Estudantes de ocupações se reúnem em encontro nacional

(dr) Mídia NINJA

Um ano de Primavera Secundarista, o movimento que ocupou o Brasil

Um ano de Primavera Secundarista, o movimento que ocupou o Brasil

Nesta terça-feira (15), cerca de 150 estudantes de ocupações de todo o país se reuniram em um encontro nacional de mobilização, na Universidade de Brasília (UnB), na capital federal.

O evento congregou representantes de secundaristas e universitários, no intuito de fortalecer a atuação estudantil no combate às medidas do governo de Michel Temer, que afetam o segmento da educação. A ideia é debater os rumos do movimento e discutir novas estratégias de articulação.

O foco principal do encontro foi o combate à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241/55, que institui o Novo Regime Fiscal e tende a reduzir investimentos nas áreas sociais, incluindo saúde, educação e assistência social.

Segundo a organização, o evento busca sedimentar uma maior articulação contra a medida, que atualmente tramita no Senado e deve ser votada em primeiro turno no próximo dia 29.

A ideia é que os estudantes tragam caravanas de todo o Brasil e que venham também trabalhadores, sindicalistas, todos os movimentos sociais e organizados para uma grande mobilização no dia da votação da PEC do fim do mundo“, explicou a presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas, Camila Lanes.

“A importância deste momento aqui é a gente conseguir se organizar melhor e se programar pra esse e outros eventos”, acrescentou Camila Lanes.

Além de representantes da Ubes, participam do encontro membros da União Nacional dos Estudantes (UNE) e da Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), que realizam diversas atividades de planejamento e organização.

Pautas

Na avaliação dos participantes, a PEC 241/55 deve ser o alvo prioritário da comunidade da educação neste momento, mas ela integra um rol de outras reivindicações dos diversos segmentos da área.

“Essa medida vai prejudicar diretamente o ensino público gratuito, por isso é nossa pauta mais urgente, até porque ela vai ser votada antes das outras”, assinala Iago Montalvão, membro do movimento de ocupação da UnB e da direção da UNE.

“Mas também temos, neste processo, a solidariedade com o movimento das escolas do ensino médio, porque precisamos reforçar a luta contra a reforma que está colocada pelo governo, e também contra o Projeto de Lei (PL) Escola sem Partido, que fere o conceito de escola livre”, acrescenta Iago Montalvão.

Ocupações

A mobilização, materializada especialmente nas ocupações de instituições públicas de ensino, tem sido o grande instrumento dos estudantes contra as medidas do atual governo que afetam o segmento da educação.

O último balanço do movimento, divulgado pela Ubes no último dia 9, contabiliza um total de 391 escolas e 186 universidades sob ocupação estudantil em diversas regiões do país.

O movimento começou com alunos do Paraná, que chegou a ter cerca de mil ocupações no auge das mobilizações. Atualmente, nenhuma escola permanece nessa situação por conta de decisões judiciais desfavoráveis, mas há cerca de 25 campi universitários sob ocupação estudantil no estado.

“Este é um momento de fortalecimento do movimento estudantil. Não que ele estivesse apagado, até porque o Plano Nacional de Educação (PNE) e os royalties do petróleo para a educação, por exemplo, foram uma grande conquista de uma geração anterior a nossa”, considera o presidente da União Paranaense dos Estudantes (UPE), Bruno Pacheco.

Então, o desafio que está colocado pra nossa geração, agora, é garantir essas vitórias e não permitir retrocessos. As ocupações são um novo sopro, uma nova tática e um novo instrumento pra gente se organizar”, diz Bruno Pacheco.

(cv) uneoficial / YouTube

Camila Lanes foi eleita presidente da UBES no 41º Congresso da organização, há um ano.

Camila Lanes foi eleita presidente da UBES no 41º Congresso da organização, há um ano.

Parceria

Além de representações estudantis, o evento conta ainda com a solidariedade e a participação de expoentes de outras entidades, como a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e a Associação Nacional dos Docentes do Ensino Superior (Andes).

“Temos uma visão muito positiva dessas mobilizações e entendemos que elas têm sido a coisa mais relevante dos últimos tempos no país. E, neste caso, não é só a defesa da educação pública em si”, apontou o professor Luís Acosta, da direção do Andes.

“Não se trata de algo meramente corporativo, mas sim de uma defesa do serviço público e dos direitos sociais, porque a PEC é uma medida que vai na contramão de conquistas consagradas pela Constituição Federal de 1988”, acrescentou Luís Acosta.

Ele destacou a proposta intersetorial de construir uma greve geral dos trabalhadores, conforme as articulações forem se fortalecendo.

“O bloco que está no poder agora quer voltar atrás na história e desconstruir as conquistas da Consolidação das Leis do Trabalho, precarizando ainda mais as relações, daí a importância de somarmos força, porque isso só pode ser enfrentado com uma mobilização à altura desses ataques”, finalizou o dirigente.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Bolsonaro é autor de mais da metade dos ataques a jornalistas em 2019

Em todo o ano foram registrados 208 casos de ataques a veículos de comunicação e jornalistas, um aumento de 54%. Presidente foi responsável por 121 deles, afirma a entidade. O presidente Jair Bolsonaro, sozinho, é responsável …

Qual a idade em que somos mais infelizes, segundo a ciência

A chamada crise dos 40 deixou de ser um mito, pelo menos de acordo com uma ampla pesquisa realizada em 134 países pelo economista David Blanchflower, professor da universidade Dartmouth College, nos EUA, e ex-membro …

Trump fecha acordo e sinaliza fim da "guerra fiscal" com a China

Na última quarta-feira, os Estados Unidos e a China firmaram um acordo que pode ser o primeiro passo para o fim da chamada “guerra comercial” entre as potências. O pacto, que foi anunciado em dezembro do …

YouTube vincula anúncios em vídeos controversos sobre mudanças climáticas

Uma notícia deixou algumas empresas anunciantes do YouTube surpresas. Segundo estudo feito pela Avaaz, a plataforma de vídeos da Google tem vinculado anúncios de grandes companhias em vídeos que têm como propósito desinformar as pessoas …

Premiê renuncia após Putin propor reformas constitucionais

Líder russo propõe pacote de mudanças com as quais, segundo críticos, poderia permanecer no poder após fim do mandato. Premiê Medvedev renuncia com todo o gabinete para "abrir espaço" às reformas. O presidente da Rússia, Vladimir …

Musculação: detonando o grande mito da nutrição para ganhar massa muscular

Dietas com alto teor de carboidratos costumam ser recomendadas como parte de protocolos de exercícios para melhorar a recuperação e aumentar o desempenho. No entanto, pesquisas recentes tem mostrado que os carboidratos talvez não ajudem …

Austrália: aviões jogam alimentos para animais sobreviventes dos incêndios

Os incêndios que ardem por toda a Austrália desde setembro do ano passado vem atingindo e ameaçando a vida dos animais locais não só diretamente – mais de 500 milhões de animais já morreram por …

"Democracia em Vertigem", de Petra Costa, é indicado ao Oscar

A Academia de Artes e Ciências cinematográficas anunciou nesta segunda-feira (13) os indicados ao Oscar. “Democracia em Vertigem”, da brasileira Petra Costa, foi indicado ao prêmio de melhor documentário. "Dois Papas", o filme de Fernando Meirelles …

Arquivos sobre OVNIs poderiam 'danificar seriamente' segurança dos EUA, segundo Marinha americana

Marinha dos EUA considera que abertura de arquivos sobre OVNIs poderia causar sérios danos à Segurança Nacional, enquanto reconhece existência de OVNIs. Enquanto conspiracionistas acreditam que as Forças Armadas americanas utilizam tecnologia alienígena para o desenvolvimento …

Crise do 737 Max faz Boeing registrar perda de produção recorde

Pela primeira vez em décadas, a Boeing terminou o ano com pedidos negativos de produção de aviões comerciais. No final de 2019, a gigante aeroespacial registrou cancelamentos de 87 unidades, o que significa mais baixas …