China tenta se livrar da dependência americana com criação de seu próprio sistema de GPS

A China finalizou nesta terça-feira (23), com o lançamento de um satélite, uma etapa essencial para a criação de seu próprio sistema de navegação. O objetivo é se livrar da dependência tecnológica dos Estados Unidos, que monopolizam o setor com o seu GPS.

O lançamento do foguete carregando o satélite de terceira geração Beidou-3 foi a 30ª e última etapa da operação chinesa. O aparelho foi enviado ao espaço pela manhã do centro de espacial de Xichang, no sudeste do país. O evento deveria ter ocorrido na semana passada, mais teve que ser adiado por causa de um “problema técnico”, que não foi revelado.

O sistema de navegação foi batizado de Beidou em homenagem ao nome da constelação “Ursa Maior” em mandarim. Ele vai coabitar no espaço com o GPS, que pertence ao governo americano e é operado pelas Forças Aéreas dos Estados Unidos, o Galileo, criado pela União Europeia, e o russo Glonass.

Como seus concorrentes, o dispositivo chinês terá múltiplas funções. Além de ajudar a guiar pedestres, automóveis, barcos e equipes de socorro em caso de catástrofes naturais, o Beidou servirá como um serviço de posicionamento para a indústria do minério e a agricultura. No entanto, o sistema também tem um objetivo estratégico, pois ele pode ser usado pelo exército dos países que o controlam para efetuar a localização e guiar misseis de alta precisão em caso de testes ou conflitos.

Pequim constrói o “GSP chinês” desde 1990

Não é de hoje que a China tenta lançar seu próprio sistema de navegação. O primeiro satélite visando criar um “GPS chinês” havia sido enviado ao espaço por Pequim em 2000 e desde a década de 1990 mais de 100 mil cientistas, engenheiros e técnicos participam da concepção do projeto.

Atualmente, a China já usa o Beidou para orientar seus taxis, ônibus, carros particulares e smartphones. Países como Paquistão, Tailândia, Laos ou ainda Brunei utilizam o sistema chinês como sua ferramenta oficial de navegação.

Beidou mais preciso que GPS

Segundo Carter Palmer, do escritório americano Forecast International, “o Beidou tem mais precisão que o GPS”. De acordo com dados oficiais divulgados nesta terça-feira, a margem de erro do sistema chinês no nível mundial é de apenas 10 metros na versão civil.

“Mas não acredito que o Beidou poderá substituir o GPS. O que deve acontecer é que os utilizadores vão poder usar vários sistemas ao mesmo tempo para obter uma navegação via satélite mais precisa”, explica o especialista. Esse já é, aliás, o caso de muitos smartphones Android.

No entanto, com o Beidou-3 o exército chinês diminui sua dependência do sistema norte-americano, o principal nome no setor. Ao desenvolver seu próprio projeto, Pequim se protege em caso de uma ruptura de sinal GPS decidida por Washington em um possível conflito entre as duas potências.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …

Explosões deixam vários mortos em mesquita no Afeganistão

Ao menos 33 pessoas morrem após explosões em mesquita xiita durante a oração de sexta-feira. Testemunha diz ter visto homens-bomba. Incidente ocorre dias depois de ataque do "Estado Islâmico" contra xiitas no país. Fortes explosões atingiram …