Dilma diz que acusações são ‘virtuais’ e que não sabia que Cunha era ‘corrupto’ e Temer, ‘fraco’

Marcelo Camargo / Agência Brasil

A ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff

A ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff

“Como é que você prova que eu sabia?”, pergunta Dilma Rousseff, encarando a reportagem em um apartamento com vista para o rio Hudson, em Nova York (EUA), onde estava em visita uma série de universidades para palestras e entrevistas.

No encontro com a BBC na última quarta-feira, 360 dias depois da Câmara dos Deputados aprovar o processo que levou a seu impeachment, Dilma Rousseff se referia às acusações de Marcelo Odebrecht na operação Lava Jato, usadas no mês passado como argumento para o pedido de cassação de sua chapa de 2014, junto ao presidente Michel Temer.

Se a chapa for cassada, em julgamento ainda sem previsão para ocorrer, tanto Dilma quanto Temer podem perder seus direitos políticos.

“Esses milhões só estão na virtualidade da fala do Dr. Marcelo Odebrecht, não estão em nenhuma realidade”, diz. “É uma acusação muito característica das que fazem a mim. Que tipo de acusação?”, ela mesma pergunta. E se responde: “Ah, ela sabia”.

Na manhã do dia seguinte à divulgação da chamada “lista de Fachin”, que ordenou investigações contra oito ministros, 63 congressistas e três governadores citados nas delações da Odebrecht, a ex-presidente se recusa a comentar os pedidos de abertura de novos inquéritos envolvendo seu nome (ao lado dos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luís Inácio Lula da Silva).

Eu me nego a comentar qualquer coisa, sobre qualquer pessoa que foi mencionada na lista, porque não acho correto. Não vou compactuar com o fórum de julgamento da imprensa antes de o julgamento ser realizado.”

Dilma afirma que não sabia que Eduardo Cunha era corrupto e declara, sobre o aborto, que “não é papel da Presidência discutir propostas do movimento de mulheres”.

‘Acusações virtuais’

Segundo a imprensa nacional, o Ministério Público Eleitoral acusa a campanha de Dilma por suposto recebimento de R$ 112 milhões da Odebrecht – R$ 45 milhões em caixa 2, R$ 17 milhões em “caixa 3” e R$ 50 milhões em propina.

À BBC, Dilma nega irregularidades. “Você tem hoje uma acusação virtual, dizendo que tinha uma conta corrente virtual, conta corrente virtual essa que, por todos os dados que Marcelo Odebrecht mesmo diz, incluindo os registros formais, vamos dizer, no TSE, não se verificam”, afirma.

A ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff

-

‘Ah, ela sabia’. Por que sabia? ‘Por que tinha que saber’.”

Dilma continua: “Em que pese que há pessoas avaliando que receber dinheiro em contas secretas, na Suíça, não é tão grave, quero dizer o seguinte: nunca recebi contas no exterior, não tem um único delator que possa dizer que me deu qualquer quantia, de que forma seja. Não recebi por meio de parente, por meio de terceiras pessoas”.

Segundo a ex-presidente, “a acusação contra mim sempre vai ser: ‘Ah, ela sabia’. Por que sabia? ‘Por que tinha que saber‘.”

No último dia 4, o TSE suspendeu o julgamento que pede a cassação da chapa presidencial eleita em 2014, formada por Dilma Rousseff e Michel Temer. O tribunal decidiu por unanimidade reabrir a fase de produção de provas para ouvir novas testemunhas. Com isso, o processo pode levar semanas para ser retomado.

O ministro relator do caso, Herman Benjamin, concordou com a decisão, embora antes tenha negado pedidos semelhantes da defesa de Dilma.

“Eu quero muito ver essa acusação. Quero ver porque vou desconstitui-la”, diz. “Acho que os mecanismos pelos quais a Odebrecht faz a delação, principalmente o senhor Marcelo, têm por objetivo montar a sua defesa, o que é absolutamente normal, a pessoa não tem que se incriminar”, diz a ex-presidente.

Protocolo e aborto

Em uma turnê de palestras pelo mundo, que incluiu paradas em países como Argentina, Uruguai, Suíça e pelo menos cinco universidades americanas, Dilma Rousseff se apresentou como uma política de esquerda, dedicada a evitar que o “neoliberalismo voltasse a reger a economia”.

A reportagem pergunta se Dilma sente que seu discurso está mais à esquerda desde que saiu do poder – a própria CUT (Central Única dos Trabalhadores), ligada historicamente ao PT, criticava medidas de austeridade em seu governo.

Marcelo Camargo / Agência Brasil

A ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff

“Um presidente nem sempre defende só as suas crenças”

“Eu não”, responde Dilma. “Essa sensação se deve ao fato de hoje eu não ter as restrições que um presidente tem que ter protocolarmente.” Ela conta que prefere manter algumas das limitações, como dar opiniões sobre chefes de Estado.

Afirma que “um presidente nem sempre defende só as suas crenças“, e diz que foi obrigada, “em alguns momentos, a defender posições que impliquem na melhor situação possível para a população”.

A BBC pergunta se esse é o caso, por exemplo, do aborto. Em 2014, seu governo recuou após pressões da bancada evangélica e revogou uma portaria que regulava procedimentos a serem tomados pelo Serviço Único de Saúde em casos de aborto legal.

“Acho que um presidente não pode interferir no Brasil em certas questões. Não acho que a questão do aborto seja uma questão de política presidencial. Acho que se o movimento de mulheres conquistar e galvanizar um conjunto de pessoas, o presidente pode manifestar-se a respeito”, diz.

“Porque também isso é uma transferência de reivindicações do movimento para a presidência da República. Não é papel da presidência da República discutir propostas do movimento de mulheres”, acrescenta.

“Pessoalmente, eu sou a favor do direito das mulheres decidirem sobre seus corpos. Agora, como presidente da República, isso não tem cabimento.”

José Cruz / Agência Brasil

O ex-vice-presidente Michel Temer e a ex-presidente Dilma Rousseff

“Era um fraco”. Vice-presidente Michel Temer com a presidente Dilma Rousseff

Eduardo Cunha e Michel Temer

À reportagem, a ex-presidente afirma que não sabia que Eduardo Cunha era corrupto antes se tornar pivô do impeachment, até o Ministério Público acusar o seu aliado nas eleições de 2010 e 2014 de desvios e de possuir contas no exterior.

“Eduardo Cunha se transformou na pessoa que a senhora descreve apenas quando ele rompeu com a senhora?”, pergunta a BBC. Hoje, Dilma costuma se referir a Cunha como “gângster”, “golpista” e “conspirador”.

“Ele já era assim. O fato de tirar foto com ele não significa que eu endosso ele, não. Não sei qual era o nível de apoio que ele me dava. A relação dele comigo sempre foi, eu te diria, distante, não foi próxima. Isso é público e notório”, diz.

A reportagem insiste: “Em que momento Cunha se tornou um problema? Só quando ele rompeu com a senhora? Ele já não era corrupto?”.

“Isso eu não sei, pô”, responde Dilma.

“Eu sei que o Eduardo Cunha é corrupto porque o MP publicou a ficha dele. Ninguém achava que ele tinha tantas contas na Suíça. Ninguém achava isso. Até porque o MP teve dificuldade de abrir as contas, né?”

ABBC também pergunta por que ter um “fraco”, como Dilma tem se referido publicamente ao antigo companheiro de chapa Michel Temer, como vice-presidente. “Porque você vai descobrindo que a pessoa é fraca ao longo da vida“, diz, afirmando que a escolha foi feita pelo PMDB, membro da então coligação petista, e não por ela.

// BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Destroços de navio de centenas de anos são encontrados na Polônia

Arqueólogos encontraram um navio naufragado de várias centenas de anos, bem como uma ponte destruída da 2ª Guerra Mundial em um rio polonês. Arqueólogos encontraram um navio naufragado de várias centenas de anos, bem como uma …

Por que cientistas estão determinados a provar que Einstein estava errado

Ano entra, ano sai, e tanto a lei dos corpos em queda de Galileu Galilei quanto a teoria da relatividade de Albert Einstein são testadas novamente apenas para os pesquisadores confirmarem pela enésima vez que …

Bolsonaro faz apologia à ignorância, afirmam historiadoras no jornal Le Monde

  O jornal Le Monde que chegou às bancas na tarde desta segunda-feira (27) traz um texto de meia página criticando a política cultural em vigor atualmente Brasil. Assinado por duas historiadoras francesas e uma brasileira, …

OMS considera elevado risco global de coronavírus

A Organização Mundial da Saúde admitiu nesta segunda-feira (27/01) um erro na avaliação de risco global do novo coronavírus, que surgiu na China, e disse que o nível correto é elevado. Anteriormente, ele havia sido …

Quem é Vanessa Nakate, ativista negra cortada de foto com Greta em Davos

O tema era o meio-ambiente, mas o debate sofre o futuro da humanidade ganhou outros vultos quando a jovem ativista climática de Uganda, Vanessa Nakate, descobriu que havia sido cortada pela agência de notícias Associated …

Sobreviventes retornam a Auschwitz nos 75 anos da libertação

Autoridades de 50 países participam da solenidade no antigo campo de concentração na Polônia, em meio a temores pelo aumento do antissemitismo. "Precisamos tomar cuidado para que não volte a acontecer", diz sobrevivente. Mais de 200 …

Por que cientistas querem tanto provar que Einstein e Galileu estavam errados

Ano entra, ano sai, e tanto a lei dos corpos em queda de Galileu Galilei quanto a teoria da relatividade de Albert Einstein são testadas novamente apenas para os pesquisadores confirmarem pela enésima vez que …

Morreu Kobe Bryant, um dos maiores astros da NBA

Neste domingo (26), o astro do basquete norte-americano, Kobe Bryant, faleceu em acidente de helicóptero, na cidade de Los Angeles, nos EUA. Autoridades e testemunhas levantam as primeiras hipóteses sobre a causa da queda. O lendário …

Coronavírus terá impacto no PIB chinês e na economia global

A nova epidemia de coronavírus é um balde de água fria na cabeça do mundo. A começar pelos chineses. Em 2003, o último vírus mortal se propagando pelo mundo inteiro – o SARS – …

Abelhas adoram cannabis e este caso de amor pode ajudar a salvar a espécie

Consideradas os seres vivos mais importantes do planeta, as abelhas são animais insubstituíveis, dos quais dependemos para viver. No entanto, nas últimas décadas, devido ao aquecimento global e o uso execessivo de pesticidas, elas estão …