Físicos criam uma nova forma de luz

Cientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts e da Universidade de Harvard demonstraram que é possível que dois feixes de luz se encontrem e se fundam em um único fluxo luminoso.

Se tentarmos cruzar a luz de duas lanternas, nada acontece. A luz não interage, isto porque os fótons individuais passam simplesmente uns pelos outros. Mas como seria se a luz pudesse realmente interagir?

Cientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, da Universidade de Harvard de outras instituições resolveram responder essa questão. Para isso, demonstraram que, afinal, é possível que dois feixes de luz se unam em um único fluxo luminoso.

No estudo, publicado na semana passada na Science, os cientistas queriam provar que as interações podem ocorrer entre mais de dois fótons. Por isso, esfriaram a nuvem de átomos de rubídio a temperaturas extremas, tornando assim os átomos muito mais fracos.

Quando apontaram um raio laser muito fraco para uma nuvem densa de átomos de rubídio ultrafrios, a equipe de cientistas descobriu que dessa experiência não resulta uma nuvem de fótons soltos aleatoriamente. Em vez disso, os fótons se uniram em pares e em trios sugerindo assim um tipo de interação nunca antes visto na luz: a atração.

Ao contrários dos fótons sem massa, que viajam a cerca de 300 mil quilômetros por segundo, os fótons “interligados” adquiriram uma fração da massa de um elétron, partículas relativamente lentas, que viajam 100 mil vezes mais devagar que os fótons não interativos.

Caso se consiga provar que os fótons conseguem interagir de outras maneiras, eles podem ser extremamente úteis na realização de cálculos quânticos rápidos e muito complexos.

Além disso, a equipe mediu também a frequência de oscilação dos átomos antes e depois de atravessarem a nuvem de átomos. “Quanto maior a fase dos fótons – a frequência de oscilação – mais fortes estão ligados entre si”, explicou Aditya Venkatramani, um dos autores do estudo, da Universidade de Harvard.

Os cientistas observaram então que quando as partículas de três fótons abandonavam a nuvem de átomos ao mesmo tempo, sua fase era diferente das dos fótons que não interagiam e cerca de três vezes maior que a diferença e fase das moléculas com apenas dois fótons.

“Isto significa que os fótons ‘em trio’ não interagem de forma independente, mas interagem juntos“, disse o cientista envolvido na experiência.

Para explicar a interação, a equipe explica que um fóton se move através da nuvem de átomos de rubídio e pousa sobre um átomo antes de saltar para o seguinte. Se outro fóton estiver viajando simultaneamente através da nuvem, pode também pousar durante algum tempo em um átomo de rubídio.

Nesse tempo em que o fóton pousa sobre o átomo, pode se dar uma espécie de fusão, formando-se um “polariton”: um híbrido metade fóton, metade átomo – uma verdadeira junção de partículas.

Esses dois polaritons formados podem interagir um com o outro através da sua componente atômica. Perto da nuvem, os átomos permanecem onde estão, enquanto que os fótons que saem continuam interligados. Este fenômeno pode ocorrer com três fótons, formando um vínculo ainda mais forte.

A interação de fótons implica que eles tenham se tornado fortemente correlacionados – uma propriedade fundamental na computação quântica.

Ciberia // Science Daily / HypeScience / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

"Não comemorei ou me orgulhei de ter banido Trump do Twitter", diz Jack Dorsey

Em uma série de tuítes, Jack Dorsey, cofundador e CEO do Twitter, defendeu o banimento de Donald Trump da rede social na última sexta-feira (8). Segundo o executivo, essa foi a medida certa para a …

EUA adicionam Xiaomi e mais 8 empresas chinesas à lista de companhias ligadas a militares

Departamento de Defesa dos EUA lista Xiaomi e mais oito empresas por ligações com militares chineses. Para analistas, a listagem é um "frenesi final" do governo Trump em sua campanha anti-China. Na quinta-feira (14), o Departamento …

Petrobras é a segunda maior do mundo em operações no oceano

Entre as 100 maiores corporações transnacionais que operam nos oceanos mundo afora, a Petrobras aparece em segundo lugar. A lista, divulgada nesta quarta-feira (13/01), é parte de uma pesquisa publicada na renomada revista Science Advances, …

Estudo detecta pela 1ª vez em que resulta colisão de 3 buracos negros

Um novo estudo da agência espacial norte-americana NASA revela novas informações sobre o que acontece após colisões entre três buracos negros supermassivos. Com a ajuda do Observatório de Raios X Chandra, da NASA, e vários outros …

5 razões por que 2021 pode ser um ano crucial na luta contra o aquecimento global

O mundo tem um tempo limitado para agir de modo a evitar os piores efeitos das mudanças climáticas. A pandemia de covid-19 foi o grande problema de 2020, sem dúvida, mas espera-se que, até o final …

Supremo da Coreia do Sul confirma 20 anos de prisão para ex-presidente

O Supremo Tribunal confirmou hoje a condenação a 20 anos de prisão pronunciada em 2017 contra a ex-presidente Park Geun-hye, destituída nesse mesmo ano depois de ser reconhecida culpada de corrupção e abuso de poder. …

Esse homem só pode tentar adivinhar a própria senha mais duas vezes para recuperar $236 milhões de dólares em Bitcoin

Com altas recentes no preço do Bitcoin, um fenômeno infeliz está surgindo: pessoas que acumularam incríveis fortunas na criptomoeda estão percebendo que perderam as senhas das suas carteiras digitais criptografadas. Stefan Thomas, um programador em São …

Vacina contra covid-19: a estratégia do país que decidiu vacinar os jovens antes dos idosos

A Indonésia lançou um programa de vacinação em massa gratuito contra a covid-19 em uma tentativa de impedir a propagação do vírus e fazer sua economia voltar a se aquecer. Mas o país está adotando uma …

Com popularidade a mil, Signal vai contratar mais pessoas e otimizar recursos

Recentemente, o Canaltech noticiou que um simples tweet publicado pelo empresário Elon Musk fez com que o Signal, um mensageiro instantâneo conhecido por respeitar a privacidade de seus usuários e ser 100% em código aberto, …

Palácio mais antigo da China de 5.300 anos é descoberto perto de antiga capital

Palácio descoberto no sítio arqueológico de Shuanghuaishu, nos arredores da cidade de Zhengzhou, uma das oito capitais antigas, foi construído por volta de 3300 a.C., ou seja, tem cerca de 5.300 anos, sendo possivelmente a …