Cientistas encontram potencial marcador para a esquizofrenia

Pesquisadores do Centro de Ciência do Cérebro RIKEN, no Japão, descobriram que a esquizofrenia pode estar relacionada a níveis anormalmente altos de sulfeto de hidrogênio no cérebro. Isso significa que a doença, da qual se sabe muito pouca coisa, pode ser identificada através de um único fio de cabelo.

Experimentos mostraram que essa anormalidade provavelmente resulta de uma reação que modifica o DNA durante o nosso desenvolvimento. Além de oferecer uma nova direção para tratamentos da esquizofrenia, a descoberta mostra que os níveis acima do normal da enzima produtora de sulfeto de hidrogênio podem atuar como biomarcadores para esse tipo de esquizofrenia, facilitando muito o diagnóstico da doença.

Diagnosticar distúrbios como a esquizofrenia é mais fácil quando um marcador confiável e objetivo pode ser encontrado.

Um dos biomarcadores comportamentais mais consistentemente utilizados para diagnosticar pacientes com esquizofrenia é chamado inibição do pré-pulso (IBP). Pessoas com esquizofrenia possuem esse marcador em níveis muito baixos. Isso faz com que elas não respondam corretamente a informações sensoriais nos momentos em que tomam um susto.

Normalmente, não nos assustamos tanto com um barulho alto se um barulho menor – chamado de pré-pulso – ocorre um pouco antes. Esse fenômeno é chamado inibição do pré-pulso porque o pulso inicial inibe a resposta de sobressalto.

A nova pesquisa começou examinando o cérebro de camundongos com IBP extremamente baixo. O teste IBP é um bom marcador comportamental e, embora não possa nos ajudar diretamente a entender a biologia por trás da esquizofrenia, foi o ponto de partida que levou às descobertas atuais.

Os pesquisadores do RIKEN começaram a procurar diferenças na expressão protéica entre as cepas de camundongos que exibem um IBP extremamente baixo ou extremamente alto. Por fim, eles descobriram que a enzima Mpst era expressa muito mais no cérebro da cepa de camundongo com baixo IBP do que na cepa com alto IBP. Sabendo que essa enzima ajuda a produzir sulfeto de hidrogênio, a equipe mediu os níveis de sulfeto de hidrogênio e descobriu que eles eram mais altos nos camundongos com baixo IBP.

“Ninguém nunca pensou em uma ligação causal entre sulfeto de hidrogênio e esquizofrenia. Depois que descobrimos isso, tivemos que descobrir como isso acontece e se essas descobertas em ratos seriam verdadeiras para as pessoas com esquizofrenia”, explica o líder da equipe, Takeo Toshikawa, em comunicado à imprensa publicado no site MedicalXpress.

Depois dos testes em camundongos, que mostraram que a diminuição de MPST deixava os animais mais “normais”, os pesquisadores descobriram que a expressão do gene MPST era, de fato, maior no cérebro pós-morte de pessoas com esquizofrenia do que naquelas de pessoas não afetadas. Os níveis de proteína MPST nesses cérebros também se correlacionaram bem com a gravidade dos sintomas antes da morte.

A equipe tinha, então, informações suficientes para considerar a expressão do MPST como um biomarcador confiável da esquizofrenia. Eles examinaram os folículos capilares de mais de 150 pessoas com esquizofrenia e descobriram que a expressão do mRNA do MPST era muito maior do que as pessoas sem esquizofrenia.

Embora os resultados não tenham sido perfeitos – o estresse relacionado ao sulfeto não é responsável por todos os casos de esquizofrenia – os níveis de MPST no cabelo podem ser um bom biomarcador para a esquizofrenia antes que outros sintomas apareçam.

O desenvolvimento de esquizofrenia está relacionado tanto à genética quanto ao meio ambiente. Os testes em camundongos e cérebros humanos após a morte indicaram que altos níveis de MPST estavam associados a alterações no DNA que levam à expressão gênica permanentemente alterada. Portanto, o próximo passo dos pesquisadores era procurar por fatores ambientais que poderiam resultar em aumento permanente da produção de MPST.

Como o sulfeto de hidrogênio pode proteger contra o estresse inflamatório, o grupo levantou a hipótese de que o estresse inflamatório durante o desenvolvimento inicial pode ser a causa. “Descobrimos que marcadores anti-oxidativos – incluindo a produção de sulfeto de hidrogênio – que compensam o estresse oxidativo e a neuroinflamação durante o desenvolvimento do cérebro estavam correlacionados com os níveis de MPST no cérebro de pessoas com esquizofrenia”, diz Yoshikawa.

Ele propõe que, uma vez iniciada a produção excessiva de sulfeto de hidrogênio, ela persiste por toda a vida devido a alterações epigenéticas permanentes no DNA, levando à esquizofrenia induzida pelo “estresse do sulfeto”.

Os tratamentos atuais para a esquizofrenia concentram-se no sistema dopamina e serotonina no cérebro. Como esses medicamentos não são muito eficazes e têm efeitos colaterais, Yoshikawa diz que as empresas farmacêuticas abandonaram o desenvolvimento de novos medicamentos.

“Um novo paradigma é necessário para o desenvolvimento de novos medicamentos. Atualmente, cerca de 30% dos pacientes com esquizofrenia são resistentes à terapia antagonista do receptor D2 da dopamina. Nossos resultados fornecem um novo princípio ou paradigma para o desenvolvimento de medicamentos, e atualmente estamos testando se a inibição da síntese de sulfeto de hidrogênio pode aliviar os sintomas nos modelos de camundongos de esquizofrenia”, propõe o pesquisador.

Novas descobertas na ciência médica são fundamentais para o avanço de tratamentos para doença graves que afetam a qualidade de vida de uma grande parcela da população. Só no Brasil, a esquizofrenia atinge cerca de dois milhões de pessoas.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Sucesso nas apostas depende do apostador

Se você quer ter lucro nas apostas, precisa fundamentalmente de duas coisas: ter vantagem em relação à casa de apostas e um método de apostas bem rigoroso. Falamos disso porque muitos dos apostadores deixam dinheiro às …

Bezos doará US$ 10 bilhões para combater mudanças climáticas

Dono da Amazon anuncia fundo para financiar pesquisas voltadas a reduzir impactos do aquecimento global. Empresa tem enorme pegada de carbono por uso de combustíveis fósseis no transporte de produtos. O multimilionário americano Jeff Bezos afimou …

Jogador alvo de racismo toma atitude que todo mundo deveria ter e abandona gramado

Na última rodada da Liga Portuguesa, o Porto venceu fora de casa Vitória de Guimarães por 2 a 1. O gol que definiu a partida foi do malinês Marega. O ponta de lança recebeu um …

Ministra da Saúde de Macron vai disputar prefeitura de Paris em batalha de mulheres

O partido presidencial francês e seus aliados centristas encontraram neste domingo (16) na ministra da Saúde, Agnès Buzyn, 58, a sucessora ideal para Benjamin Griveaux. O candidato de Emmanuel Macron ao cargo de prefeito de …

Organização vende suposto DNA de Donald Trump e outros líderes globais

Nesta sexta-feira, uma organização chamada Earnest Project passou a oferecer a chance de possuir amostras de DNA de alguns líderes mundiais e outras celebridades. O grupo alega que coletou clandestinamente itens descartados pelos participantes do Fórum …

Tribunal alemão suspende derrubada de floresta para fábrica da Tesla

Justiça ordena que gigante americana interrompa corte de árvores nos arredores de Berlim enquanto analisa pedido de associação ambiental. Empresa de Elon Musk planeja construir ali sua primeira "gigafábrica" da Europa. Um tribunal na Alemanha determinou …

Satélites podem facilmente ser manipulados por hackers, alerta pesquisador

Talvez você já esteja por dentro da confusão toda em relação aos problemas que os satélites Starlink, da SpaceX, estão causando na comunidade astronômica. Os relativamente poucos satélites lançados (cerca de 240, como parte de um …

Na Índia, campanha faz semáforo voltar ao vermelho se os motoristas buzinarem demais

Se a Índia é um país famoso por sua religiosidade, sua culinária, suas belezas naturais e, sendo o segundo país mais populoso, por ser a maior democracia por eleitorado do mundo, ela também carrega a …

Secularismo e tolerância a minorias predizem a prosperidade de um país

Pesquisadores da Universidade de Bristol e Universidade do Tennesse analisaram dados de quase 500 mil pessoas de 109 países e concluíram que mudanças na cultura geralmente vêm antes da melhora na riqueza, educação e democracia. Os …

Estudo: declínio de abelhas se aproxima da extinção em massa

De acordo com um novo estudo liderado por cientistas da Universidade de Ottawa (Canadá), a probabilidade de uma população de abelhas sobreviver em qualquer lugar diminuiu 30% no curso de uma geração humana. Os pesquisadores sugerem …