Estudante insatisfeito com apagamento racial cria guia de doenças associadas com pele negra

Um estudante de medicina negro decidiu transformar seu universo acadêmico. Desde o primeiro dia de aula na Universidade de Londres, Malone Mukwende, um zimbabuano de 20 anos que vive na Inglaterra, percebeu que a literatura médica sobre problemas de pele não incluía aspectos da cútis preta.

“Como seria a aparência disso em peles mais escuras?”, pensou por diversas vezes. A resposta veio em forma de livro com “Mind The Gap – Um manual de sinais clínicos na pele preta e marrom” (em tradução livre do original “Mind The Gap – A handbook of clinical signs in black and brown skin”), livro que ele mesmo escreveu.

A inspiração para o nome do projeto veio dos avisos sonoros do metrô londrino, que chama a atenção do usuário para o espaço entre o trem e a plataforma.

A medicina ocidental, ensinada nas universidades, foi pautada por parâmetros brancos — assim como toda a construção social que conhecemos. Por conta da opressão do povo negro, com todo tipo de segregação racial, em muitos lugares do mundo foram anos até que negros pudessem frequentar universidades, e sabemos que, até hoje, a entrada de pessoas pretos no Ensino Superior ainda é um fato a ser muito celebrado. Ainda mais em um curso tradicional como a Medicina.

Um dos resultados disso é a falta de informações específicas para o corpo negro, principalmente na área estudada por Mukwende. “Eu notei que havia uma falta de ensino sobre tons de pele mais escuros e como certos sintomas aparecem diferentemente naqueles que não são brancos”, contou o estudante, que terminou recentemente o segundo ano da graduação, ao “Washington Post”.

Ele observou que tudo aquilo que ele estava aprendendo pouco focava no tom de pessoas como ele, negro de pele escura. Um pequeno machucado ou um qualquer tipo de reação física manifestada na pele não seria visto nele da forma como pregavam os livros. “Ficou claro para mim que certos sintomas não apresentariam o mesmo em minha própria pele”, reflete.

Foi quando ele decidiu colocar o projeto “Mind The Gap” em prática. Mukwende foi conversar com amigos e expôs suas reflexões para um de suas professora, Margot Turner, responsável pelo setor de diversidade e educação médica, que não precisou se esforçar para ser convencida da necessidade de diminuir essa lacuna literária.

A obra saiu com a ajuda de outro professor, Peter Tamony. Os três assinam a autoria do trabalho, lançado pela editora da universidade.

Nossos métodos de ensino eram injustamente desvantajosos e ‘diferenciavam’ os alunos de grupos étnicos negros e minoritários. Outra questão era sobre a segurança do paciente. Estamos treinando adequadamente nossos alunos para serem profissionais de saúde competentes, capazes de detectar sinais clínicos importantes em todos os grupos de pacientes?”, questiona o professor.

Entre os problemas de saúde levados em consideração no livro estão o câncer de pele, a meningite, psoríase a doença de Kawasaki, que provoca erupções vermelhas na pele branca, dificilmente identificadas em tons de pele mais escuros.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA vão fornecer 20 milhões de vacinas contra Covid-19 para outros países

Os Estados Unidos fornecerão 20 milhões de doses adicionais de vacinas contra a Covid-19 para outros países até o final de junho, elevando o total destinado ao exterior para 80 milhões de doses. O …

Demi Lovato vai comandar programa de TV investigativo sobre OVNIs

A atriz e cantora Demi Lovato está prestes a se aventurar em um desafio de outro mundo. A artista anunciou na última semana a sua participação em uma série limitada para a plataforma de streaming …

CPI da Covid: como 'isolamento vertical' pode virar arma contra Bolsonaro

Uma das linhas de investigação da CPI da Covid apura se o governo federal adotou a estratégia da imunidade de rebanho, ou seja, a obtenção da imunidade coletiva por meio da infecção da população, no …

Astrônomos continuam encontrando inexplicáveis anéis circulares misteriosos no céu

Nos últimos anos, astrônomos avistaram vários objetos de rádio gigantescos e quase perfeitamente circulares no universo distante. Embora ninguém tenha uma explicação para essas entidades misteriosas ainda, uma equipe adicionou recentemente outra ao seu catálogo, …

Conflito tem seu dia mais sangrento em Gaza

Bombardeios israelenses deixam pelo menos 42 palestinos mortos e elevam total de vítimas a 188. Netanyahu diz que ataques continuarão. Sem um cessar-fogo à vista, o atual conflito entre Israel e Hamas teve neste domingo (16/05) …

Apple é acusada de enganar usuários através de aplicativos fraudulentos na App Store

A Apple segue batendo recordes financeiros. No entanto, escândalos um atrás do outro aumentam a preocupação em torno da App Store. Após chamar a atenção internacional com as recentes revelações sobre a existência de cassinos ocultos …

Chile escolhe representantes para elaborar nova Constituição

O domingo foi o último dia de votação no Chile para a escolha dos redatores da nova Constituição do país. Os 155 representantes eleitos terão a tarefa de mudar o texto herdado da ditadura. …

China consegue pousar veículo não tripulado em Marte

A China conseguiu neste sábado pousar um veículo autônomo não tripulado em Marte. A fase final da operação Tianwen-1 aconteceu sem falhas, informou a TV estatal chinesa, que transmitiu um programa especial chamado Alo …

Lewandowski permite que Pazuello fique em silêncio na CPI

Ex-ministro da Saúde será obrigado a comparecer ao depoimento, mas não precisará responder perguntas que possam incriminá-lo. No entanto, será obrigado a falar a verdade em fatos e questões relacionados a terceiros. O ministro do Supremo …

Como o coronavírus afeta o fígado

O SARS-CoV-2, vírus causador da covid-19, mudou completamente a cara do mundo que conhecíamos até então. Ele afetou praticamente todos os aspectos da vida cotidiana e causou mudanças substanciais nas ciências da saúde e, portanto, na …