Beth Peterson foi atingida por dois raios; e sobreviveu para contar a história

Beth Peterson / Facebook

Beth Peterson, a norte-americana de 49 anos que foi atingida por dois raios (e sobreviveu para contar a história)

Uma norte-americana, de 49 anos, foi atingida duas vezes por um raio. A reabilitação física e psicológica foi dura, mas, passados 25 anos, Beth utiliza essa dor para ajudar os outros.

A expressão “um em um milhão” é usada com frequência para descrever alguém muito especial ou que passou por uma experiência muito incomum. Na verdade, ainda há muitas pessoas por esse mundo afora que se encaixam literalmente nessa estatística.

É o caso de Beth Peterson, uma norte-americana de 49 anos que foi atingida por um raio e viveu o mesmo drama novamente, apenas um ano depois do primeiro incidente. Felizmente, sobreviveu para contar a história.

“A chuva encharcou as minhas botas e meu coração estava batendo rápido quando percebi que um raio tinha partido uma árvore a 50 metros de distância de mim. Não houve nenhum aviso, exceto pelas nuvens negras que cobriam o céu”, recorda à BBC.

“Antes de ter conseguido encontrar um abrigo, um forte raio de luz atravessou meu corpo e me atirou a uma distância de mais de nove metros, sobre um piso de cimento. Senti cada centímetro do meu corpo arder, ardendo com eletricidade, me matando. E depois ficou tudo escuro”, conta a norte-americana.

“Tinha 24 anos e era militar em Fort Benning, na Geórgia. Naquela noite, inspecionava munições em um depósito com um colega. Ele tentou me reanimar, mas foram os paramédicos que me ressuscitaram depois de o raio ter feito meu coração parar de bater durante um curto período de tempo”.

“Minha vida mudou para sempre”

“Quando cheguei ao hospital, os médicos ficaram surpreendidos com o fato de eu ter sobrevivido. Estava semiconsciente, perguntando se alguém tinha disparado ou atirado um explosivo contra mim”.

“Não podia falar porque tinha os maxilares partidos. Não conseguia entender o que me diziam por causa de uma lesão cerebral grave. Não conseguia andar porque os vasos sanguíneos dos meus pés estavam completamente destruídos. Estava feliz por estar viva, mas a minha vida tinha mudado para sempre”.

Fiz doze cirurgias para reconstruir os maxilares e os dedos dos meus pés tiveram que ser amputados. Lentamente, reaprendi a ler, escrever, falar e caminhar – inicialmente usava muletas e depois, quando fiquei mais forte, passei a usar os músculos do abdômen para manter o equilíbrio”.

“Me sentia impotente, mas, a cada sinal de recuperação – como conseguir dizer o alfabeto e completar operações matemáticas básicas – também renascia a esperança. Além de enfrentar a reabilitação física, fui diagnosticada com um transtorno de estresse pós-traumático e tive que ser acompanhada por um psicólogo”.

Um ano depois, um novo raio

“Exatamente um ano depois do dia em que fui atingida por um raio, estava em casa, porque ainda não podia trabalhar, e vendo a chegada de uma tempestade. Meu psicólogo tinha me encorajado a enfrentar meus medos e não me esconder em casa durante as chuvas – por isso, ganhei coragem e fui até a varanda“.

“De repente, senti tudo outra vez: a mesma luz, o mesmo ardor agonizante. Fui atirada para dentro de casa, onde o meu namorado, David, correu até mim. Antes de perder a consciência, estava convencida de que ia morrer”, lembra.

“O segundo raio não me feriu fisicamente tanto como o primeiro. Como ainda estava em recuperação, os médicos não puderam entender com precisão a extensão dos danos desse segundo golpe”.

“Meus dias passaram a ser um fluxo constante de visitas a hospitais e clínicas de reabilitação. Vivia com medo, obcecada por nuvens, chuvas e relâmpagos, examinando o céu de forma constante”.

“Quatro meses depois, recuperei força suficiente para voltar a caminhar com a ajuda de uma bengala. David e eu decidimos casar. No ano seguinte, tivemos um filho, Casey. A cada cirurgia, a cada sessão de reabilitação, eles eram a fonte de alegria que me ajudou a superar tudo”.

Já se passaram 25 anos e ainda sinto dores. Pode parecer estranho, mas quem já passou por uma amputação vai entender: a dor não desaparece realmente, mas aprendemos a conviver com ela”.

Na sequência da sua história improvável, Beth organiza palestras para outros pacientes com transtorno de estresse pós-traumático e dor crônica. Em 2013, escreveu o livro Life After Lightning (“A Vida depois dos Raios”, em tradução livre para o português) sobre como usar a dor para se tornar uma pessoa mais forte.

“Os raios podem ter mudado a minha vida de uma forma irremediável, mas também me deram um novo propósito: ajudar os outros“, conclui.

Ciberia // BBC / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

China revela análise de substância estranha encontrada na Lua em 2019

Em julho de 2019, a equipe da missão chinesa Chang'e 4 encontrou uma substância estranha na Lua. A descoberta foi anunciada em agosto do mesmo ano, chamando a atenção da comunidade científica, mas nada foi …

Cientistas alertam OMS para transmissão aérea do coronavírus além de dois metros

A transmissão aérea do novo coronavírus interpela os especialistas desde o início da pandemia. Nessa segunda-feira, um grupo de 239 cientistas alertou as autoridades de saúde do mundo inteiro, e em particular a OMS, …

Governo tem que tirar garimpeiros de terras yanomami em 15 dias para começar a enfrentar covid-19 em áreas indígenas

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região determinou que o Governo Federal deveria retirar os garimpeiros das terras yanomami de Roraima como medida para conter o avanço do novo coronavírus nos territórios indígenas. A decisão liminar …

Encontrada a origem da vida no universo

Uma estrela morre por segundo no universo. Mas esses objetos estelares não somem totalmente, algo sempre fica para trás. Certas estrelas entram em supernova, que geram um buraco negro ou uma estrela de nêutrons, enquanto a …

Bolsonaro afirma que está com covid-19

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (07/07) que seu exame para detectar a covid-19 teve resultado positivo. Bolsonaro, de 65 anos, se submeteu ao exame na segunda-feira, após dizer que estava sentindo sintomas leves da …

Caso de peste bubônica é confirmado na China

Enquanto o mundo vem buscando tratamentos para a pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2), antigas doenças e ameças podem ressurgir, como um sinal de alerta para a sociedade. É esse o caso relatado pelas autoridades da saúde …

Petição que substituir estátua de Cristóvão Colombo por uma do músico Prince

O histórico processo de revisão das estátuas, nomes de rua e outras homenagens a personagens ligados ao racismo ou outros massacres étnicos prevê a retirada de tais homenagens, mas não somente: figuras efetivamente merecedoras dos …

EUA podem proibir aplicativos chineses, incluindo TikTok, diz secretário de Estado

Mike Pompeo já acolheu uma medida semelhante da Índia, que emitiu uma ordem provisória bloqueando o TikTok e outros 58 aplicativos ligados à China em meio ao primeiro choque fronteiriço mortal em décadas. O secretário de …

Brasil tem mais de 65 mil mortes por covid-19

O Brasil superou a marca de 65 mil mortos por covid-19 nesta segunda-feira (06/07), segundo dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e do Ministério da Saúde. Foram 620 óbitos registrados nas últimas …

Homem cria uma "cadeira de rodas" off-road para que sua esposa possa ir a lugares que ela nunca imaginou

Quem precisa de uma cadeira de rodas para se locomover sabe que não é nada fácil percorrer certos terrenos. Viagens a lugares nevados, trilhas tropicais, montanhas… Tudo isso parece impossível. Mas não deveria ser. Aliás, …