Comemos milhares de partículas de plástico por ano (e nem percebemos)

Estamos cada vez mais conscientes da forma como o plástico polui o meio ambiente. Recentemente, o foco da nossa atenção virou-se para os microplásticos – pedaços minúsculos que variam entre 100 nanômetros e 5 milímetros de diâmetro.

Estes plásticos enchem os mares e abrem caminho para os animais que lá vivem. Isto significa que estes resíduos entram, na cadeia alimentar e, em consequência, nos nossos corpos.

No entanto, o peixe e o marisco não são as únicas fontes de alimento que podem conter microplásticos. Há, de fato, outras fontes não provenientes do mar que podem ser muito mais preocupantes.

Uma porção de mexilhão de um consumidor na Europa pode conter cerca de 90 microplásticos. É muito provável que o consumo varie bastante de acordo com os países e as gerações, mas, os ávidos consumidores de mexilhão podem estar ingerindo até 11 mil plásticos por ano.

É difícil saber ao certo quantos microplásticos consumimos a partir do consumo de peixe. A maioria dos estudos realizados até o momento apenas analisou o conteúdo do estômago e do intestino dos peixes, partes que geralmente são removidas antes do consumo.

No entanto, um estudo encontrou microplásticos no fígado dos peixes, sugerindo que estas partículas podem migrar do sistema digestivo para outras partes do corpo.

Outro estudo também detectou microplásticos em peixes enlatados. Os números encontrados eram baixos, podendo, em média, um consumidor ingerir cinco microplásticos em uma porção de peixe enlatado. As partículas encontradas também podem ter vindo do processo de enlatamento ou do ar.

Outra fonte de microplásticos de origem marinha é o sal proveniente do mar. Um quilograma de sal pode conter mais de 600 microplásticos. Se, por dia, ingerirmos 5 gramas de sal, estaríamos consumindo três microplásticos por dia – porém, muitas pessoas ingerem muito mais sal do que a quantidade recomendada.

No entanto, outros estudos descobriram quantidades variáveis de microplásticos no sal marinho, possivelmente devido aos diferentes métodos de extração utilizados. Esse é um problema generalizado na pesquisa de microplásticos, que torna difícil comparar estudos.

Por exemplo, um estudo parece só ter procurado por microfibras – pequenas cadeias de materiais artificias, como é o caso do poliéster. Já um estudo adicional, apenas procurava microplásticos de tamanho superior a 200 micrômetros.

Os estudos do sal marinho acima mencionados não tentaram remover e contabilizar todos os microplásticos encontrados nas amostras de sal recolhidas. Em vez disso, os cientistas fizeram uma estimativa baseada na porção de partículas que recolheram. Ou seja, o estudo mostrou que 1 quilo de sal continha, pelo menos, 600 microplástico – mas o número real pode ser bem maior.

Fontes não marinhas

Apesar destas descobertas, outras pesquisas demonstram que é muito mais provável que os microplásticos encontrados nos nossos alimentos venham de outras fontes a não ser do mar. Os animais terrestres também comem plásticos embora – assim como acontece com os peixes – tendemos a não comer seus sistemas digestivos.

Existem poucos dados sobre esta parte da indústria alimentar, mas um estudo realizado com frangos criados em jardins do México encontrou, em média, 10 microplásticos por cada moela de frango – uma iguaria em algumas partes do mundo.

Os cientistas também encontraram microplásticos no mel e na cerveja. Podemos estar engolindo dezenas de microplásticos em cada garrafa de cerveja.

Talvez a maior fonte conhecida de microplásticos que consumimos seja a água engarrafada. Quando os pesquisadores examinaram um conjunto de águas engarrafadas em vidro e plástico, encontraram microplásticos na maioria delas.

As garrafas de água de uso único continham entre 2 a 44 microplásticos por litro, enquanto que as garrafas reutilizadas continha entre 28 a 241 microplásticos por litro. Os microplásticos vieram das embalagens, o que significa que podemos estar expondo-os a resíduos sempre que reutilizamos uma garrafa para reduzir o desperdício.

Isto também evidencia que os microplásticos presentes nos nossos alimentos provêm do pó dentro das nossas casas. Um estudo estimou que, anualmente, podemos obter uma dose de quase 70 mil microplásticos só a partir do pó que se instala no nosso jantar – e esta é apenas uma das nossas refeições diárias.

Então, sim, estamos ingerindo um pequeno número de microplásticos provenientes de produtos marinhos. Mas só o fato de bebermos um litro de água engarrafada por dia pode significar mais microplásticos do que um ávido comedor de marisco.

Outra questão que os cientistas ainda não responderam relativamente à ingestão de microplásticos, é o dano que eles realmente provocam.

Os estudos acima referenciados foram publicados entre 2015 e 2017 nas revistas Nature e Science Direct e no Environmental Science & Technologye Polish Journal of Food and Nutrition Sciences.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Astrônomos mapeiam 1 milhão de galáxias previamente desconhecidas

Cerca de um milhão de galáxias previamente desconhecidas para além da Via Láctea foram adicionadas a um mapa detalhado de seção de espaço. Pesquisas sobre o espaço normalmente demoram anos para serem completas, mas um novo …

Brasil recebe vacina de Oxford em janeiro, promete Pazuello

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que o primeiro lote das vacinas de Oxford chega ao Brasil em janeiro. Serão 15 milhões de doses entre janeiro e fevereiro, totalizando 260 milhões ao longo do …

Cingapura é primeiro país a aprovar venda de carne de laboratório

Empresa californiana obteve autorização da cidade-Estado para usar sua carne de frango produzida a partir de cultura celular em chicken nuggets e garante que preço será competitivo. Cingapura é o primeiro país do mundo a aprovar …

Relatório da ONU aponta que 2020 deve ser um dos 3 anos mais quentes já registrados

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) publicou um relatório que aponta que o ano de 2020 deve ser um dos três anos mais quentes desde o início dos registros de temperatura. O secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, …

Documentos oficiais mostram que a China escondeu informações sobre a Covid-19

Relatórios oficiais chineses teriam sido transmitidos à rede de TV americana CNN por meio de um informador anônimo. A investigação se chama “Wuhan files” e tem como foco o começo da pandemia de Covid-19, em …

Jovem que filmou morte de George Floyd por policiais brancos ganha prêmio por bravura

A mulher que filmou o assasinato de George Floyd pelo policial Derek Chauvin vai ser condecorada com um prêmio por sua coragem. Darnella Frazier, de 17 anos, fez o registro enquanto ia com o primo …

Remédio experimental reverteu o declínio mental da idade avançada em dias

Apenas algumas doses de um medicamento experimental podem reverter o declínio relacionados à idade na memória e flexibilidade mental em ratos, de acordo com um novo estudo realizado por cientistas da UC San Francisco. A droga, …

Bebê nasce de embrião congelado há 27 anos: quase a idade da mãe

A pequena Molly Everette Gibson, de um mês, estabeleceu um novo recorde no mundo. A garotinha, filha de Tina e Ben Gibson, nasceu de um embrião que foi congelado há 27 anos e gerado por …

Covid-19: exame pioneiro mostra danos em pulmões 3 meses depois de infecção por coronavírus

A covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, pode estar causando anormalidades pulmonares ainda detectáveis mais de três meses após os pacientes serem infectados, revela um novo estudo. Cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, …

"Hyperloop de levitação": a próxima revolução nas viagens?

Imagine viajar para o trabalho a quase 1.000 km/h, pairando um pouco acima do solo, sem barulho de motor. Pode soar como um filme de ficção científica, mas este cenário se aproximou da realidade quando o …