Colisão com planeta duas vezes maior que a Terra deixou Urano de lado

Jacob Kegerreis/Durham University

Astrônomos usaram uma simulação de alta-resolução para confirmar que um objeto duas vezes maior que a Terra colidiu com Urano e alterou sua inclinação

Urano intriga os cientistas há muito tempo. O distante planeta sempre foi diferente de seus companheiros de Sistema Solar. Agora, um novo estudo pode explicar todas as excentricidades do gigante gelado.

Segundo o artigo, Urano é tão estranho por causa de uma enorme colisão de bilhões de anos atrás com um objeto enorme, com aproximadamente duas vezes o tamanho da Terra. Essa colisão pode ter levado à extrema inclinação do planeta e a outros atributos bizarros observados hoje em dia.

“Todos os planetas do sistema solar estão girando mais ou menos da mesma forma, mas Urano está completamente de lado”, explica Jacob Kegerreis, pesquisador do Instituto de Cosmologia Computacional da Universidade de Durham, no Reino Unido, e principal autor do estudo publicado a semana passada no The Astrophysical Journal.

Além dessa inclinação inexplicável, Urano também tem um campo magnético “muito, muito estranho” e é extremamente frio, embora devesse ser mais quente, segundo Jacob Kegerreis.

Em seu estudo, Kegerreis e sua equipe de astrônomos procuram explicar muitas das características estranhas do planeta, atribuindo-as a uma colisão com um objeto maciço e gelado há cerca de 4 bilhões de anos.

Segundo um comunicado à imprensa da Universidade de Durham, a equipe realizou simulações de alta resolução pela primeira vez de diferentes colisões maciças com o gigante do gelo para tentar descobrir como o planeta evoluiu.

A pesquisa confirma um estudo anterior que já afirmava que a posição inclinada de Urano era causada por uma colisão com um objeto massivo – provavelmente um jovem proto-planeta feito de rocha e gelo – durante a formação do sistema solar, há cerca de 4 bilhões de anos.

A colisão não explica apenas a inclinação de Urano. As simulações também sugeriram que detritos do impacto podem ter formado uma fina camada perto da borda da camada de gelo do planeta, prendendo o calor que emana do núcleo de Urano.

O aprisionamento desse calor interno poderia em parte ajudar a explicar a temperatura extremamente fria de Urano na atmosfera externa do planeta, cerca de -216 graus Celsius. Esta colisão é “praticamente o único caminho” que pode explicar a inclinação do planeta, afirma Kegerreis.

“Rodamos mais de 50 cenários de impacto diferentes usando um super computador de alta potência para ver se poderíamos recriar as condições que moldaram a evolução do planeta”, acrescenta.

“Nossas descobertas confirmam que o resultado mais provável foi que o jovem Urano esteve envolvido em uma colisão cataclísmica com um objeto duas vezes maior que a massa da Terra, se não maior, colocando-o de lado e definindo os eventos que ajudaram a criar o planeta que vemos hoje”, explica Kegerreis.

De raspão

Urano reteve sua atmosfera após este impacto, o que é curioso. Os pesquisadores acreditam que isso aconteceu porque o objeto apenas roçou o planeta, atingindo-o com força suficiente para mudar sua inclinação, mas não o suficiente para afetar sua atmosfera.

É provável que esse tipo de evento não seja incomum no universo: “Todas as evidências apontam para impactos gigantescos sendo frequentes durante a formação de planetas, e com esse tipo de pesquisa, estamos agora obtendo mais informações sobre seus efeitos em exoplanetas potencialmente habitáveis”, afirma Luis Teodoro, coautor do estudo e pesquisador do Centro de Pesquisa Ames da BAER / NASA.

De acordo com Kegerreis, essa colisão também poderia explicar duas outras esquisitices sobre o planeta inclinado. Primeiro, poderia explicar como e por que algumas das luas de Urano se formaram.

Os pesquisadores acreditam que o impacto poderia ter derrubado rochas e gelo na órbita do jovem planeta – detritos que depois se tornaram parte das 27 luas de Urano. Além disso, eles acham que a colisão poderia ter alterado a rotação de quaisquer luas que já existissem na época.

No ano passado, um outro estudo também explorou esse aspecto da colisão. Os pesquisadores também sugerem que a colisão poderia ter criado gelo derretido e pedaços de rocha dentro do planeta, que inclinaram seu campo magnético.

Os pesquisadores agora querem fazer simulações com resolução ainda maior para entender melhor a evolução de Urano. A equipe também pretende estudar a química de Urano e as diferentes maneiras que um impacto como este poderia ter afetado sua atmosfera.

Urano é semelhante ao tipo mais comum de exoplanetas encontrados fora do nosso sistema solar, e os pesquisadores esperam que suas descobertas ajudem a explicar como esses planetas evoluíram e a entender melhor sua composição química.

Ciberia // HypeScience / Space.com

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Mais uma vez os Simpsons previram tudo que está acontecendo nos EUA agora

Os roteiristas de “Os Simpsons ” ficaram conhecidos por prever diversos acontecimentos mundiais, da eleição de Donald Trump ao final de Game of Thrones. Parece que a bola de cristal da animação voltou a funcionar …

Brasil ultrapassa 30 mil mortes por covid-19

Em novo recorde, país registra 1.262 óbitos em um dia, elevando total para 31.199. Casos confirmados em 24 horas passam de 28 mil, chegando a 555.383. Apenas Reino Unido, Itália e EUA contabilizam mais de …

Suécia vai abrir “CPI da Covid-19” para saber se governo fez bem ao não isolar a população

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a Suécia tem ido na contramão de seus vizinhos. O país escandinavo preferiu manter um ritmo quase normal em suas atividades e não impôs o confinamento …

Uber testa modalidade que permite ao usuário reservar carro por hora

Na tentativa de achar novas fontes de receita para seu negócio de corridas compartilhadas, seriamente afetado pela COVID-19, a Uber está testando uma nova modalidade, focada nos passageiros que precisam fazer viagens mais longas e …

Revelada razão de comportamento instável de estrelas perto dos centros galácticos

Estrelas de ramo horizontal extremo são mais brilhantes e têm um ciclo de vida inferior ao das estrelas comuns, de acordo com um novo estudo. Os astrônomos estudaram o comportamento de um tipo especial de estrelas, …

Trump ameaça acionar Forças Armadas para conter protestos

No 7.º dia de manifestações antirracismo, Presidente dos EUA critica inação de governadores e promete enviar milhares de soldados para pôr fim a distúrbios. Visita de Trump a igreja é criticada como tentativa de autopromoção. O …

Não é apenas o coronavírus: surto de ebola retorna ao Congo

Foi confirmada, pelo ministro da Saúde do Congo, a descoberta de novos casos de Ebola na província de Équateur. O último surto do vírus altamente mortal ocorreu em 2018 e matou 33 pessoas no país. O …

Coronavírus: São Paulo se prepara para reabertura com 70% de leitos ocupados

O governo estadual de São Paulo ordenou a reabertura gradual dos estabelecimentos comerciais a partir dessa terça-feira (2). A gestão diz se basear no índice de infecções do novo coronavírus por cidade. Mesmo com 70% …

Júpiter é tão grande que quase virou um sol

Júpiter é o maior planeta do sistema solar. Assim, bem maior mesmo. Do tipo se você pegar todos os outros planetas e juntar suas massas, não chega nem aos pés dele. Nem mesmo metadinha. Esse gigante …

União Europeia pede que EUA reconsiderem sua decisão de cortar relações com a OMS

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o chefe de relações internacionais da União Europeia, Josep Borrell, pediram neste sábado (30) que os Estados Unidos “reconsiderem a decisão anunciada” de romper …