Brasil caminha para ter 200 mil mortes pelo coronavírus até outubro, diz especialista

António Lacerda / EPA

Na semana em que o Brasil deverá registrar 100 mil mortes pelo novo coronavírus, um especialista brasileiro indica que o país caminha para dobrar esse número em dois meses, atingindo 200 mil óbitos pela pandemia até outubro.

Para o coordenador do Laboratório de Inteligência em Saúde da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, Domingos Alves, o nível de mortes do Brasil tende a seguir alto, caso nada mude nos próximos meses.

“Se as tendências atuais continuarem, devemos alcançar [200 mil mortes] em 15 ou 16 de outubro. Mas receio que possa ser ainda mais cedo, porque é provável que as curvas de infecção e fatalidade se acelerem nas próximas semanas. Se as coisas continuarem assim, teremos um alto nível de mortes diárias até que haja uma vacina”, declarou à Agência AFP.

O estatístico médico é um dos muitos críticos da política adotada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro, acusando-o de “sacrificar o povo brasileiro” em nome de manter a economia em funcionamento. O problema de gestão ainda é, segundo ele, o principal problema contra COVID-19.

“O governo federal continua a considerar isso uma ‘gripezinha’ e não existe uma política nacional de combate à COVID-19. Governadores e prefeitos começaram a seguir a mesma direção, principalmente porque as eleições locais estão chegando em novembro. Os locais começaram a sair do bloqueio em junho, mas isso foi cedo demais, dado o alto número de novas infecções”, avaliou.

O coordenador da USP explicou que as taxas de infecção estão acelerando no interior, ao mesmo tempo em que diminuem nas capitais, ao mesmo tempo em que a situação vem piorando em nos estados que ainda não foram duramente atingidos, como as regiões Sul e Centro-Oeste.

“O número de casos confirmados ainda é muito menor que o número real – de seis a sete vezes menor, de acordo com nossos cálculos. No início da pandemia, era até 16 vezes menor. Mas isso não significa que nós conseguimos ter tudo sob controle. Os testes aumentaram, mas o Brasil continua sendo um dos países que menos realiza testes em todo o mundo”, disse.

Alves destacou também que “autoridades estão tentando fazer as pessoas acreditarem que podemos simplesmente aumentar o número de leitos de terapia intensiva”, embora o número de casos e de mortes sigam batendo recordes no país.

“Seu único objetivo é ter uma taxa de ocupação aceitável [em UTIs]. Eles podem permitir a reabertura de empresas. O plano é sacrificar o povo brasileiro para alcançar uma pseudo-recuperação econômica”, criticou ele, lembrando ainda como o governo Bolsonaro ignorou uma série de medidas indicadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

“O Brasil rejeitou sistematicamente as medidas de bloqueio recomendadas pela OMS que trabalhou na Europa. Não há vontade política e a ciência ficou de lado em nosso país há muito tempo”, finalizou.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

'Síndrome de Havana': lesão cerebral atinge ao menos 130 diplomatas e oficiais americanos, dizem EUA

Diplomatas, agentes da CIA e oficiais de defesa dos EUA relataram sintomas graves da perturbação conhecida como "síndrome de Havana" nas últimas semanas. O elevado número de casos causa espanto. Nas últimas semanas, foram relatados mais …

RJ comunica 1º caso de raiva em cachorro em quase três décadas

Pela primeira vez desde 1995, o Laboratório Municipal de Saúde Pública (Lasp) do Rio de Janeiro diagnosticou um caso de raiva animal. A descoberta parte do resultado de perícia no corpo de um cão morto …

O que dizem cientistas sobre isenção de máscaras para vacinados nos EUA

Os Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira (13/05) o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção na maioria das situações para pessoas que já foram completamente vacinadas contra a covid-19. Segundo a nova orientação do …

Putin: Rússia reagirá de maneira devida às ameaças perto de suas fronteiras

Durante reunião com membros do Conselho de Segurança da Rússia nesta sexta-feira (14), o presidente da Rússia pediu que lhe fosse reportado sobre o agravamento do conflito israelo-palestino, que toca diretamente os interesses de segurança …

Covid: 16 mil pessoas foram imunizadas com doses de vacina trocadas no Brasil

Um levantamento de dados da Folha de São Paulo com informações do DataSUS, base de dados do Ministério da Saúde, mostrou que pelo menos 16 mil pessoas receberam doses de vacinas diferentes em seu processo …

Covid-19: diretor do Butantan prevê vacinação lenta até setembro no Brasil

Como diretor do Instituto Butantan desde 2017, Dimas Covas sempre precisou aliar o conhecimento técnico e científico com as particularidades do mundo político que, na visão dele, não parecem seguir uma lógica. E essa necessidade se …

Escalada de violência entre israelitas e palestinianos já fez mais de 100 mortos

O conflito entre israelitas e palestinianos subiu de tom na madrugada de hoje, com o Exército israelita a bombardear a faixa de Gaza. Desde segunda-feira já morreram 119 palestinianos nestes ataques, entre eles 31 …

Maduro diz estar disposto a negociar com oposição

Declaração é feita após líder oposicionista Juan Guaidó propor diálogo mediado por comunidade internacional. Noruega já estaria em contato com regime e oposição. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta quarta-feira (12/05) que está disposto …

CPI da Covid ouve Pfizer para entender como Brasil foi para o 'fim da fila' das vacinas

O depoimento do comando da farmacêutica Pfizer na sessão desta quinta-feira (13/5) da CPI da Covid tem o objetivo de esclarecer as circunstâncias da recusa do governo Bolsonaro à compra de vacinas da empresa, ainda …

Google é multado pela Itália em mais de € 100 milhões

A Autoridade Garantidora da Concorrência e do Mercado da Itália multou a Google por abuso de posição dominante no mercado, acusando-a de restrições do aplicativo Enel X no sistema Android Auto. A Autoridade Garantidora da Concorrência …