“Cinco anos depois, a tragédia continua”, dizem atingidos por desastre de Mariana

Corpo de Bombeiros / MG

Reassentamentos de desabrigados por onda de rejeitos de mineradoras na maior tragédia socioambiental da história do Brasil ainda não foram concluídos, e andamento da restauração ambiental é questionada por autoridades.

Depois de uma longa pausa provocada pela pandemia do novo coronavírus, um grupo de ex-moradores do antigo distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, visita o que deve se tornar seu novo lar. A localidade foi a mais atingida pelos rejeitos da barragem de Fundão, das mineradoras Samarco, Vale e BHP, que rompeu em 5 de novembro de 2015 e iniciou a maior tragédia socioambiental da história do país.

É uma manhã chuvosa de sábado, às vésperas do quinto aniversário do desastre. A comissão de atingidos, representada por cinco membros nesta vistoria, é recebida por uma equipe da Fundação Renova, constituída pelas mineradoras para reparar os estragos provocados. A equipe da DW Brasil pediu com antecedência permissão, mas não foi autorizada a acompanhar os futuros moradores durante a visita às obras.

Na portaria do reassentamento em construção, José do Nascimento de Jesus, da comissão, reclama da demora. “A Renova foi criada pra sanar todos os danos do rompimento da barragem e até hoje ela não sanou nada. Sabe o que é nada? Nada”, declara à reportagem.

Das 235 casas previstas, apenas duas estão prontas. Da portaria, é possível avistar as estruturas da futura escola e da unidade de saúde. “Isso é um absurdo. Você vê que o andamento é uma lentidão que não tem tamanho”, critica Jesus.

Aos 75 anos, seu Zezinho, como é conhecido, diz que muitos moradores do antigo distrito na idade dele não têm mais expectativa de morar no novo Bento Rodrigues. “O que aconteceu o mundo inteiro já sabe. É um crime escandaloso da Vale, Samarco e BHP. E hoje é essa burocracia que você tem. Isso aqui pra nós já era pra estar adiantado. Eles não estão pensando nos atingidos”, diz.

Enquanto isso, a Samarco se prepara para voltar às atividades em Mariana no fim do ano. A Vale, que detém parte da mineradora, informou uma semana antes de o desastre completar cinco anos o lucro líquido obtido pela empresa apenas no terceiro trimestre: R$ 15,615 bilhões.

Sem casa e sem perspectiva

O colapso da barragem de Fundão despejou 60 milhões de metros cúbicos de rejeitos no ambiente. Da mineradora, a lama escorreu pelo rio Gualaxo do Norte, até chegar ao Carmo, desaguar no Doce e encontrar o mar, no Espírito Santo.

A onda de lama matou 19 pessoas e deixou mais de 300 famílias desabrigadas por onde passou, nos distritos de Bento Rodrigues e Paracatu, em Mariana; distrito de Gesteira, em Barra Longa, e o centro dessa cidade. Desde então, essas pessoas moram em casas alugadas pela Fundação Renova e aguardam a reforma de suas moradias ou a construção de reassentamentos.

A lista dos que sofrem os impactos na bacia do rio Doce é longa e inclui muitos trabalhadores informais. Segundo a Renova, 321 mil pessoas receberam indenizações e auxílios financeiros até agosto.

Os números, no entanto, são vistos com desconfiança por promotores e defensores públicos que atuam no caso. “É um malabarismo estatístico”, afirma Rafael Portella, defensor no Espirito Santo, à DW Brasil.

“Essa projeção não condiz com a realidade. Quando estamos falando de indenização, do pescador, agricultor, comerciante, inúmeras categorias atingidas ao longo do rio Doce e litoral, estamos falando de 10 mil famílias, ou seja, 35 mil pessoas na média. É muito discrepante com esses 321 mil que a Renova apresenta”, alega.

O correto, segundo Portella, seria dividir o número de pessoas que receberam por tipo de dano (falta de água, moral, por exemplo), por município e estado. “Eu mesmo tenho dificuldade de ter acesso aos números do Espírito Santo”, complementa.

Ainda segundo o defensor, de 100 mil a 150 mil pessoas aguardam para entrar no cadastro da Renova como atingido, ou uma resposta a esse pedido.

“Nenhum grupo de atingidos foi integralmente indenizado. Meio ambiente também não foi recuperado. Nem sequer Bento Rodrigues foi reconstruído”, critica a procuradora federal Silmara Goulart, coordenadora da Força-Tarefa Rio Doce, que reúne instituições de Justiça que investigam o caso.

Poluição ambiental e riscos à saúde

Para Andressa Lanchotti, coordenadora do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa do Meio Ambiente em Minas Gerais, falta transparência nos indicadores apresentados. “A gente não tem, por mais que tenha sido cobrado da Renova, transparência para falar quantos por cento houve de recuperação ambiental real”, diz.

A Fundação Renova afirma que, cinco anos depois, a qualidade da água no rio Doce voltou aos patamares pré-rompimento e que pode ser consumida, desde que tratada. Um estudo de dezembro de 2019, contestado pelos atingidos e fontes ouvidas pela DW Brasil, afirma que “não há metais, decorrentes do rompimento da barragem de Fundão, que representem risco toxicológico à saúde humana”. O resultado desse estudo e sua metodologia foram questionados na Justiça.

A ausência de estudo confiável sobre os riscos à saúde humana e ecológica é vista como ponto crítico. “A gente precisa desse estudo pra ter uma decisão definitiva sobre manutenção ou não do rejeito. Várias áreas, principalmente propriedades rurais, foram recuperadas mantendo-se o rejeito no local”, comenta Lanchotti sobre o perigo ainda desconhecido.

No Espírito Santo, a Rede Rio Doce Mar, formada para monitorar os impactos da tragédia no ambiente aquático e coordenada pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), foi surpreendida com a suspensão abrupta do contrato pela Renova.

O caso foi levado à Justiça, e um juiz concedeu uma liminar obrigando a fundação a manter o contrato com a Rede por mais 120 dias. Questionada, a Fundação Renova disse que avalia a decisão.

O trabalho de monitoramento, que começou três anos depois do rompimento e conta com 350 pesquisadores, mostrou em seu primeiro relatório, em 2019, que os rejeitos da mineração afetam a biodiversidade.

“Existem várias evidências de presença de rejeito na foz do Doce, de recontaminação de metais (ferro, alumínio, manganês, cromo) na água e no sedimento. Quando há cheia do rio ou entrada de frentes frias, esses valores ficam bem elevados”, detalha Alex Bastos, coordenador da Rede Rio Doce Mar. “Isso afeta a toxicidade do pescado”, pontua.

No mar, a pluma de rejeitos atingiu regiões ao norte do rio, até o fim do litoral capixaba. No sul da Bahia, os resultados foram inconclusivos. “O que compensa o que está acontecendo é o monitoramento para o gestor público criar uma maneira de identificar momentos em que, por exemplo, tenha que proibir a pesca, ou em que a balneabilidade pode estar mais prejudicada”, diz sobre a importância do trabalho.

O problema, na visão de Lanchotti, está no fato de o comando da Renova ser das empresas poluidoras. “Elas acabam se escondendo por trás da fundação para não assumirem as responsabilidades e levar a negociação de forma que seria melhor pra elas”, analisa.

// DW

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …