Ex-analista da CIA tenta desvendar a misteriosa origem de Colombo

Metropolitan Museum of Art / Wikimedia

Retrato de um homem dito Cristóvão Colombo, 1519, Sebastiano del Piombo(1485–1547)

Na penumbra da Sala de Leitura da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, o ex-analista da CIA Peter Dickson passou “milhares de horas” a tentar descobrir um dos grandes mistérios da Humanidade: a origem de Cristóvão Colombo.

O navegador entrou para a história como o filho de um humilde tecelão da República de Génova que recebeu a missão dos reis católicos de Espanha de empreender a épica viagem que levou em 1492 ao descobrimento da América, mas ninguém conhece com toda certeza a sua procedência.

O próprio descobridor do Novo Mundo “escolheu viver na escuridão em tudo o que fosse relacionado ao seu lugar de nascimento e família”, como lembra o seu filho Fernando Colombo na biografia do seu pai.

Obcecado por esse enigma desde 1991 e sob a cúpula da Sala de Leitura na Biblioteca do Congresso em Washington, Peter Dickson sulcou mares, não de água salgada, como o lendário explorador, mas sim de documentos antigos em busca da verdade.

“Nos anos 90, passei milhares de horas e gastei milhares de dólares. Durante muitos anos, quase vivi aqui a escavar em arquivos”, declarou Dickson à Agência EFE no Edifício Thomas Jefferson, sede central da biblioteca nacional “de facto” dos Estados Unidos.

Nascido em 1947 e morador de Arlington, no estado da Virgínia, Dickson trabalhou durante “mais de 20 anos” como analista político-militar especializado na proliferação de armas nucleares para a Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos.

No mais poderoso serviço de espionagem do mundo, Dickson aprendeu “a habilidade de ver provas que não parecem relacionadas, mas estão”, que pôs a serviço da sua incansável pesquisa sobre o chamado “Almirante do Mar Oceânico”.

Com essa “mente analítica”, o agora investigador independente, autor de um livro e vários ensaios sobre Colombo, tenta ordenar os factos da vida de Colombo através de um infatigável rastreamento genealógico.

De começo, Dickson questiona a sua origem humilde historicamente aceite. “Isso não tem sentido”, destacou ele, porque “o desconhecido filho de um tecelão genovês” nunca poderia ter se casado por status com Filipa Moniz, dama de uma família aristocrática vinculada à poderosa Casa de Bragança, que reinou em Portugal de 1640 a 1910.

Para decepção de quem diz que Colombo era italiano, português, francês ou catalão, o pesquisador argumenta que “não é nada disso 100%” e que se trata de “um mestiço mediterrâneo multicultural com uma complexa árvore genealógica”.

O ex-analista da CIA apoia a teoria de que o navegador provém de uma região que abrangia a costa entre Savona (Itália) e Mónaco (Riviera Francesa), sob controlo da República de Génova. “Você pode ser um cidadão da república genovesa sem ser um italiano monocultural”, alegou Dickson.

O quebra-cabeças da vida de Colombo complica-se ainda mais porque “nunca escreveu em italiano para os italianos, mas em castelhano”, explicou Dickson, ao lembrar que filólogos, como Ramón Menéndez Pidal, demonstraram que “o castelhano não é a sua língua materna”.

Num recente ensaio publicado sob o sugestivo título “Colombo: O DNA secreto e as misteriosas origens do primeiro ícone da América”, o investigador mergulha também nas águas da genética como possível resposta para a eterna incógnita.

Dickson aborda a pesquisa que, sob a batuta do diretor do Laboratório de Identificação Genética da Universidade de Granada (sul de Espanha), José Antonio Lorente, estuda desde 2003 centenas de amostras de DNA de possíveis descendentes do navegador em Espanha, França e Itália.

Os especialistas confrontam esse DNA com amostras de tecido do corpo de Colombo, do seu filho Fernando e do seu irmão Diego, exumado em Sevilha.

Num artigo divulgado em 2011 na revista “European Journal of Human Genetics”, os investigadores concluíram que os Colombo catalães pertencem a um número de linhagens menor que os Colombo italianos, o que torna mais fácil continuar na trilha desta pista genética.

Dickson lamentou que os cientistas não tenham revelado nenhuma informação sobre o cromossoma E achado nos “bem preservados restos mortais” de Fernando, de maior qualidade que os do seu pai e do seu tio.

Em outubro, José Antonio Lorente alegou que, naquele momento, “as tecnologias não eram suficientemente fortes” para estabelecer o tipo de cromossoma E nos Colombo catalães e nos Colombo italianos, se bem que acredite agora em poder terminar o estudo em 2018.

Além de polémicas, Dickson assume a “magnitude titánica” de desvendar um mistério que dura mais de 500 anos e admite que tal desafio requer o trabalho de uma “equipa multidisciplinar”. “Pelo menos, acredito que abri a porta para um novo enfoque“, acrescentou o ex-analista da CIA.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Vacinação contra COVID-19 será facultativa em Portugal; especialistas divergem sobre o tema

Portugal anunciou seu plano nacional de vacinação contra COVID-19 nesta quinta-feira (3). As vacinas serão distribuídas em 1.200 centros de saúde pública a partir de janeiro, de forma gratuita e facultativa. Especialistas ouvidos pela Sputnik Brasil …

Nosso sistema solar será destruído antes do que pensávamos

Embora o solo sob nossos pés pareça sólido e reconfortante (na maioria das vezes), nada neste Universo dura para sempre. Um dia, nosso sol morrerá, ejetando uma grande proporção de sua massa antes que seu núcleo …

Mãe em Estocolmo não é mais suspeita de aprisionar filho

Promotores suecos estão retirando seu caso contra uma mulher acusada de prender o filho por vários anos. De acordo com as últimas informações, não há provas suficientes de que ele havia sido detido contra sua …

Mistério de galáxia desprovida de matéria escura é revelado

As observações astronômicas apontam para forças de "maré" e comportamento "canibal" de uma galáxia vizinha, que explicariam a escassez deste componente invisível. Se alguma galáxia é pobre em matéria escura, pode ser devido a uma interação …

Maioria das vacinas da Moderna será reservada no início para os Estados Unidos

A Moderna espera disponibilizar entre 100 e 125 milhões de doses de sua vacina contra a Covid-19 no primeiro trimestre de 2021. A empresa anunciou, nesta quinta-feira que, no início, entre 85 e 100 …

Amazonas é 3º estado com mais queimadas, emissões e desmatamento

Pela primeira vez, o Amazonas assume a terceira posição nos três principais rankings que indicam o avanço da degradação florestal na Amazônia brasileira, incluindo indicadores de queimadas, emissões de gases de efeito estufa e desmatamento …

Sudão bane casamento infantil e mutilação genital feminina, mas prática apresenta desafios

Depois de derrubar o ditador Omar al-Bashir no ano passado, o Sudão deu importante passo para reverter alguns dos tantos horrores cometidos contra a população feminina no país – e tornou ilegal tanto o casamento …

Namíbia elege deputado chamado Adolf Hitler

O nome de um recém-eleito político da Namíbia, vem chamando atenção na mídia nacionais e internacionais. "Adolf Hitler teve uma vitória esmagadora nas eleições regionais na Namíbia", relatou o portal de notícias alemão Spiegel Online nesta …

Astrônomos mapeiam 1 milhão de galáxias previamente desconhecidas

Cerca de um milhão de galáxias previamente desconhecidas para além da Via Láctea foram adicionadas a um mapa detalhado de seção de espaço. Pesquisas sobre o espaço normalmente demoram anos para serem completas, mas um novo …

Brasil recebe vacina de Oxford em janeiro, promete Pazuello

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que o primeiro lote das vacinas de Oxford chega ao Brasil em janeiro. Serão 15 milhões de doses entre janeiro e fevereiro, totalizando 260 milhões ao longo do …