“Futuro assustador de extinção em massa” nos espera, elite dos cientistas alerta

O planeta enfrenta um “futuro assustador de extinção em massa, declínio da saúde e distúrbios climáticos” que ameaçam a sobrevivência humana por causa da ignorância e da inação, de acordo com um grupo internacional de cientistas, que alertam que as pessoas ainda não entenderam a urgência da biodiversidade e das crises climáticas.

Os 17 especialistas, incluindo o Prof. Paul Ehrlich, da Universidade de Stanford, autor de A Bomba Populacional, e cientistas do México, Austrália e EUA, dizem que o planeta está em um estado muito pior do que a maioria das pessoas — até mesmo cientistas — entende.

“A escala das ameaças à biosfera e a todas as suas formas de vida — incluindo a humanidade — é de fato tão grande que até mesmo especialistas bem informados tem dificuldade de entender”, escrevem em um relatório na Frontiers in Conservation Science, que faz referência a mais de 150 estudos detalhando os principais desafios ambientais do mundo.

O atraso entre a destruição do mundo natural e os impactos dessas ações significa que as pessoas não reconhecem o quão vasto é o problema, argumenta o documento. “[O] mainstream está tendo dificuldade em compreender a magnitude dessa perda, apesar da erosão constante do tecido da civilização humana.”

O relatório adverte que as migrações em massa induzidas pelo clima, mais pandemias e conflitos sobre recursos serão inevitáveis, a menos que medidas urgentes sejam tomadas.

“O nosso não é um chamado à rendição — nosso objetivo é fornecer aos líderes uma “ducha fria” realista do estado do planeta que é essencial para o planejamento para evitar um futuro medonho”, acrescenta.

Lidar com a enormidade do problema requer mudanças de longo alcance no capitalismo global, educação e igualdade, diz o documento. Isso inclui abolir a ideia de crescimento econômico perpétuo, precificar adequadamente externalidades ambientais, parar o uso de combustíveis fósseis, controlar o lobby corporativo e capacitar as mulheres, argumentam os pesquisadores.

O relatório vem meses depois de o mundo não cumprir uma única meta de biodiversidade da ONU Aichi, criada para conter a destruição do mundo natural, a segunda vez consecutiva que os governos não conseguiram cumprir suas metas de biodiversidade de 10 anos. Esta semana, uma coalizão de mais de 50 países prometeu proteger quase um terço do planeta até 2030.

Estima-se que um milhão de espécies estejam em risco de extinção, muitas em décadas, de acordo com um relatório recente da ONU.

“A deterioração ambiental é infinitamente mais ameaçadora para a civilização do que o trumpismo ou o Covid-19”, disse Ehrlich ao Guardian.

Em The Population Bomb, publicado em 1968, Ehrlich alertou para a explosão populacional iminente e centenas de milhões de pessoas morrendo de fome. Embora tenha reconhecido que alguns aspectos estavam errados, ele disse que mantém sua mensagem fundamental de que o crescimento populacional e altos níveis de consumo por nações ricas está impulsionando a destruição.

Ele disse ao Guardian: “A mania de crescimento é a doença fatal da civilização — ela deve ser substituída por campanhas que fazem com que a equidade e o bem-estar da sociedade — não consumam mais lixo”.

Grandes populações e seu crescimento contínuo impulsionam a degradação do solo e a perda de biodiversidade, alerta o novo documento. “Mais pessoas significam que mais compostos sintéticos e plásticos descartáveis perigosos são fabricados, muitos dos quais aumentam a crescente toxificação da Terra. Também aumenta as chances de pandemias que alimentam buscas cada vez mais desesperadas por recursos escassos.”

Os efeitos da emergência climática são mais evidentes do que a perda de biodiversidade, mas ainda assim, a sociedade não está conseguindo reduzir as emissões, argumenta o documento. Se as pessoas entendessem a magnitude das crises, mudanças na política e nas políticas poderiam coincidir com a gravidade da ameaça.

“Nosso ponto principal é que uma vez que você percebe a escala e a iminência do problema, fica claro que precisamos muito mais do que ações individuais, como usar menos plástico, comer menos carne ou voar menos. Nosso ponto é que precisamos de grandes mudanças sistemáticas e rápidas”, disse o professor Daniel Blumstein, da Universidade da Califórnia em Los Angeles, que ajudou a redigir o artigo.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Por que iceberg do tamanho do Rio de Janeiro que se desprendeu da Antártida anima cientistas?

Um iceberg gigante de cerca de 1.270 km² (a cidade do Rio de Janeiro tem 1.255 km²) quebrou e se desprendeu da Antártida, gerando euforia na comunidade científica. Na sexta-feira (26/2), instrumentos na superfície da plataforma …

Coronavírus: Por que vacinação sem lockdown pode tornar Brasil 'fábrica' de variantes superpotentes

O cenário atual no Brasil, que combina início da vacinação com transmissão descontrolada da covid-19, pode tornar o país uma "fábrica" de variantes potencialmente capazes de escapar por completo da eficácia das vacinas. Esta é …

Esquema de venda de vacinas falsas da COVID-19 é descoberto pela Interpol

Na última quarta-feira (3), autoridades da África do Sul apreenderam centenas de vacinas falsas da COVID-19, esquema que já havia sido alertado pela Interpol devido às disputas pelo imunizante no mundo inteiro. No país africano, foram …

Egito descobre cemitério de 2 mil anos com 600 cães e gatos

Pesquisadores poloneses encontraram cerca de 600 restos mortais de animais em um cemitério de dois mil anos, no Egito. De acordo com os cientistas, os corpos encontrados na necrópole são de gatos (cerca de 90% deles), …

Nova superterra encontrada pode dar pistas sobre vida fora do Sistema Solar

Um novo exoplaneta detectado orbitando uma estrela relativamente perto do nosso Sistema Solar, pode potencialmente ajudar a resolver enigmas sobre vida alienígena. Um exoplaneta com uma massa 2,8 maior do que a da Terra designado Gliese …

China anuncia meta de crescimento econômico mais modesta na abertura do Congresso Nacional do Povo

A reunião anual do Congresso Nacional do Povo da China foi aberta nesta sexta-feira (5), em Pequim, com o tradicional discurso do primeiro-ministro do país, Li Keqiang. O líder anunciou um objetivo de crescimento …

Análogo de Buraco negro de laboratório se comporta como Stephen Hawking previu

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia Technion-Israel tentaram confirmar duas das previsões mais importantes de Hawking, que a radiação hawking surge do nada e que não muda de intensidade ao longo do tempo, o que significa …

SP concentra 40% dos feminicídios com 200 mortes, diz estudo do Observatório de Segurança

A Rede de Observatórios da Segurança publicou seu relatório de dados sobre a violência contra a mulher do ano de 2020. O boletim, que traz números de cinco estados (SP, RJ, PE, CE e BA), mostrou …

Em pior momento da pandemia, Bolsonaro critica 'mimimi' e diz que brasileiro tem que enfrentar vírus

Um dia após o registro de novo recorde diário de mortes pela covid-19 no país, o presidente Jair Bolsonaro deu uma série de declarações dando a entender que o choro pelas vítimas é "frescura" e …

89% dos norte-americanos veem a China como inimiga ou concorrente

A maioria dos norte-americanos não vê a China como parceira e expressa preocupações crescentes sobre o histórico de direitos humanos e as práticas econômicas de Pequim, revelou uma nova pesquisa do Pew Research Center nesta …