Estudantes de ocupações se reúnem em encontro nacional

(dr) Mídia NINJA

Um ano de Primavera Secundarista, o movimento que ocupou o Brasil

Um ano de Primavera Secundarista, o movimento que ocupou o Brasil

Nesta terça-feira (15), cerca de 150 estudantes de ocupações de todo o país se reuniram em um encontro nacional de mobilização, na Universidade de Brasília (UnB), na capital federal.

O evento congregou representantes de secundaristas e universitários, no intuito de fortalecer a atuação estudantil no combate às medidas do governo de Michel Temer, que afetam o segmento da educação. A ideia é debater os rumos do movimento e discutir novas estratégias de articulação.

O foco principal do encontro foi o combate à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241/55, que institui o Novo Regime Fiscal e tende a reduzir investimentos nas áreas sociais, incluindo saúde, educação e assistência social.

Segundo a organização, o evento busca sedimentar uma maior articulação contra a medida, que atualmente tramita no Senado e deve ser votada em primeiro turno no próximo dia 29.

A ideia é que os estudantes tragam caravanas de todo o Brasil e que venham também trabalhadores, sindicalistas, todos os movimentos sociais e organizados para uma grande mobilização no dia da votação da PEC do fim do mundo“, explicou a presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas, Camila Lanes.

“A importância deste momento aqui é a gente conseguir se organizar melhor e se programar pra esse e outros eventos”, acrescentou Camila Lanes.

Além de representantes da Ubes, participam do encontro membros da União Nacional dos Estudantes (UNE) e da Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), que realizam diversas atividades de planejamento e organização.

Pautas

Na avaliação dos participantes, a PEC 241/55 deve ser o alvo prioritário da comunidade da educação neste momento, mas ela integra um rol de outras reivindicações dos diversos segmentos da área.

“Essa medida vai prejudicar diretamente o ensino público gratuito, por isso é nossa pauta mais urgente, até porque ela vai ser votada antes das outras”, assinala Iago Montalvão, membro do movimento de ocupação da UnB e da direção da UNE.

“Mas também temos, neste processo, a solidariedade com o movimento das escolas do ensino médio, porque precisamos reforçar a luta contra a reforma que está colocada pelo governo, e também contra o Projeto de Lei (PL) Escola sem Partido, que fere o conceito de escola livre”, acrescenta Iago Montalvão.

Ocupações

A mobilização, materializada especialmente nas ocupações de instituições públicas de ensino, tem sido o grande instrumento dos estudantes contra as medidas do atual governo que afetam o segmento da educação.

O último balanço do movimento, divulgado pela Ubes no último dia 9, contabiliza um total de 391 escolas e 186 universidades sob ocupação estudantil em diversas regiões do país.

O movimento começou com alunos do Paraná, que chegou a ter cerca de mil ocupações no auge das mobilizações. Atualmente, nenhuma escola permanece nessa situação por conta de decisões judiciais desfavoráveis, mas há cerca de 25 campi universitários sob ocupação estudantil no estado.

“Este é um momento de fortalecimento do movimento estudantil. Não que ele estivesse apagado, até porque o Plano Nacional de Educação (PNE) e os royalties do petróleo para a educação, por exemplo, foram uma grande conquista de uma geração anterior a nossa”, considera o presidente da União Paranaense dos Estudantes (UPE), Bruno Pacheco.

Então, o desafio que está colocado pra nossa geração, agora, é garantir essas vitórias e não permitir retrocessos. As ocupações são um novo sopro, uma nova tática e um novo instrumento pra gente se organizar”, diz Bruno Pacheco.

(cv) uneoficial / YouTube

Camila Lanes foi eleita presidente da UBES no 41º Congresso da organização, há um ano.

Camila Lanes foi eleita presidente da UBES no 41º Congresso da organização, há um ano.

Parceria

Além de representações estudantis, o evento conta ainda com a solidariedade e a participação de expoentes de outras entidades, como a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e a Associação Nacional dos Docentes do Ensino Superior (Andes).

“Temos uma visão muito positiva dessas mobilizações e entendemos que elas têm sido a coisa mais relevante dos últimos tempos no país. E, neste caso, não é só a defesa da educação pública em si”, apontou o professor Luís Acosta, da direção do Andes.

“Não se trata de algo meramente corporativo, mas sim de uma defesa do serviço público e dos direitos sociais, porque a PEC é uma medida que vai na contramão de conquistas consagradas pela Constituição Federal de 1988”, acrescentou Luís Acosta.

Ele destacou a proposta intersetorial de construir uma greve geral dos trabalhadores, conforme as articulações forem se fortalecendo.

“O bloco que está no poder agora quer voltar atrás na história e desconstruir as conquistas da Consolidação das Leis do Trabalho, precarizando ainda mais as relações, daí a importância de somarmos força, porque isso só pode ser enfrentado com uma mobilização à altura desses ataques”, finalizou o dirigente.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Brasil ruma para "tempestade perfeita" em meio a pandemia

Abril teria sido um mês ocupado para os hospitais brasileiros, de qualquer modo: enquanto a população ainda enfrentas o vírus da dengue, a estação da gripe vai começar a se manifestar. Em 2020, porém, o …

Empresa japonesa testa nova molécula contra a Covid-19

O grupo japonês Fujifilm anunciou nesta quarta-feira (1) o início de testes clínicos de seu medicamento antigripal Avigan para avaliar sua eficácia contra o novo coronavírus. Até o final de junho, o produto vai ser …

Razão pela qual tubarões caçam em torno da Europa e EUA é revelada

Tubarões e grandes prestadores marinhos evitam caçar em águas quentes equatoriais e preferem viver mais ao norte e ao sul, em zonas que compreendem a Europa, os Estados Unidos e a África do Sul. Os tubarões …

Os distanciamentos do coronavírus mudaram a maneira como a Terra se move

As pessoas têm ficado em casa para diminuir a velocidade com a qual o novo coronavírus se espalha. Mas essa atitude pode significar que o planeta também está se movendo um pouco menos. Pesquisadores que estudam …

Facebook não quis investigar desinformação vinda de site norte-americano

“Facebook” e “transparência” são duas palavras que geralmente estão juntas em pautas mais espinhosas, e desta vez não é diferente: segundo uma reportagem veiculada pelo jornal norte-americano The New York Times, a rede social mais …

Maduro denuncia navio turístico 'pirata' português que afundou embarcação da Marinha venezuelana

O presidente venezuelano Nicolás Maduro denunciou o ataque e afundamento de um barco da Marinha da Venezuela por um navio turístico "pirata", a noroeste da ilha de La Tortuga. Na noite de segunda-feira (30), o navio …

Mundo do futebol tenta atenuar perdas financeiras com reduções de salários

O mundo do futebol, como qualquer actividade que gera dinheiro e emprega pessoas, começa a sentir os efeitos do confinamento visto que em quase todas as partes do mundo não se pratica futebol e os …

Políticos da oposição pedem renúncia de Bolsonaro em manifesto

Haddad, Ciro, Boulos e outras lideranças endossam documento crítico à atuação do presidente diante da pandemia de coronavírus. Texto diz que Bolsonaro é um líder irresponsável e agrava a crise com mentiras e crimes. Políticos da …

Economia alemã pode encolher até 5,4% em 2020

Conselho de Consultores Econômicos aponta que pandemia de coronavírus vai, inevitavelmente, levar a Alemanha a uma recessão ainda no primeiro semestre deste ano. A pandemia do novo coronavírus vai, inevitavelmente, levar a Alemanha a uma recessão …

Tênis da Apple nunca comercializado é vendido em leilão por R$ 50 mil

  Você já ouviu falar dos tênis da Apple? Se disse não, está entre a maioria, porque a grande parte das pessoas, mesmo os fãs mais ardorosos da companhia, talvez sequer saibam que esses calçados tenham …