Crivella manda fiscais para a Bienal do Livro do Rio

Fernando Frazão / ABr

Ação ocorre após prefeito determinar o recolhimento de exemplares de uma HQ que mostra dois homens se beijando. Equipe deixa a feira e diz não ter encontrado material impróprio para menores. Editoras denunciam censura.

Funcionários da Secretaria de Ordem Pública da prefeitura do Rio de Janeiro realizaram nesta sexta-feira (06/09) uma fiscalização na Bienal do Livro da capital. A ação ocorreu um dia após o prefeito Marcelo Crivella anunciar que pretendia censurar a HQ Vingadores – A cruzada das crianças, que estava sendo vendida em estandes no local.

Na quinta-feira, Crivella disse em um vídeo publicado em redes sociais que havia determinado o “recolhimento” da história em quadrinhos, que, segundo ele, trazia “conteúdo sexual para menores”.

Na visão do prefeito, esse tipo de material precisava “estar embalado em plástico preto e lacrado” e com um aviso sobre o conteúdo. “A prefeitura está protegendo os menores da nossa cidade”, afirmou.

No entanto, o suposto conteúdo sexual denunciado por Crivella – que é bispo da neopentecostal Igreja Universal do Reino de Deus – não passava de uma ilustração isolada com dois homens se beijando, completamente vestidos, em meio a dezenas de páginas da história.

A organização da Bienal disse que recebeu ainda na quinta-feira uma notificação da prefeitura para que os exemplares da HQ e outras obras “que tratem do tema do homotranssexualismo de maneira desavisada para o público jovem e infantil” fossem lacrados e viessem com classificação indicativa e um alerta sobre conteúdo impróprio. Caso contrário, eles seriam apreendidos.

Os organizadores do evento responderam que não pretendiam recolher ou embalar os exemplares, argumentando que o conteúdo não é impróprio e nem mesmo pornográfico. Segundo eles, os exemplares já estavam lacrados com plástico transparente, como é padrão para esse tipo de HQ, e, portanto, não estavam abertos para que qualquer membro do público pudesse folhear as páginas.

Horas depois, os fiscais da prefeitura apareceram. Segundo o G1, o subsecretário de operações da Secretaria de Ordem Pública do Rio, coronel Wolney Dias, disse que pretendia “apreender material” que não seguisse as “recomendações de estar lacrado e com a orientação quanto ao conteúdo”.

No entanto, segundo a organização, já não havia mais exemplares da HQ que pudessem correr o risco de apreensão, já que todo o material foi vendido nos primeiros minutos após a abertura da Bienal nesta sexta-feira, diante da repercussão da censura promovida pelo prefeito.

Os fiscais visitaram alguns estandes, folhearam alguns títulos, mas deixaram o local cerca de duas horas depois, sem apreender qualquer material. Questionado se havia encontrado algo, Dias respondeu: “Muitos livros.”

Ainda nesta sexta-feira, a organização da Bienal pediu um mandado de segurança preventivo à Justiça do Rio para garantir o funcionamento do evento e o direito dos vendedores de comercializar obras sem correr o risco de recolhimento.

A decisão saiu na mesma tarde, e o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro concedeu uma liminar que impede a prefeitura carioca de apreender livros na Bienal ou cassar o alvará da feira.

Censura

Nas redes sociais, vários usuários denunciaram o caso como censura e acusaram o prefeito de homofobia. Duas das maiores editoras do país, escritores e a OAB-RJ também repudiaram a atitude da prefeitura.

O editor Luiz Schwarcz, da Companhia das Letras, disse que Crivella tenta “colocar a sociedade brasileira em tempos medievais, quando as pessoas não tinham a liberdade de expressar suas identidades”.

Ele ainda afirmou que a ação contra a Bienal, somada à decisão recente do governo federal de suspender um edital para a produção de filmes com temática LGBT, “indica uma perigosa ascensão do clima de censura no país – flagrantemente inconstitucional – e que traz a marca de um indesejável sentimento de intolerância discriminatória”.

O Grupo Editorial Record disse, em nota, que repudia “qualquer tipo de censura e reitera a importância da representatividade na literatura jovem como forma de combate ao preconceito”. Também afirmou que cabe ao Estado “incentivar a leitura e não criar barreiras que marginalizem uma parcela da população que já sofre com a intolerância”.

Já o escritor e crítico literário Sérgio Rodrigues disse no Twitter que a ação dos fiscais e da prefeitura do Rio é “inaceitável”. “Impróprio é Crivella ser prefeito. Pornográfica é a censura. O Brasil é melhor do que isso.”

O escritor Paulo Coelho, por sua vez, chamou os fiscais de “neotalibãs” que estavam ali para confiscar livros “pecaminosos”. Ele também provocou o prefeito afirmando que sua obra Onze minutos, que aborda prostituição e sadomasoquismo, estava sendo vendida na feira “sem estar lacrada”. “Vai lá, Crivella”, disse o escritor.

A seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Rio também se manifestou. “Não cabe ao Poder Executivo municipal, e sim à Justiça da Infância e da Juventude, a ação contra eventuais desrespeitos ao Estatuto da Criança e do Adolescente. A postura da prefeitura do Rio, portanto, revela-se como ato de força e censura, que deve ser repelido”, disse a entidade, em nota.

Essa não é a primeira vez que autoridades brasileiras se indispõem com uma publicação voltada para o mercado jovem. Em 2009, em São Paulo, o então governador José Serra ordenou o recolhimento de 1,2 mil exemplares da HQ Dez na área, um na banheira e ninguém no gol que haviam sido distribuídos para bibliotecas de escolas públicas.

A ação ocorreu após reportagens apontarem que o título trazia material de conteúdo sexual e palavrões. Mas os organizadores da HQ disseram à época que o livro não havia sido produzido para ser distribuído em escolas, e que o governo é que havia se equivocado ao comprar os exemplares.

No mesmo ano, educadores de São Paulo, do Espírito Santo e do Paraná pediram que exemplares de HQs do americano Will Eisner fossem recolhidos das bibliotecas de escolas públicas. No Paraná, um vereador tomou ele próprio a iniciativa de retirar uma das HQs de Eisner e um livro do paranaense Dalton Trevisan da biblioteca de uma escola, onde ele também atuava como diretor.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

“Não existe gene gay”, afirma estudo genético feito com meio milhão de DNAs

Como ser baixo ou alto, mais ou menos inteligente, o fato de amar homens ou mulheres não é definido por um único gene, mas por várias regiões do genoma e, como qualquer aspecto humano complexo, …

Este projeto social está buscando 7 pessoas para viajar o mundo com tudo pago

A empresa portuguesa YourBestLife está recrutando sete pessoas para viajar o mundo realizando trabalhos de impacto social com tudo pago. As inscrições vão até o dia 31 de outubro e podem se candidatar pessoas que …

Pela primeira vez na história cientistas conseguem reverter envelhecimento

Nenhuma pessoa está livre do tempo: seja um jovem, uma criança, um recém-nascido ou um adulto em idade madura, todo mundo irá envelhecer e sentir os efeitos desse processo. Essa é uma verdade incontestável em qualquer …

Greta Thunberg protesta em frente à Casa Branca ao lado de estudantes pelo clima

A militante do meio ambiente, Greta Thunberg, participou nesta sexta-feira (13) de uma pequena manifestação sobre o clima em frente à Casa Branca. “Nunca desistam”, disse a ativista aos jovens que foram até o local …

Snowden alerta para propagação de mentiras na internet

Há seis anos, ex-analista da NSA causou terremoto político ao revelar atividades ilícitas do serviço secreto dos EUA. Em entrevistas a jornais alemães, Snowden conta que ainda almeja asilo político na Alemanha. Seis anos após divulgar …

Visita de objeto interestelar intriga comunidade científica

  O objeto interestelar foi detectado por um astrônomo amador, e desde então o visitante passou a intrigar a comunidade científica. Gennady Borisov, astrônomo amador, utilizou um telescópio que ele mesmo construiu para avistar o objeto. Sua …

Homem morto há 22 anos é encontrado com ajuda do Google Earth

Os restos mortais de um homem desaparecido há duas décadas, nos EUA, foram encontrados dentro de um carro submerso em um lago graças ao Google Earth. William Moldt foi dado como desaparecido em Lantana, na Flórida, …

O plano japonês de jogar ao mar água radioativa de Fukushima

Nesta semana, o ministro do Meio Ambiente do Japão, Yoshiaki Harada, declarou que despejar no Oceano Pacífico mais de 1 milhão de toneladas de água contaminada pelo desastre nuclear de Fukushima seria a "única opção" …

Incêndio no Hospital Badim deixou 11 mortos no Rio de Janeiro

Um incêndio atingiu o Hospital Badim, no Maracanã, zona norte do Rio de Janeiro, na noite de quinta-feira, deixando pelo menos onze mortos, conforme noticiado pela imprensa brasileira. Os pacientes foram retirados às pressas da unidade …

Origem dos cometas é revelada em novo estudo

Pesquisadores da Universidade de Leiden (Holanda) aplicaram modelos químicos em 14 cometas e encontraram um padrão em sua composição. Os cometas são bolas de gelo, poeira e pequenas partículas parecidas com pedras. Seus núcleos podem alcançar …