China enfurece coreanos por tentar usurpar prato nacional

O kimchi, mistura fermentada de repolho e temperos, supostamente representa a alma coreana. Assim, alegação de jornal estatal de que a variante chinesa seria a versão definitiva indignou os cidadãos mais patriotas.

Usuários das redes sociais e a loquaz imprensa de tabloides da Coreia do Sul reagiram com fúria à notícia de que a China teria obtido da Organização Internacional de Normalização (ISO, na sigla em inglês) o certificado para seu “pao cai” – um picles de vegetais da província de Sichuan – como a versão definitiva do “kimchi”, o picante acompanhamento fermentado, cuja fama é representar a alma do povo coreano.

Num artigo de tom provocador, o jornal estatal chinês Global Times noticiou que a ISO teria reconhecido o tempero chinês como padrão internacional para a indústria de kimchi, liderada pela China.

O Ministério sul-coreano de Agricultura apressou-se em desmentir as alegações chinesas, frisando que o kimchi não é apenas naba (couve-chinesa) fermentado, mas parte central da cultura culinária da nação, e que os padrões industriais para sua fabricação foram reconhecidos, já em 2001, pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

Além disso, a laboriosa e venerável tradição de fazer o kimchi foi definida pela Unesco como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade em 2013, prosseguiu o órgão. Designado “kimjang”, o processo inclui lavar e salgar os vegetais, temperá-los com alho, pimenta vermelha e peixe fermentado, para então deixar curtir a mistura sob a terra, em potes de argila.

O ministério frisou que os chineses só receberam certificação para sua variante, e “precisamos entender que pao cai é diferente de kimchi“.

Fúria nas redes

Essa reação moderada não bastou para alguns coreanos, contudo. O jornal Chosun Ilbo afirma que a ação seria parte da “mais recente tentativa de dominação do mundo” por parte de Pequim, e que o Global Times não passaria de um “trapo de propaganda”.

A fúria popular se expressou também nas redes sociais, com comentários especialmente acalorados na plataforma sul-coreana Naver. “É tão frustrante ver os chineses reivindicarem tanto assim do nosso legado“, dizia uma mensagem.

Segundo outra, “historicamente, a China é a nação que tem causado mais problemas para a Península Coreana”. E ainda outra, com mais humor: “Tenho certeza de que agora odeio a China mais do que odeio o Japão!”

Para um usuário do Twitter, os chineses deviam se envergonhar de “não conhecer a história do mundo”, enquanto outro conclamava a um boicote às viagens para a China e a todas as suas importações.

Orgulho culinário nacional

Falando à DW, Ahn Yinhay, professora da Universidade da Coreia, em Seul, e apaixonada produtora de kimchi todos os outonos, comentou: “Eu ri quando escutei que os chineses estavam alegando que o prato deles é a versão ‘definitiva’ do kimchi.”

“Entendo por que isso talvez deixe alguns zangados e os incite a apelar para as redes sociais, mas a verdade é que o kimchi é internacionalmente reconhecido há muitos anos. É realmente sinônimo de Coreia e da nossa cultura, e simplesmente alegar que ele é chinês não vai mudar isso.”

“A afirmativa é simplesmente absurda“, reforçou Ahn, cuja família come kimchi diariamente, às vezes como acompanhamento de todas as refeições. “As duas coisas são completamente diferentes, e o processo de criar os dois pratos é diferente. Não sei o que o jornal chinês estava pensando, mas talvez não devamos nos surpreender que seja uma publicação mantida pelo Estado.”

O alto preço do repolho

De odor pungente e picante e demais para muitos estrangeiros, o kimchi é parte indispensável da dieta coreana, com mais de 2 milhões de toneladas consumidos a cada ano. Incorporado com frequência a cozidos e sopas, ele é igualmente servido como acompanhamento e tem cerca de 200 variedades. Mais de 90% dos coreanos afirmam que comem os vegetais fermentados pelo menos uma vez ao dia, e 60% o consomem no desjejum, almoço e jantar.

Tão maior foi a consternação quando em 2020 uma série de tufões e a mais úmida e mais longa temporada de chuvas já registrada na Península Coreana devastou as plantações do país.

Em consequência, no outono a couve-chinesa ou naba, principal ingrediente do kimchi, tornou-se artigo difícil de ser encontrado, e seus preços saltaram 40% em relação ao ano anterior. Outros vegetais incluídos na especialidade, como pimentas, cebolas e nabos, igualmente encareceram até 70%.

O governo sul-coreano foi forçado a liberar milhares de toneladas de couve-chinesa dos armazéns nacionais, a fim de manter os preços acessíveis às famílias já prejudicadas pela pandemia de covid-19.

Um pouco de malícia

Segundo David Tizzard, professor de educação na Universidade Feminina de Seul, a alegação da China sobre a prato nacional chega “no pior momento possível”, em que diversas questões bilaterais já comprometem as relações entre Seul e Pequim.

Acho que foi um pouco de malícia por parte do Global Times, mas também há muita rivalidade na região, no momento. Então não acho totalmente surpreendente alguns cidadãos terem ficado ofendidos.”

Por outro lado, contemporizou: “Mas acho que, se você perguntar à vasta maioria dos sul-coreanos, eles vão responder com um olhar vazio. Isso é besteira. Eles sabem, e não precisam que ninguém lhes diga que kimchi é comida coreana: ele simplesmente é.”

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …