Cientistas tentam criar ‘microssol’ na Terra para fornecer energia limpa e ilimitada

Ken Fila / MIT

A Sparc planeja ser o primeiro experimento nuclear que produz mais energia do que consome

Produzir energia de fusão nuclear é uma das grandes promessas da engenharia, tanto que, em tom de piada, dizem que ela é a energia do futuro… e sempre será.

Mas um grupo de pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, e da empresa Commonwealth Fusion Systems está apostando em acabar com a piada e realizar a promessa: eles estão construindo uma usina nuclear que poderia produzir energia limpa e praticamente ilimitada.

Seu objetivo é ter, em 15 anos, uma usina que funcione como um microssol, que produza um calor capaz de gerar 200 megawatts continuamente e sem produzir poluição. Essa quantidade de energia é capaz de abastecer uma cidade pequena, de cerca de 200 mil habitantes.

“Se tivermos sucesso, seria a primeira vez que isso aconteceria”, diz Martin Greenwald, um dos líderes do Centro de Ciência e Fusão de Plasma do MIT, que está desenvolvendo este projeto, batizado de Sparc.

O experimento Sparc é baseado na fusão nuclear, um processo no qual elementos leves, como o hidrogênio, se juntam para formar elementos mais pesados, como o hélio, que libera imensas quantidades de energia.

De fato, a fusão nuclear é o mesmo processo gerador de energia que ocorre no sol e nas estrelas. Para alcançar esse processo, a matéria deve ser aquecida a temperaturas muito altas, que superam as centenas de milhões de graus. A matéria nesse estado tão quente é chamada plasma.

Mas a fusão nuclear é alcançada apenas se o plasma permanecer aquecido. Para fazer isso, é necessário isolá-lo da matéria comum, com reatores em forma de anéis chamados tokamak, que criam um campo magnético que mantém o plasma “enjaulado”.

O sucesso de um tokamak depende da qualidade de seus ímãs. Quanto mais potentes e de melhor qualidade eles forem, melhor o isolamento térmico que proporcionam para o plasma. É como um casaco: quanto mais robusto e de melhor qualidade for o tecido, mais ele manterá o corpo protegido do frio.

O problema é que o tokamak que existe hoje consome mais energia do que consegue produzir por meio da fusão. Ou seja, eles funcionam, mas não seriam lucrativos para serem usados fora de um laboratório.

(dr) Max-Planck Institut für Plasmaphysik

Esquema do reator de fusão nuclear Wendelstein 7-X Stellarator, com a tradicional forma em donut de um tokamak

A esperança de Sparc é que seu tokamak tenha ímãs mais poderosos, de melhor qualidade, menores e mais rápidos, com os quais ele consiga otimizar o processo de fusão. Com esses ímãs, ele espera produzir um campo magnético quatro vezes mais forte do que qualquer outro que tenha sido usado em um experimento de fusão.

O objetivo é aumentar em dez vezes a potência gerada por um tokamak. Se der certo, será a primeira vez que um dispositivo de fusão de plasma produz mais energia do que consome.

Energia segura, limpa e ilimitada

Quando nos falam sobre usinas nucleares, é comum lembrarem de catástrofes como Chernobyl, em 1986, ou Fukushima, em 2011.

Este é um processo completamente diferente“, diz Greenwald. A energia nuclear comum usa átomos muito pesados, como o urânio ou o plutônio, que quebram e liberam energia, em um processo chamado de fissão, semelhante ao usado para construir armas nucleares.

A fusão é o processo oposto, no qual elementos leves, como o hidrogênio, se unem e produzem hélio. Segundo Greenwald, em um experimento como a Sparc, não há a possibilidade de gerar uma reação em cadeia como a que ocorreu em Fukushima. “Na Sparc, se você quiser parar a reação, basta fechar a válvula“, diz ele.

Os elementos com os quais a Sparc trabalhará são principalmente hidrogênio, que, segundo os pesquisadores do MIT, “há suficiente na Terra para atender às necessidades humanas por milhões de anos”, com o qual uma máquina de fusão nuclear tem potencial de gerar energia praticamente ilimitada.

Além disso, como a fusão não é produzida a partir de combustíveis fósseis, ela não gera gases de efeito estufa ou outros poluentes como dióxido de enxofre ou partículas como a fuligem.

Bryce Vickmark / MIT

Martin Greenwald acredita que em 15 anos será possível criar energia nuclear de forma sustentável

Mas em meio ao entusiasmo, há vozes céticas.

“Este financiamento para o MIT neste projeto é excelente, mas não há forma de conseguir que o setor privado assuma o controle de todo o programa de fusão”, disse à revista Nature Stewart Prager, ex-diretor do Laboratório de Física de Plasma de Princeton, em Nova Jersey.

“É um cronograma agressivo, mas achamos é possível”, diz Greenwald.

// BBC

DEIXE UMA RESPOSTA:

Os Humanos não nasceram na Terra, diz cientista

Há muitos cientistas que compartilham a teoria da panspermia, segundo a qual a vida no nosso planeta foi trazida por meteoritos, asteroides e outros corpos celestes. O pesquisador da raça humana Ellis Silver afirma que nossa origem …

48 políticos investigados na Lava Jato perderão foro privilegiado se não se reelegerem

Quarenta e oito políticos com foro privilegiado que estão sendo investigados ou foram denunciados na operação Lava Jato correm o risco de ter seus casos enviados à primeira instância caso não consigam se reeleger em …

Droga que recupera movimentos é testada em humanos no Rio

Pesquisadores brasileiros começam a selecionar pacientes para testar uma droga que seria capaz de recuperar movimentos, ou seja, regenerar nervos danificados em pessoas paralisadas. A ideia é aplicar a polilaminina em pacientes com lesões na medula …

Tribunal reacende polêmica da selfie do macaco Naruto

A 9ª Corte de Apelação, dos Estados Unidos, acaba de reacender a polêmica do processo da selfie do macaco Naruto. O órgão garante que ainda julgará uma decisão final sobre o assunto, mesmo que já tenha …

Monte de Saint-Michel é evacuado devido a alerta de segurança

O histórico Monte de Saint-Michel, no litoral oeste da França, foi evacuado neste domingo pela Gendarmaria, informou a imprensa local que apontar para a presença de um indivíduo com atitude ameaçante. O jornal regional "Ouest-France" afirmou …

Cientistas criam vidro que converte energia solar em eletricidade

Cientistas da Universidade de Berkeley, na Califórnia, criaram um painel de vidro fotovoltaico, capaz de absorver a luz solar, transformando-a em energia elétrica, que poderá substituir os tradicionais painéis solares. Uma equipe de cientistas que trabalha …

Ingressos para 1° filme em cinema na Arábia Saudita esgotam em 1 minuto

Os ingressos colocados à venda para a primeira projeção pública de um filme na Arábia Saudita desde os anos 80 esgotaram "em menos de um minuto", e além disso, somente 300 sortudos puderam estar presentes …

Países comemoram suspensão de testes nucleares pela Coreia do Norte

A Coreia do Sul, a China, os EUA e o Reino Unido foram algumas das potências mundiais que celebraram a decisão da Coreia do Norte de fechar seu centro de testes nucleares. A suspensão dos testes …

NASA começará a construir estação espacial lunar já no ano que vem

Na última quinta-feira (19), um porta-voz da NASA anunciou que a agência espacial já está entrando em contato com empresas parceiras para construir uma nave que será chamada de Lunar Orbital Platform-Gateway. Essa nave se tornará …

Segredo que alimenta o inferno explosivo de Yellowstone é desvendado

Simulações em supercomputadores ofereceram uma nova explicação para a geologia subjacente às atividades sísmicas recentes dos corpos de magma do Parque Yellowstone, nos Estados Unidos. O supervulcão de Yellowstone é o mais bonito barril de pólvora …