Fraude na UFRGS: 239 cotistas raciais não são negros nem pardos

Marcelo Casal Jr / Agência Brasil

A partir de denúncias de estudantes negros, uma comissão da Universidade Federal do Rio Grande do Sul constatou que ao menos 239 estudantes brancos fraudaram o sistema de cotas raciais

A Comissão Especial de Verificação da Autodeclaração Racial da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), criada para avaliar denúncias de fraudes em cotas raciais, apontou que 239 alunos que ingressaram na universidade por meio de cotas raciais após se autodeclararam pardos não apresentaram as características fenotípicas para que fossem enquadrados como tal.

Após uma série de denúncias, oriundas especialmente do coletivo de estudantes negros Balanta, a UFRGS anunciou em novembro que decidiu convocar 334 pessoas suspeitas de fraudar a política de cotas para comparecerem diante da comissão entre os dias 24 e 29 de novembro.

De acordo com o presidente da comissão, Edilson Nabarro, que é vice-coordenador da Coordenadoria do Programa de Ações Afirmativas, órgão responsável pelo monitoramento da política de cotas na UFRGS, todos os 334 estudantes identificados como suspeitos foram notificados e houve confirmação de que 304 receberam a notificação.

Desses, 274 compareceram diante da comissão, que fez uma análise silenciosa das características fenotípicas dos estudantes e considerou que 239 deles não tinham características que os permitia serem enquadrados como negros ou pardos.

Ele explica que, no processo, todos os membros de uma comissão, formada por ao menos três pessoas, decidiram por consenso que o estudante não apresentava os marcadores fenotípicos do negro – para ele, o processo de negro – características como o tipo de cabelo, formato do nariz e lábios. Edilson diz que todos os estudantes que podem ter a matrícula indeferida se autodeclararam pardos quando participaram do processo seletivo.

Os resultados da verificação pela comissão foram divulgados para os estudantes no período entre 4 e 6 de dezembro e agora eles terão até o próximo dia 20 para apresentarem recursos à universidade, que tomará uma decisão final até o dia 9 de janeiro. Os estudantes que não tiverem o recurso aceito, terão a próxima matrícula indeferida e passarão por um processo de desligamento da universidade.

Os estudantes terão agora na fase de recursos a oportunidade de apresentarem todos os documentos e informações que acharem necessárias para subsidiar sua autodeclaração racial, incluindo fotos de parentes próximos.

Contudo, Edilson destaca que, a princípio, a reversão da indicação da comissão será mais fácil de ser revertida em casos de descendência direta, como pai ou mãe, e não de ancestralidade mais distante, como avós e bisavós. “Porque não estão presentes os traços fenotípicos que podem levar uma pessoa a ser discriminada”, diz.

Edilson destacou que há casos complexos que estão na “intersecção entre o negro pardo e o branco amorenado”, aqueles em que não estão muito acentuados os traços fenotípicos do negro e estão presentes traços do branco.

“É o caso de um casamento inter-racial de um homem branco e uma mulher negra, ou vice-versa, que pode ter gerado um filho mais claro. A aferição foi solitária, nós não vimos família. A gente vai ver o contexto familiar no recurso”, diz Edilson.

Ele afirma que esse é um ponto importante da política de cotas raciais, a questão da discriminação racial, que ocorreria no Brasil pelas características físicas, e que para os demais estudantes de baixa renda existem as cotas sociais. “Nós do movimento negro explicamos isso de uma maneira muito simplória: quem é a pessoa que o vigilante de um shopping center tem que ficar atenta?”, diz. “Tu já viu um torcedor racista pedir fotos ou documentos dos pais para chamar um jogador de macaco”.

Tribunal racial?

O presidente da comissão de verificação diz que a questão de fraudes passou a ser relevante com a legislação nacional sobre as cotas raciais, de 2012, que estabeleceu a possibilidade dos estudantes se autodeclararem pardos. “Aí trouxe a possibilidade do uso de má fé ou engano de enquadramento”, diz.

Questionado se acha que os casos apontados pela comissão se tratam de má fé ou de engano por parte dos estudantes sobre o termo pardo, Edilson explica que, para a política de ação afirmativa, a categoria negro não é uma cor, mas sim uma categoria social, que inclui pretos ou pardos e que não existiria a figura do branco pardo.

Os negros podem ser pretos ou pardos. O que há é uma confusão de acharem que há uma dimensão de brancos pardos ou até loiros pardos, usando o argumento de afrodescendência”, diz.

Uma das críticas ao processo realizado na UFRGS é que se trataria de um tribunal racial. Para Edilson, o fato de que 35 alunos tiveram a autodeclaração deferida afastaria essa presunção de que houve um tribunal racial. “A comissão não foi feita para excluir alunos, mas para ratificar ou retificar a declaração que eles fizeram”, diz.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Chantilly: em dificuldades finaceiras, um dos mais belos castelos da França pede socorro

A pandemia e o fim da ajuda de um poderoso mecenas colocam em risco o futuro de uma das propriedades mais majestosas da França, o castelo de Chantilly, ao norte de Paris. A reportagem …

Como fumantes de longa data pararam de fumar usando cogumelos mágicos apenas 3 vezes

É mais difícil largar do cigarro do que da heroína, dizem alguns. Mas pesquisadores da Johns Hopkins relataram que um pequeno número de fumantes de longa data que falharam em muitas tentativas de abandonar o …

Gangorra que uniu imigrantes no muro da fronteira dos EUA ganha prêmio

Lembra das gangorras que permitiram que famílias mexicanas brincasse de lados opostos do muro da fronteira EUA-México? O projeto das três gangorras ganhou o prêmio “Design do Ano 2020” pelo Museu de Londres. O arquiteto norte-americano …

Irã diz ter batido recorde de exportação de derivados de petróleo apesar das sanções dos EUA

O Irã bateu recorde de exportação de derivados de petróleo apesar das sanções impostas pelos Estados Unidos, declarou o ministro do Petróleo da República Islâmica, Bijan Zangeneh, nesta sexta-feira (22). Durante o 25º Show Petrolífero do …

A ameaça de epidemia que surge de nova espécie de mosquito Aedes detectada pela 1ª vez nas Américas

Durante a noite de 18 de junho de 2019, na base americana em Guantánamo, Cuba, um intruso foi pego por uma armadilha. A base é conhecida como um lugar onde os EUA aprisionam, por tempo indeterminado …

Homem é preso por tossir em policial que perguntou se ele tinha covid-19

O britânico Casey Saint foi condenado a 11 meses de prisão após tossir no rosto de um policial durante a pandemia do novo coronavírus. O morador de Bury St Edmunds, na Inglaterra, estava fazendo uma festa …

Astrônomos encontram "embrião" de planeta em formação a 330 anos-luz da Terra

Uma equipe de astrônomos encontrou algo que parece ser um planeta embrionário, girando em torno de sua estrela, bem pertinho dela, completando uma volta a cada mês. A estrela em questão é a HD 163296, que …

Físico propõe mega-satélite povoado por humanos orbitando Ceres

O físico Pekka Janhunen, do Instituto Meteorológico Finlandês, desenvolveu uma nova ideia para colonizar um lugar diferente da Terra, e não é a lua ou Marte. Em vez disso, Janhunen está sugerindo em um artigo publicado …

Biden promete "esforço de guerra" contra covid-19

O novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, divulgou nesta quinta-feira (21/01) o plano de resposta de seu governo à pandemia de covid-19, que inclui dez decretos. A estratégia amplia iniciativas que já haviam sido antecipadas …

'Não teremos escolha': Google adverte que pode bloquear seu mecanismo de busca na Austrália

Governo australiano trabalha em uma nova lei que deve governar as relações entre os meios de comunicação e as gigantes que dominam a Internet, entre as quais se destacam Google e Facebook. O Google anunciou nesta …