Comemos milhares de partículas de plástico por ano (e nem percebemos)

Estamos cada vez mais conscientes da forma como o plástico polui o meio ambiente. Recentemente, o foco da nossa atenção virou-se para os microplásticos – pedaços minúsculos que variam entre 100 nanômetros e 5 milímetros de diâmetro.

Estes plásticos enchem os mares e abrem caminho para os animais que lá vivem. Isto significa que estes resíduos entram, na cadeia alimentar e, em consequência, nos nossos corpos.

No entanto, o peixe e o marisco não são as únicas fontes de alimento que podem conter microplásticos. Há, de fato, outras fontes não provenientes do mar que podem ser muito mais preocupantes.

Uma porção de mexilhão de um consumidor na Europa pode conter cerca de 90 microplásticos. É muito provável que o consumo varie bastante de acordo com os países e as gerações, mas, os ávidos consumidores de mexilhão podem estar ingerindo até 11 mil plásticos por ano.

É difícil saber ao certo quantos microplásticos consumimos a partir do consumo de peixe. A maioria dos estudos realizados até o momento apenas analisou o conteúdo do estômago e do intestino dos peixes, partes que geralmente são removidas antes do consumo.

No entanto, um estudo encontrou microplásticos no fígado dos peixes, sugerindo que estas partículas podem migrar do sistema digestivo para outras partes do corpo.

Outro estudo também detectou microplásticos em peixes enlatados. Os números encontrados eram baixos, podendo, em média, um consumidor ingerir cinco microplásticos em uma porção de peixe enlatado. As partículas encontradas também podem ter vindo do processo de enlatamento ou do ar.

Outra fonte de microplásticos de origem marinha é o sal proveniente do mar. Um quilograma de sal pode conter mais de 600 microplásticos. Se, por dia, ingerirmos 5 gramas de sal, estaríamos consumindo três microplásticos por dia – porém, muitas pessoas ingerem muito mais sal do que a quantidade recomendada.

No entanto, outros estudos descobriram quantidades variáveis de microplásticos no sal marinho, possivelmente devido aos diferentes métodos de extração utilizados. Esse é um problema generalizado na pesquisa de microplásticos, que torna difícil comparar estudos.

Por exemplo, um estudo parece só ter procurado por microfibras – pequenas cadeias de materiais artificias, como é o caso do poliéster. Já um estudo adicional, apenas procurava microplásticos de tamanho superior a 200 micrômetros.

Os estudos do sal marinho acima mencionados não tentaram remover e contabilizar todos os microplásticos encontrados nas amostras de sal recolhidas. Em vez disso, os cientistas fizeram uma estimativa baseada na porção de partículas que recolheram. Ou seja, o estudo mostrou que 1 quilo de sal continha, pelo menos, 600 microplástico – mas o número real pode ser bem maior.

Fontes não marinhas

Apesar destas descobertas, outras pesquisas demonstram que é muito mais provável que os microplásticos encontrados nos nossos alimentos venham de outras fontes a não ser do mar. Os animais terrestres também comem plásticos embora – assim como acontece com os peixes – tendemos a não comer seus sistemas digestivos.

Existem poucos dados sobre esta parte da indústria alimentar, mas um estudo realizado com frangos criados em jardins do México encontrou, em média, 10 microplásticos por cada moela de frango – uma iguaria em algumas partes do mundo.

Os cientistas também encontraram microplásticos no mel e na cerveja. Podemos estar engolindo dezenas de microplásticos em cada garrafa de cerveja.

Talvez a maior fonte conhecida de microplásticos que consumimos seja a água engarrafada. Quando os pesquisadores examinaram um conjunto de águas engarrafadas em vidro e plástico, encontraram microplásticos na maioria delas.

As garrafas de água de uso único continham entre 2 a 44 microplásticos por litro, enquanto que as garrafas reutilizadas continha entre 28 a 241 microplásticos por litro. Os microplásticos vieram das embalagens, o que significa que podemos estar expondo-os a resíduos sempre que reutilizamos uma garrafa para reduzir o desperdício.

Isto também evidencia que os microplásticos presentes nos nossos alimentos provêm do pó dentro das nossas casas. Um estudo estimou que, anualmente, podemos obter uma dose de quase 70 mil microplásticos só a partir do pó que se instala no nosso jantar – e esta é apenas uma das nossas refeições diárias.

Então, sim, estamos ingerindo um pequeno número de microplásticos provenientes de produtos marinhos. Mas só o fato de bebermos um litro de água engarrafada por dia pode significar mais microplásticos do que um ávido comedor de marisco.

Outra questão que os cientistas ainda não responderam relativamente à ingestão de microplásticos, é o dano que eles realmente provocam.

Os estudos acima referenciados foram publicados entre 2015 e 2017 nas revistas Nature e Science Direct e no Environmental Science & Technologye Polish Journal of Food and Nutrition Sciences.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Pela felicidade dos professores, escola cria “licença do amor”

A escola de ensino médio de Dinglan, localizada na cidade chinesa de Hangzhou, apresentou esta semana a “licença do amor”, que visa melhorar o humor dos professores e, consequentemente, o trabalho com os alunos. Segundo relata …

Parte da Antártida está encolhendo (e não deveria)

Quando os cientistas falam sobre o derretimento da Antártida, geralmente se referem à Antártida Ocidental, onde gigantescos glaciares costeiros derramam grandes quantidades de água. Mas, do outro lado das montanhas transantárticas a leste, há um manto …

Estátua de diabo “alegre demais” gera polêmica na Espanha

Uma estátua que representa o diabo foi criticada por ser “alegre demais” pelos moradores da cidade de Segóvia, na Espanha. A escultura de bronze, que ainda não foi instalada, foi criada em homenagem a uma lenda …

Deputada britânica adiou o parto para votar contra o acordo do Brexit

Tulip Siddiq decidiu adiar o nascimento do segundo filho para poder votar contra o acordo do Brexit. A deputada trabalhista chegou ao Parlamento em uma cadeira de rodas. Tulip Siddiq decidiu adiar o nascimento do filho por …

Sorveteria em Florença cobra R$ 106 de turista por uma bola de sorvete

Uma sorveteria cobrou 25 euros (cerca de R$ 106) por um sorvete a um turista de Taiwan. Indignado, o turista reclamou ao guia que o acompanhava, que chamou a polícia. O estabelecimento foi multado em …

McDonald’s perde direitos do Big Mac para cadeia de fast food irlandesa

A irlandesa Supermac’s conseguiu uma vitória histórica: o Big Mac deixa de ser uma marca registrada na Europa. Mas a decisão ainda é passível de recurso. “É o fim do McBully”, disse Pat McDonagh, que recebeu …

Disco de gelo giratório gigantesco "invade" rio no Maine

Um enorme círculo de gelo giratório se formou esta semana no rio de Presumpscot, na cidade de Westbrook, no estado norte-americano do Maine. Esse disco bizarro, ainda que raro, é um fenômeno natural fruto da Física. …

Em um restaurante de Dubai, deixar comida no prato dá multa (e é mais cara que a refeição)

Com Dubai se tornando mais consciente do desperdício de alimentos, um restaurante se lembrou de uma maneira de fazer com que os clientes não deixem comida no prato. O restaurante Gulou Hotpot, em Al Barsha, uma sossegada …

Crivella quer abrir cassino no Rio

Com uma expansão em mente para atrair ainda mais turistas ao Rio de Janeiro, o prefeito Marcelo Crivella começou a trabalhar para abrir um cassino na cidade. A era de ouro dos cassinos no Brasil durou de …

Jovem com síndrome de Down será a primeira no país a tirar carteira de motorista

A chef de cozinha de 22 anos, Maria Clara de Carvalho será primeira brasileira com síndrome de Down a conseguir a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Maria Clara é casada, faz aula de teatro, dança …