Ex-analista da CIA tenta desvendar a misteriosa origem de Colombo

Metropolitan Museum of Art / Wikimedia

Retrato de um homem dito Cristóvão Colombo, 1519, Sebastiano del Piombo(1485–1547)

Na penumbra da Sala de Leitura da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, o ex-analista da CIA Peter Dickson passou “milhares de horas” a tentar descobrir um dos grandes mistérios da Humanidade: a origem de Cristóvão Colombo.

O navegador entrou para a história como o filho de um humilde tecelão da República de Génova que recebeu a missão dos reis católicos de Espanha de empreender a épica viagem que levou em 1492 ao descobrimento da América, mas ninguém conhece com toda certeza a sua procedência.

O próprio descobridor do Novo Mundo “escolheu viver na escuridão em tudo o que fosse relacionado ao seu lugar de nascimento e família”, como lembra o seu filho Fernando Colombo na biografia do seu pai.

Obcecado por esse enigma desde 1991 e sob a cúpula da Sala de Leitura na Biblioteca do Congresso em Washington, Peter Dickson sulcou mares, não de água salgada, como o lendário explorador, mas sim de documentos antigos em busca da verdade.

“Nos anos 90, passei milhares de horas e gastei milhares de dólares. Durante muitos anos, quase vivi aqui a escavar em arquivos”, declarou Dickson à Agência EFE no Edifício Thomas Jefferson, sede central da biblioteca nacional “de facto” dos Estados Unidos.

Nascido em 1947 e morador de Arlington, no estado da Virgínia, Dickson trabalhou durante “mais de 20 anos” como analista político-militar especializado na proliferação de armas nucleares para a Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos.

No mais poderoso serviço de espionagem do mundo, Dickson aprendeu “a habilidade de ver provas que não parecem relacionadas, mas estão”, que pôs a serviço da sua incansável pesquisa sobre o chamado “Almirante do Mar Oceânico”.

Com essa “mente analítica”, o agora investigador independente, autor de um livro e vários ensaios sobre Colombo, tenta ordenar os factos da vida de Colombo através de um infatigável rastreamento genealógico.

De começo, Dickson questiona a sua origem humilde historicamente aceite. “Isso não tem sentido”, destacou ele, porque “o desconhecido filho de um tecelão genovês” nunca poderia ter se casado por status com Filipa Moniz, dama de uma família aristocrática vinculada à poderosa Casa de Bragança, que reinou em Portugal de 1640 a 1910.

Para decepção de quem diz que Colombo era italiano, português, francês ou catalão, o pesquisador argumenta que “não é nada disso 100%” e que se trata de “um mestiço mediterrâneo multicultural com uma complexa árvore genealógica”.

O ex-analista da CIA apoia a teoria de que o navegador provém de uma região que abrangia a costa entre Savona (Itália) e Mónaco (Riviera Francesa), sob controlo da República de Génova. “Você pode ser um cidadão da república genovesa sem ser um italiano monocultural”, alegou Dickson.

O quebra-cabeças da vida de Colombo complica-se ainda mais porque “nunca escreveu em italiano para os italianos, mas em castelhano”, explicou Dickson, ao lembrar que filólogos, como Ramón Menéndez Pidal, demonstraram que “o castelhano não é a sua língua materna”.

Num recente ensaio publicado sob o sugestivo título “Colombo: O DNA secreto e as misteriosas origens do primeiro ícone da América”, o investigador mergulha também nas águas da genética como possível resposta para a eterna incógnita.

Dickson aborda a pesquisa que, sob a batuta do diretor do Laboratório de Identificação Genética da Universidade de Granada (sul de Espanha), José Antonio Lorente, estuda desde 2003 centenas de amostras de DNA de possíveis descendentes do navegador em Espanha, França e Itália.

Os especialistas confrontam esse DNA com amostras de tecido do corpo de Colombo, do seu filho Fernando e do seu irmão Diego, exumado em Sevilha.

Num artigo divulgado em 2011 na revista “European Journal of Human Genetics”, os investigadores concluíram que os Colombo catalães pertencem a um número de linhagens menor que os Colombo italianos, o que torna mais fácil continuar na trilha desta pista genética.

Dickson lamentou que os cientistas não tenham revelado nenhuma informação sobre o cromossoma E achado nos “bem preservados restos mortais” de Fernando, de maior qualidade que os do seu pai e do seu tio.

Em outubro, José Antonio Lorente alegou que, naquele momento, “as tecnologias não eram suficientemente fortes” para estabelecer o tipo de cromossoma E nos Colombo catalães e nos Colombo italianos, se bem que acredite agora em poder terminar o estudo em 2018.

Além de polémicas, Dickson assume a “magnitude titánica” de desvendar um mistério que dura mais de 500 anos e admite que tal desafio requer o trabalho de uma “equipa multidisciplinar”. “Pelo menos, acredito que abri a porta para um novo enfoque“, acrescentou o ex-analista da CIA.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Mão robótica aprendeu sozinha como solucionar o cubo de Rubik

Provavelmente você já deve ter passado pelo desafio de deixar o cubo de Rubik, mais conhecido como cubo magico, com as cores das faces iguais. Saiba que uma mão robótica conseguiu resolver teste desafio sozinha. Provavelmente …

Planalto suspende indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada nos EUA

O Palácio do Planalto decidiu deixar em suspenso a indicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, para assumir a embaixada brasileira nos Estados Unidos, em meio a uma crise política …

Preso pai de família que vivia isolada na Holanda

Ex-membro de culto de 67 anos viveu quase uma década recluso, com os seis filhos, numa zona rural. Polícia suspeita privação de liberdade. Antes fora detido um austríaco, presumível locatário do sítio. Está detido o pai …

"É muito provável que haja verdadeiros análogos da Terra", afirma novo estudo

Um novo método de análise geoquímica de planetas distantes sugere que os muitos exoplanetas semelhantes à Terra podem existir fora do Sistema Solar, de acordo com pesquisa. Há um traço comum entre rochas de asteroides, ou …

Equipe 100% feminina vai para o espaço pela primeira vez na história da NASA

As astronautas norte-americanas Christina Koch e Jessica Meir deixaram juntas nesta sexta-feira (18) a Estação Espacial Internacional (ISS) para fazer um reparo de controladores de energia, marcando a primeira vez em seis décadas da história …

Tratamento para tuberculose é recorde, mas 3 milhões não têm acesso

Em 2018, o número de pessoas que receberam tratamento para a tuberculose bateu um recorde histórico em grande parte devido a uma melhor detecção e diagnóstico da doença. Em todo o mundo, sete milhões de pessoas …

"Blob": o que é a misteriosa criatura com 720 sexos e sem cérebro

Ele não tem boca, estômago, olhos, tampouco pode detectar ou digerir alimentos. Também não tem braços ou pernas, mas consegue se locomover — e, em um único dia, dobrar de tamanho. É capaz de aprender e …

Planalto suspende indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada nos EUA

Desgaste político e crise entre clã Bolsonaro e PSL minam nomeação do filho do presidente, que dificilmente seria aprovada pelo Senado. Caso ocorre após batalha pela liderança da legenda na Câmara. O Palácio do Planalto decidiu …

EUA aplicam tarifas punitivas sobre produtos da UE

Após aval da OMC, entram em vigor aumentos tarifários de 10% e 25%, afetando 7,5 bilhões de dólares em produtos do bloco europeu. Bruxelas poderá retaliar com sanções. As autoridades de comércio dos Estados Unidos confirmaram …

Polícia libera filho do chefe do narcotráfico El Chapo depois de emboscada

Alvos de uma violenta represália dos narcotraficantes, os policiais mexicanos foram obrigados a soltar Ovidio Guzmán López, um dos filhos do célebre El Chapo, do cartel de Sinaloa, pouco depois de prendê-lo, nesta quinta-feira (17) …