão pesado que não consegue mais funcionar: vira um ‘obesofone’.”

Os aparelhos digitais possuem baterias e componentes, como metais raros, cuja reciclagem ainda é um desafio para o mundo da tecnologia. Quando descartados de maneira inapropriada, são tóxicos ao meio ambiente. Sem falar de toda a infraestrutura necessária para a transmissão e estocagem de dados. É nesse contexto que os videogames se tornam protagonistas da poluição digital.

“Quanto mais alta é a definição e quanto mais móvel estivermos, maior é o impacto ambiental. O pior cenário é jogar na sala, com um console conectado em uma tela grande, conectado em 4G e jogando em streaming”, resume Bordage. “Os estudos sobre como vamos nos conectar no futuro mostram que, em 2025, cada vez menos vamos nos preocupar em instalar fibra ótica para ter wifi em casa. Haverá mais antenas de 4G e as pessoas se conectarão desta maneira.”

Esteban Giner é pesquisador do Centro de Pesquisas sobre as Mediações, da Universidade de Lorraine, onde estuda formas de diminuir o impacto ambiental dos games. Ele explica que, quando um utilizador baixa no próprio computador ou telefone um jogos triplo AAA, de altíssima definição, vai utilizar cerca de 80 a 150 gigabits. Mas se decide jogar em streaming, como é cada vez mais o caso graças a plataformas como Netflix ou Google, esse “peso” digital pode se multiplicar por quatro.

“Acabamos pensando que o mundo digital é algo imaterial, e é muito importante deixar clara a materialidade da informática e dos nossos meios de comunicação hoje, nos quais estão integrados os videogames. Estamos falando de toneladas e toneladas de cabos, que viabilizam a uma ligação telefônica e o funcionamento de um jogo em rede”, ressalta Giner.

O pesquisador nota que a conscientização dos jovens sobre o problema está aumentando, na medida em que compreendem o impacto ambiental das plataformas digitais. No entanto, dois tipos de jogadores resistem a enfrentar a questão: os que apreciam jogos cada vez mais próximos à realidade e os que buscam a competição com outros gamers.

“Quanto mais sobem de nível no jogo, mais precisam de qualidade de imagem e rapidez. Os jogadores competitivos precisam de máquinas superpotentes, que não vão deixar o jogo lento. Por exemplo: um jogador que joga com 30 imagens por segundo fica em desvantagem em relação a outro que está a 60 imagens por segundo”, sublinha o pesquisador.

Giner sugere algumas alternativas para combater o problema, como jogos menos complexos, fabricados em escala local, e não global, por produtores independentes. Também imagina a criação de um selo ambiental, para os fabricantes que se esforçam em poluir menos, e prega a durabilidade da experiência, no que ele chama de slowplay.

Em vez de experimentar a cada dia uma opção diferente, o melhor seria aproveitar cada jogo por um período maior. O ideal ainda seria limitar o número de horas de jogo, numa mudança de hábitos que se insere em uma filosofia de vida mais ecológica. “É tão importante de apagar as luzes de casa antes de sair e não deixar o chuveiro correndo à toa”, compara.

// RFI

 

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Sri Lanka escava fosso para manter elefantes longe de lixão

Um fosso está sendo cavado ao redor de um lixão no Sri Lanka para impedir que elefantes invadam o local à procura de comida entre montes de resíduos plásticos. Os animais vão regularmente até o …

Pela primeira vez, Trump admite deixar a Casa Branca

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou pela primeira vez que deixará a Casa Branca caso o Colégio Eleitoral vote no democrata Joe Biden, embora mantenha sua tese de que houve fraude na eleição …

Mutação da Covid-19: Premiê da Dinamarca chora e se desculpa por massacre de visons

A primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen, 43 anos, se desculpou pessoalmente nesta quinta-feira por sua gestão da pandemia. Enxugando as lágrimas, ela reconheceu que seu governo errou ao determinar o massacre de milhares de …

Herdeira da Disney diz que "tinha vergonha do sobrenome" ao falar de doação milionária

Abigail Edna Disney cresceu com muita vergonha do sobrenome que ostentava. Desde pequena, mais precisamente depois que completou dez anos, percebeu que o tamanho do patrimônio da família não condizia com a realidade da maioria …

Arqueólogos revelam restos mortais de cachorro de 8.400 anos descoberto na Suécia

Após vários meses de meticulosos trabalhos de escavação, foram finalmente revelados os restos mortais de um cachorro, de uma raça há muito tempo desaparecida, enterrado há mais de 8.400 anos na Suécia ao lado de …

“Cogumelos mágicos” são 4x melhores do que antidepressivos, descobre estudo

Quando a psilocibina, a molécula psicodélica descoberta nos cogumelos mágicos (Psilocybe cubensis), é usada durante a psicoterapia, parece possuir efeitos antidepressivos rápidos, substanciais e duradouros contra a depressão maior, de acordo com um novo ensaio …

Sem Trump, Putin e Bolsonaro ensaiam aproximação

Moscou sabe que a troca de poder na Casa Branca abre brecha na política externa brasileira. O elogio do presidente russo às "qualidades masculinas" de Bolsonaro pode ser apenas o primeiro sinal de uma aproximação. "O …

Crimes por preconceito de cor, raça ou orientação sexual podem ter punição maior

Projeto passa no Senado e vai à Câmara, mas falta definir tamanho da pena. Proposta entrou na pauta a pedido de Paulo Paim para "dar uma resposta" ao assassinato de João Alberto Silveira Freitas. Falta a …

Vacinação contra a Covid-19 será obrigatória em voos da companhia aérea australiana Qantas

A vacina contra a Covid-19 ainda não está pronta, mas as companhias aéreas já começam a se preparar. É o caso da australiana Qantas, que anunciou a futura exigência de um certificado de vacinação …

Galinhas substituem agrotóxicos em ação contra veneno na agricultura

A presença de insetos é uma frequente preocupação para agricultores. Os animais são capazes de prejudicar plantações e, para evitá-los, é comum que fazendeiros recorram a pesticidas. A utilização de produtos químicos, no entanto, é nociva …