Beth Peterson foi atingida por dois raios; e sobreviveu para contar a história

Beth Peterson / Facebook

Beth Peterson, a norte-americana de 49 anos que foi atingida por dois raios (e sobreviveu para contar a história)

Uma norte-americana, de 49 anos, foi atingida duas vezes por um raio. A reabilitação física e psicológica foi dura, mas, passados 25 anos, Beth utiliza essa dor para ajudar os outros.

A expressão “um em um milhão” é usada com frequência para descrever alguém muito especial ou que passou por uma experiência muito incomum. Na verdade, ainda há muitas pessoas por esse mundo afora que se encaixam literalmente nessa estatística.

É o caso de Beth Peterson, uma norte-americana de 49 anos que foi atingida por um raio e viveu o mesmo drama novamente, apenas um ano depois do primeiro incidente. Felizmente, sobreviveu para contar a história.

“A chuva encharcou as minhas botas e meu coração estava batendo rápido quando percebi que um raio tinha partido uma árvore a 50 metros de distância de mim. Não houve nenhum aviso, exceto pelas nuvens negras que cobriam o céu”, recorda à BBC.

“Antes de ter conseguido encontrar um abrigo, um forte raio de luz atravessou meu corpo e me atirou a uma distância de mais de nove metros, sobre um piso de cimento. Senti cada centímetro do meu corpo arder, ardendo com eletricidade, me matando. E depois ficou tudo escuro”, conta a norte-americana.

“Tinha 24 anos e era militar em Fort Benning, na Geórgia. Naquela noite, inspecionava munições em um depósito com um colega. Ele tentou me reanimar, mas foram os paramédicos que me ressuscitaram depois de o raio ter feito meu coração parar de bater durante um curto período de tempo”.

“Minha vida mudou para sempre”

“Quando cheguei ao hospital, os médicos ficaram surpreendidos com o fato de eu ter sobrevivido. Estava semiconsciente, perguntando se alguém tinha disparado ou atirado um explosivo contra mim”.

“Não podia falar porque tinha os maxilares partidos. Não conseguia entender o que me diziam por causa de uma lesão cerebral grave. Não conseguia andar porque os vasos sanguíneos dos meus pés estavam completamente destruídos. Estava feliz por estar viva, mas a minha vida tinha mudado para sempre”.

Fiz doze cirurgias para reconstruir os maxilares e os dedos dos meus pés tiveram que ser amputados. Lentamente, reaprendi a ler, escrever, falar e caminhar – inicialmente usava muletas e depois, quando fiquei mais forte, passei a usar os músculos do abdômen para manter o equilíbrio”.

“Me sentia impotente, mas, a cada sinal de recuperação – como conseguir dizer o alfabeto e completar operações matemáticas básicas – também renascia a esperança. Além de enfrentar a reabilitação física, fui diagnosticada com um transtorno de estresse pós-traumático e tive que ser acompanhada por um psicólogo”.

Um ano depois, um novo raio

“Exatamente um ano depois do dia em que fui atingida por um raio, estava em casa, porque ainda não podia trabalhar, e vendo a chegada de uma tempestade. Meu psicólogo tinha me encorajado a enfrentar meus medos e não me esconder em casa durante as chuvas – por isso, ganhei coragem e fui até a varanda“.

“De repente, senti tudo outra vez: a mesma luz, o mesmo ardor agonizante. Fui atirada para dentro de casa, onde o meu namorado, David, correu até mim. Antes de perder a consciência, estava convencida de que ia morrer”, lembra.

“O segundo raio não me feriu fisicamente tanto como o primeiro. Como ainda estava em recuperação, os médicos não puderam entender com precisão a extensão dos danos desse segundo golpe”.

“Meus dias passaram a ser um fluxo constante de visitas a hospitais e clínicas de reabilitação. Vivia com medo, obcecada por nuvens, chuvas e relâmpagos, examinando o céu de forma constante”.

“Quatro meses depois, recuperei força suficiente para voltar a caminhar com a ajuda de uma bengala. David e eu decidimos casar. No ano seguinte, tivemos um filho, Casey. A cada cirurgia, a cada sessão de reabilitação, eles eram a fonte de alegria que me ajudou a superar tudo”.

Já se passaram 25 anos e ainda sinto dores. Pode parecer estranho, mas quem já passou por uma amputação vai entender: a dor não desaparece realmente, mas aprendemos a conviver com ela”.

Na sequência da sua história improvável, Beth organiza palestras para outros pacientes com transtorno de estresse pós-traumático e dor crônica. Em 2013, escreveu o livro Life After Lightning (“A Vida depois dos Raios”, em tradução livre para o português) sobre como usar a dor para se tornar uma pessoa mais forte.

“Os raios podem ter mudado a minha vida de uma forma irremediável, mas também me deram um novo propósito: ajudar os outros“, conclui.

Ciberia // BBC / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Impeachment de Trump avança nos EUA: entenda o caso em poucas palavras

Você já deve ter ouvido falar que a reação a um polêmico telefonema com um líder estrangeiro ameaça o futuro da Presidência de Donald Trump. O presidente americano enfrenta um inquérito de impeachment sob a acusação …

Twitter vai ser mais rígido com conteúdo adulto na internet e preocupa criadores

Desde o ano passado tem sido mais difícil para os criadores de páginas com o perfil NSFW (Not Safe for Work ou não seguro para ver no trabalho — impróprio, em tradução livre) ter seus …

Otan tenta exibir união, enquanto líderes são flagrados falando de Trump

Chefes de Estado e de Governo de 29 países participaram nesta quarta-feira (4) do segundo dia da cúpula de aniversário de 70 anos da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), em Watford, nos arredores …

Radar aéreo descobre um navio viking em uma fazenda

Um estudo do Instituto Norueguês de Pesquisa do Patrimônio Cultural (NIKU) descobriu um navio viking em uma fazenda usando radar aéreo. O achado foi uma surpresa e um golpe de sorte, uma vez que este local …

Casamentos entre pessoas do mesmo sexo saltam 61,7% no Brasil

O número de casamentos realizados entre pessoas do mesmo sexo em 2018 aumentou 61,7% em relação ao ano anterior, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (04/12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com …

Uber do entulho te ajuda a descartar resíduos corretamente

O lixo é definitivamente um problema contemporâneo de dimensões globais – e não só a qualidade, o material ou o destino desse lixo, mas também a forma de descarta-lo. Dos 387 quilos de resíduos que o …

Asteroide passará perto da Terra a 27.000 km/h na sexta-feira, alerta NASA

Um grande corpo celeste está se movendo na direção da Terra e chegará ao ponto mais próximo do nosso planeta nesta sexta-feira (6). De acordo com as estimativas da NASA, o asteroide 2019 WR3 mede entre …

Mensagem misteriosa pintada em urso polar na Rússia alarma pesquisadores

Imagens compartilhadas por perfis russos nas redes sociais com um urso polar pintado em spray com o símbolo "T-34" ter alarmado especialistas. Eles advertem que a pintura — cujas circunstâncias ainda não foram identificadas — pode …

Experimento deve provar que microgravidade inibe crescimento de tumores

De onde estiver, Stephen Hawking segue presente na ciência, e seus últimos conselhos devem render uma descoberta para lá de impressionante (e revolucionária). Em conversa com um pesquisador da Austrália, o gênio da física falou sobre …

Justiça absolve Lula e Dilma no caso "quadrilhão do PT"

Juiz que analisou caso afirma que denúncia apresentada por Rodrigo Janot contra cúpula do PT em 2017 foi tentativa de "criminalizar a atividade política". Ministério Público pediu absolvição dos réus em outubro. A Justiça Federal do …