Por que gostamos tanto de filmes de terror?

Warner Brothers

Se você pensa que gostar ou não de filmes de terror se trata de uma preferência pessoal, está enganado. Afinal, tem tudo a ver com algum tipo de necessidade psicológica.

Quando você escolhe um filme de terror para ocupar seu tempo, escolhe também estar perante uma situação de medo e perigo de forma voluntária – ainda que o perigo não seja real. Mas por que gostamos tanto de ver filmes de terror? “Ironicamente, o medo reduz o estresse e a ansiedade.”

Margee Kerr, cientista norte-americana conhecida como a “socióloga do medo”, explicou ao Público o que nos faz gostar de situações assustadoras.

“Quando estamos nesses momentos intensos, estamos presos ao momento, à realidade. Não se pensa no futuro, pensa-se no aqui e agora. Não ficamos emaranhados nos nossos pensamentos, ruminando ou pensando no que temos que fazer a seguir”, disse.

No início de outubro, a pesquisador publicou um estudo, no American Psychological Association, sobre esse tema. Atividades que nos levam ao limite, explica, fazem com que, no final, “sintamos que conquistamos algo, como se tivéssemos ultrapassado uma adversidade e sobrevivido, ainda que no fundo saibamos que não é verdade”.

Kerr e sua equipe analisaram os registros de atividade cerebral de alguns participantes da casa assombrada norte-americana e chegaram à conclusão de que o medo ajuda a “desligar” partes do cérebro, fazendo com que os participantes se sintam melhores depois da experiência.

Os pesquisadores analisaram 262 adultos que entraram na ScareHouse, uma casa assombrada com mais de uma centena de atores que tornam a experiência verdadeiramente assustadora.

Os participantes podem ser raptados, fechados em um caixão e até sujeitos a choques elétricos. O jornal informa ainda que podem, também, ser esfaqueados (tudo fingindo).

Os participantes foram entrevistados antes e depois dessa experiência aterrorizadora. Os cientistas concluíram que a disposição daqueles que participaram melhorou, sobretudo para os que se sentiam “cansados, aborrecidos ou estressados” antes de entrar.

De acordo com o estudo, 94% dos participantes disseram ter gostado da experiência e a maior parte deixou de se sentir “cansado” ou “ansioso”. No fundo, quanto mais assustados ficavam, melhor se sentiam no final.

Ainda assim, a socióloga frisa que é muito importante que essas experiências sejam completamente voluntárias para surtirem esse tipo de efeito positivo.

Por outro lado, no extremo oposto, Margee Kerr refere que a aversão ao terror “tem muito a ver com experiências pessoais, mas a parte genética também entra na equação”.

“Há diferenças na forma como as pessoas respondem ao estresse e, se não tiverem tido a oportunidade de sentir esse tipo de medo de uma forma segura, podem não saber que há benefícios”, explica a pesquisadora.

É nesse sentido que a cientista trabalha, para que seu estudo possa ajudar quem lide com casos de estresse e experiências traumáticas. “Estamos vendo se conseguimos fazer com que as pessoas melhorem seus estados de ansiedade, permitir que sintam medo de uma forma mais fácil e dar-lhes oportunidade de praticá-lo de uma forma segura.”

“Mesmo que não se goste de casas assombradas ou de filmes de terror, manter um espírito aventureiro é uma coisa boa que nos ajuda a desafiarmos nós mesmos de uma forma segura e criativa”, afirma, por fim, a cientista ao Público.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

MDZhB: a misteriosa rádio soviética que segue emitindo sinais e ruídos há quase 50 anos

Uma misteriosa estação de rádio segue ininterruptamente transmitindo somente ruídos estáticos interrompidos por sons robóticos há mais de quatro décadas. Conhecida como UVB-76 ou MDZhB, os sinais da rádio são transmitidos de dois diferentes pontos da …

Atmosfera da Terra primitiva pode ter sido tão tóxica quanto a de Vênus hoje

Pesquisadores tentaram reproduzir o equilíbrio delicado entre os gases que evaporaram do oceano de magma e a atmosfera que eles podem ter criado, e descobriram que esta seria fina e composta por dióxido de carbono …

Enorme monolito misterioso descoberto no deserto de Utah

Uma ocorrência totalmente comum. Você está em um helicóptero sobrevoando uma região remota do sul de Utah contanto cabras e bodes selvagens, quando de repente avista um monolito inexplicável saindo do solo. A KSL TV, relatou …

Funcionário de funerária é demitido após tirar selfie com corpo de Maradona

Foi demitido o funcionário da funerária responsável pelo velório do ex-jogador Diego Armando Maradona que tirou uma foto ao lado do caixão com o corpo do astro, enterrado nesta quinta-feira, dia 26, na Grande Buenos …

Museu de Londres reunirá relatos de sonhos de britânicos na pandemia

Projeto visa documentar mudanças no sono causadas pelo confinamento e pela crise gerada com a covid-19, além de coletar narrativas sobre o período para gerações futuras. Mudanças no sono aparentemente têm sido comuns durante a pandemia …

'O Gambito da Rainha': série da Netflix ignora sexismo no xadrez, diz ex-campeã

Existem várias cenas comoventes em O Gambito da Rainha, a série da Netflix que conta a história fictícia de Beth Harman, uma jovem prodígio do xadrez da década de 1960. Em uma delas, um jogador experiente …

Detectada "partícula fantasma" no Sol que confirma teoria da década de 1930

Uma equipe internacional de cientistas conseguiu, pela primeira vez, detectar diretamente a presença do ciclo carbono-nitrogênio-oxigênio (CNO) na fusão nuclear do Sol. Este ciclo representa uma das reações de fusão pelas quais as estrelas convertem hidrogênio …

Musk acertou? Tesla se aproxima dos US$ 500 bilhões de valor de mercado

Nesta segunda-feira (23), a Tesla atingiu o valor de mercado de US$ 498 bilhões. E isso em um momento em que não se sabe se a empresa vai conseguir atingir a sua meta de entregar …

Papai Noel é considerado 'trabalhador essencial' na Irlanda

Na mesma semana em que novas restrições de viagem foram colocadas em prática no Reino Unido e na Irlanda diante dos estragos causados pela segunda onda da pandemia de covid-19 na Europa, a Irlanda fez …

Especialistas da ONU advertem sobre viés racista em algoritmos

Os países devem fazer mais para combater o racismo, principalmente nos algoritmos de inteligência artificial utilizados para reconhecimento facial e controles policiais. Essas ferramentas podem reforçar discriminações, alertam especialistas da ONU. Segundo a especialista jamaicana …