Brasileiros criam curativo à base de abacaxi que facilita cicatrização

A associação de uma proteína do abacaxi com celulose produzida por bactérias resultou em um curativo eficiente como anti-inflamatório cicatrizante de ferimentos, ulcerações e queimaduras, segundo trabalho de pesquisadores das universidades de Sorocaba (Uniso) e Unicamp, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Ele produziram um composto na forma de gel ou emplastro que tem como base a proteína do abacaxi, chamada de bromelina, e a celulose bacteriana – dois elementos que já vinham sendo estudados há tempos para aplicações nas áreas médica, farmacêutica e cosmética.

A bromelina tem a propriedade de quebrar moléculas de outras proteínas – o chamado debridamento celular – e, por isso, é usada até para amaciar carne.

“Essa mesma característica faz com ela remova as células mortas na ferida, limpando-a e acelerando sua cicatrização”, explica Janaína Artem Ataide, da Unicamp, autora principal do artigo publicado nos Scientific Reports em dezembro do ano passado, que mostra os resultados do trabalho conjunto.

A celulose é o biopolímero mais abundante da natureza, produzido principalmente por plantas. Mas também há alguns micro-organismos, como a bactéria Gluconacetobacter xylinus, capazes de sintetizá-la.

“Essa bactéria é uma biofábrica”, explica a pesquisadora Angela Faustino Jozala, do Laboratório de Microbiologia Industrial e Processos Fermentativos da Uniso, outra autora do artigo.

(dv)

“Ela produz a celulose como se tricotasse polímeros de glicose (açúcar). Como o produto é tecido em nanoestruturas (um nanômetro equivale a um milionésimo de milímetro ou um bilionésimo de metro) o chamamos de nanocelulose.”

Em termos mais técnicos, Jozala explica que a “celulose bacteriana é um polímero linear de glicose, altamente cristalino, sintetizado extracelularmente pela bactéria Gluconacetobacter xylinus na forma de nanofibras. Como ela é produzida livre de outros polímeros (como hemicelulose e lignina), pode ser considerada um material biocompatível”.

Por isso já vem sendo utilizada em diversas aplicações médicas, como, por exemplo, em enxertos e substitutos temporários de pele ou curativos no tratamento de lesões.

Unir esforços

As duas equipes conheciam o trabalho uma da outra e resolveram unir esforços para produzir o novo curativo. “Como a nanocelulose bacteriana já vem sendo aplicada como produto cicatrizante, nós tivemos a ideia de associar a ela uma proteína com propriedades anti-inflamatória e antimicrobiana”, conta Jozala.

“Escolhemos a bromelina porque já conhecíamos suas características e porque a indústria de alimentos, quando produz a polpa de abacaxi, joga a casca e o talo da fruta fora. É fonte barata de obtê-la. Aproveitamos que a equipe da Unicamp já a vinha extraindo desses resíduos para trabalhar em conjunto.”

A pesquisadora Priscila Gava Mazzola, da Unicamp, orientadora de Ataide e outra autora do artigo, diz que a extração da bromelina de resíduos de abacaxi diminui o impacto ambiental da industrialização da fruta e gera um produto de alto valor agregado. Além disso, ela destaca outro pontos importantes do trabalho.

“As biomembranas de nanocelulose são promissoras na entrega de princípios ativos“, diz. “Suas características interessantes para o desenvolvimento de um produto farmacêutico ou cosmético foram alinhadas com as da bromelina. O curativo final tem potencial uso para auxiliar os processos de cicatrização.”

Ataide, por sua vez, conta que há alguns anos a bromelina tem sido objeto de pesquisa na Unicamp. “Passamos da extração dessa biomolécula a partir de resíduos do abacaxi para o estudo de sua aplicação em produtos farmacêuticos e cosméticos para via tópica”, explica.

“Nesse cenário, surgiu a ideia de inseri-la na nanocelulose bacteriana, que se mostrou como o sistema mais promissor para sua veiculação. Hoje, temos pesquisado o aumento da estabilidade da proteína com o uso de nanopartículas de quitosana (substância encontrada no exoesqueleto de crustáceos, que tem propriedades cicatrizantes).”

Os primeiros testes em laboratório foram feitos para verificar se a bromelina criava de fato uma barreira antimicrobiana. “Ferimentos não cuidados são uma porta aberta para micro-organismos, o que pode levar a infecções graves”, diz Jozala.

“Por isso, necessitam de um bom curativo, que ajude na cicatrização e evite contaminação. Além disso, deve ser capaz ainda de propiciar atividade antioxidante, para diminuir o processo inflamatório de células mortas e pus.”

A proteína do abacaxi se mostrou capaz de preencher esses requisitos.

(dv)

Fase de testes

Para realizar os testes, as membranas de nanocelulose bacteriana foram mergulhadas por 24 horas em uma solução de bromelina. Os pesquisadores observaram que, 30 minutos após ela ser incorporada à celulose, houve maior liberação e aumento de nove vezes na atividade antimicrobiana da membrana.

“Ou seja, foi criada uma barreira seletiva, que potencializou a atividade proteica e outras ações importantes para a cicatrização, como o aumento de antioxidantes e da vascularização”, conta Jozala.

De acordo com ela, o novo curativo já passou da primeira fase de desenvolvimento de um medicamento, que é feito em laboratório, para verificar se tem o efeito desejado e não é tóxico.

Agora, virá a fase dois, que são os testes com animais. Os trabalhos estão sendo feitos no novo laboratório da Uniso. Além do curativo, as novas instalações servirão para testes, produção e purificação de biomoléculas de interesse em diversos segmentos industriais (biotecnológico, ambiental, alimentício, farmacêutico).

Ciberia // BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Governo quer conceder 16 mil km de rodovias à iniciativa privada

O governo federal pretende transferir 16 mil quilômetros (km) de rodovias para a iniciativa privada por meio de concessões, disse hoje (24) o ministro da infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. Em um encontro com empresários no …

Cientistas descobrem sinais de Parkinson no cérebro até 20 anos antes dos sintomas

Cientistas dizem ter identificado os primeiros sinais da doença de Parkinson no cérebro - encontrados de 15 a 20 anos antes dos sintomas aparecerem. Exames realizados em um pequeno número de pacientes considerados de alto risco …

Corredora de 103 anos bate recorde e ganha medalha de ouro

Chegar aos 103 anos é para poucos ainda mais quando se ganha uma corrida em primeiro lugar. Julia Hawkins, apelidada de “O Furacão”, ela ganhou nesta semana a medalha de ouro na categoria de “100 …

"Paris, capital anti-Bolsonaro", publica jornal Le Monde

O jornal Le Monde desta sexta-feira (21) publica uma matéria sobre a mobilização na França de associações, intelectuais e artistas contra o atual governo brasileiro. "Paris, capital anti-Bolsonaro" é a manchete do texto assinado pelo …

Cientistas trazem respostas sobre misteriosas aves gigantes de Nazca, no Peru

Aves representadas em formas de geoglifos foram identificadas com base em impressões gerais ou alguns traços morfológicos de cada figura. Os mistérios das linhas de Nazca finalmente podem ser resolvidos. Isso porque um estudo identificou …

Trump ordena ciberataques e novas sanções contra Irã

EUA praticaram ataques cibernéticos contra rede de espionagem e computadores que controlam lançamentos de mísseis iranianos, revela mídia americana. Pelo Twitter, Trump diz que vai impor novas sanções contra Teerã. Os Estados Unidos realizaram nesta semana …

Descoberta nova espécie de verme que tem olhos na cabeça e no traseiro

Uma nova espécie de verme que tem olhos na cabeça e também no traseiro foi descoberta no mar da Escócia. Os cientistas encontraram o animal durante uma pesquisa na Área Marinha Protegida de West Shetland …

Sonda Curiosity encontra gás que levanta possibilidade de vida em Marte

A sonda Curiosity, da NASA, encontrou grandes quantidades de metano no ar de Marte na quarta (19) e os cientistas que estão fazendo o acompanhamento da missão acreditam que isso levanta a possibilidade de haver …

As 'fazendas de cadáveres' onde corpos se decompõem ao ar livre

No meio de um gramado há alguns arbustos de aproximadamente um metro de altura. Eles são um pouco mais altos que os demais, porque o pedaço de terra em que crescem se alimenta de substâncias …

Thom Yorke lançará curta na Netflix junto de seu novo álbum, “Anima”

O disco Anima, próximo lançamento do eterno vocalista do Radiohead, Thom Yorke, será lançado no dia 27 de junho. Na mesma data, a Netflix receberá um curta-metragem que se amarra ao álbum, e ele será composto …