Crivella manda fiscais para a Bienal do Livro do Rio

Fernando Frazão / ABr

Ação ocorre após prefeito determinar o recolhimento de exemplares de uma HQ que mostra dois homens se beijando. Equipe deixa a feira e diz não ter encontrado material impróprio para menores. Editoras denunciam censura.

Funcionários da Secretaria de Ordem Pública da prefeitura do Rio de Janeiro realizaram nesta sexta-feira (06/09) uma fiscalização na Bienal do Livro da capital. A ação ocorreu um dia após o prefeito Marcelo Crivella anunciar que pretendia censurar a HQ Vingadores – A cruzada das crianças, que estava sendo vendida em estandes no local.

Na quinta-feira, Crivella disse em um vídeo publicado em redes sociais que havia determinado o “recolhimento” da história em quadrinhos, que, segundo ele, trazia “conteúdo sexual para menores”.

Na visão do prefeito, esse tipo de material precisava “estar embalado em plástico preto e lacrado” e com um aviso sobre o conteúdo. “A prefeitura está protegendo os menores da nossa cidade”, afirmou.

No entanto, o suposto conteúdo sexual denunciado por Crivella – que é bispo da neopentecostal Igreja Universal do Reino de Deus – não passava de uma ilustração isolada com dois homens se beijando, completamente vestidos, em meio a dezenas de páginas da história.

A organização da Bienal disse que recebeu ainda na quinta-feira uma notificação da prefeitura para que os exemplares da HQ e outras obras “que tratem do tema do homotranssexualismo de maneira desavisada para o público jovem e infantil” fossem lacrados e viessem com classificação indicativa e um alerta sobre conteúdo impróprio. Caso contrário, eles seriam apreendidos.

Os organizadores do evento responderam que não pretendiam recolher ou embalar os exemplares, argumentando que o conteúdo não é impróprio e nem mesmo pornográfico. Segundo eles, os exemplares já estavam lacrados com plástico transparente, como é padrão para esse tipo de HQ, e, portanto, não estavam abertos para que qualquer membro do público pudesse folhear as páginas.

Horas depois, os fiscais da prefeitura apareceram. Segundo o G1, o subsecretário de operações da Secretaria de Ordem Pública do Rio, coronel Wolney Dias, disse que pretendia “apreender material” que não seguisse as “recomendações de estar lacrado e com a orientação quanto ao conteúdo”.

No entanto, segundo a organização, já não havia mais exemplares da HQ que pudessem correr o risco de apreensão, já que todo o material foi vendido nos primeiros minutos após a abertura da Bienal nesta sexta-feira, diante da repercussão da censura promovida pelo prefeito.

Os fiscais visitaram alguns estandes, folhearam alguns títulos, mas deixaram o local cerca de duas horas depois, sem apreender qualquer material. Questionado se havia encontrado algo, Dias respondeu: “Muitos livros.”

Ainda nesta sexta-feira, a organização da Bienal pediu um mandado de segurança preventivo à Justiça do Rio para garantir o funcionamento do evento e o direito dos vendedores de comercializar obras sem correr o risco de recolhimento.

A decisão saiu na mesma tarde, e o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro concedeu uma liminar que impede a prefeitura carioca de apreender livros na Bienal ou cassar o alvará da feira.

Censura

Nas redes sociais, vários usuários denunciaram o caso como censura e acusaram o prefeito de homofobia. Duas das maiores editoras do país, escritores e a OAB-RJ também repudiaram a atitude da prefeitura.

O editor Luiz Schwarcz, da Companhia das Letras, disse que Crivella tenta “colocar a sociedade brasileira em tempos medievais, quando as pessoas não tinham a liberdade de expressar suas identidades”.

Ele ainda afirmou que a ação contra a Bienal, somada à decisão recente do governo federal de suspender um edital para a produção de filmes com temática LGBT, “indica uma perigosa ascensão do clima de censura no país – flagrantemente inconstitucional – e que traz a marca de um indesejável sentimento de intolerância discriminatória”.

O Grupo Editorial Record disse, em nota, que repudia “qualquer tipo de censura e reitera a importância da representatividade na literatura jovem como forma de combate ao preconceito”. Também afirmou que cabe ao Estado “incentivar a leitura e não criar barreiras que marginalizem uma parcela da população que já sofre com a intolerância”.

Já o escritor e crítico literário Sérgio Rodrigues disse no Twitter que a ação dos fiscais e da prefeitura do Rio é “inaceitável”. “Impróprio é Crivella ser prefeito. Pornográfica é a censura. O Brasil é melhor do que isso.”

O escritor Paulo Coelho, por sua vez, chamou os fiscais de “neotalibãs” que estavam ali para confiscar livros “pecaminosos”. Ele também provocou o prefeito afirmando que sua obra Onze minutos, que aborda prostituição e sadomasoquismo, estava sendo vendida na feira “sem estar lacrada”. “Vai lá, Crivella”, disse o escritor.

A seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Rio também se manifestou. “Não cabe ao Poder Executivo municipal, e sim à Justiça da Infância e da Juventude, a ação contra eventuais desrespeitos ao Estatuto da Criança e do Adolescente. A postura da prefeitura do Rio, portanto, revela-se como ato de força e censura, que deve ser repelido”, disse a entidade, em nota.

Essa não é a primeira vez que autoridades brasileiras se indispõem com uma publicação voltada para o mercado jovem. Em 2009, em São Paulo, o então governador José Serra ordenou o recolhimento de 1,2 mil exemplares da HQ Dez na área, um na banheira e ninguém no gol que haviam sido distribuídos para bibliotecas de escolas públicas.

A ação ocorreu após reportagens apontarem que o título trazia material de conteúdo sexual e palavrões. Mas os organizadores da HQ disseram à época que o livro não havia sido produzido para ser distribuído em escolas, e que o governo é que havia se equivocado ao comprar os exemplares.

No mesmo ano, educadores de São Paulo, do Espírito Santo e do Paraná pediram que exemplares de HQs do americano Will Eisner fossem recolhidos das bibliotecas de escolas públicas. No Paraná, um vereador tomou ele próprio a iniciativa de retirar uma das HQs de Eisner e um livro do paranaense Dalton Trevisan da biblioteca de uma escola, onde ele também atuava como diretor.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Emocionante avanço da teoria para a realidade: bizarro efeito quântico é observado

No núcleo toda estrela anã branca — o denso resto de uma estrela que queimou todo seu combustível — existe um fenômeno quântico enigmático: enquanto ganha massa ela reduz de tamanho chegando a um ponto …

Estudo prevê 300 mil mortes por covid até fim do ano nos EUA

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros estados americanos divulgam taxas de infecções recordes. A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil americanos …

Coronavírus: Exportações devem cair mais de 20% na América Latina, diz ONU

As exportações da América Latina e do Caribe podem cair mais de 20% em 2020 devido às consequências da pandemia do coronavírus, que também terá um impacto negativo nas importações, disse uma agência da …

O que é nitrato de amônio, que pode provocar explosões como a de Beirute?

A recente tragédia no país árabe trouxe de novo à tona preocupações sobre o armazenamento do perigoso material, tornando necessário saber como esses incidentes ocorrem para os prevenir. A explosão de nitrato de amônio em Beirute, …

Astrônomos descobrem nuvens gigantes "escondidas" em Vênus há 35 anos

Uma equipe de astrônomos encontrou nuvens venenosas, com gotas de ácido sulfúrico em sua formação, em meio à densa atmosfera de Vênus. Curiosamente, essas nuvens já estavam presente na atmosfera venusiana há pelo menos 35 anos, …

Japão lembra 75 anos de bomba de Hiroshima e pede união contra armas nucleares

Esta quinta-feira (6) marca o 75º aniversário do primeiro ataque com bomba atômica do mundo. Cerca de 140 mil pessoas morreram no bombardeio à cidade japonesa, realizado pelo Estados Unidos no fim da Segunda Guerra …

Donald Trump determina bloqueio do TikTok e WeChat nos EUA em 45 dias

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump assinou na noite de ontem (6) uma ordem executiva determinando o fim de relações com as empresas responsáveis pelos apps TikTok e WeChat no país norte-americano. Em comunicado emitido …

Brasil caminha para ter 200 mil mortes pelo coronavírus até outubro, diz especialista

Na semana em que o Brasil deverá registrar 100 mil mortes pelo novo coronavírus, um especialista brasileiro indica que o país caminha para dobrar esse número em dois meses, atingindo 200 mil óbitos pela pandemia …

Petição defende que França assuma controle do Líbano

Suspeita de que desastre em Beirute foi causado por negligência eleva indignação dos libaneses, que pedem mandato francês pelos próximos dez anos no país. Apelo recebe mais de 50 mil assinaturas após visita de Macron. Quase …

Macron visita Beirute devastada e cobra reformas no Líbano

Presidente francês visita local da explosão e ouve apelos por mudanças por parte da população, para quem o desastre é consequência de anos de corrupção, caos público e má gestão. O presidente da França, Emmanuel Macron, …