Imunidade ao coronavírus ‘diminui rapidamente’ em assintomáticos, diz estudo britânico

Um estudo britânico publicado nesta terça-feira mostra que a imunidade adquirida por pessoas curadas do novo coronavírus “diminui muito rapidamente”, especialmente em pacientes assintomáticos e, em certos casos, pode durar apenas alguns meses.

O trabalho foi desenvolvido no período de 20 de junho a 28 de setembro de 2020. Pesquisadores do Imperial College de Londres e do Instituto Ipsos Mori acompanharam 350.000 pessoas, selecionadas aleatoriamente na Inglaterra, e que se submeteram regularmente a testes em casa para ver se tinham anticorpos contra a Covid-19.

“Durante este período, a proporção de pessoas com teste positivo para anticorpos Covid-19 diminuiu 26,5%“, de 6% para 4,4% da população testada, explica uma declaração, “o que sugere uma redução dos anticorpos nas semanas ou meses após a infecção”.

A imunidade diminui rapidamente“, observou Helen Ward, professora de saúde pública do Imperial College. O estudo desenvolvido na instituição britânica também mostra que “as pessoas que não apresentaram sintomas relacionados à Covid-19 têm probabilidade de perder seus anticorpos detectáveis ​​mais rapidamente do que aquelas que apresentaram sintomas”.

Imunidade mais baixa em idosos

Enquanto todas as faixas etárias são afetadas por esse declínio da imunidade, de acordo com o estudo, os idosos são mais afetados: entre junho e setembro, a proporção de pessoas com mais de 75 anos com anticorpos diminuiu 39%, ao mesmo tempo em que foi reduzida em apenas 14,9% para os jovens de 18 a 24 anos.

“Este estudo é uma parte crucial da pesquisa e ajuda a entender como os anticorpos da Covid-19 evoluem ao longo do tempo”, explicou o secretário de Estado da Saúde, James Bethell.

No entanto, “ainda não se sabe se os anticorpos conferem um nível eficaz de imunidade ou mesmo, em caso dessa imunidade existir, quanto tempo ela dura”, disseram os pesquisadores, enfatizando a importância de continuar a cumprir as diretrizes das autoridades de saúde.

A virologista Wendy Barclay, do Imperial College London, explicou que “este novo coronavírus parece se comportar de maneira bastante semelhante aos coronavírus sazonais que existem em humanos há décadas, senão centenas de milhares de anos”. Podemos ser “reinfectados a cada ano ou a cada dois anos” por esses coronavírus sazonais devido ao declínio da imunidade, detalhou ela à Times Radio.

Passaporte de imunidade não funcionaria

Diante de um possível risco de reinfecção pelo novo coronavírus, os pesquisadores não são favoráveis ao conceito de “passaporte de imunidade“, que visaria permitir que pessoas curadas do novo coronavírus levassem uma vida normal, garantindo um desconfinamento em toda segurança.

“No momento, esta não é uma boa ideia porque a qualidade da resposta dos anticorpos pode variar entre os indivíduos”, disse Barclay. A virologista fez um apelo ao “otimismo sobre as vacinas, porque elas funcionam de maneira diferente” e podem conferir imunidade mais longa, concluiu.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

"Tesouro" espetacular de antigos artefatos de caça na Noruega é descoberto sob gelo derretido

Arqueólogos descobriram um “tesouro” de artefatos enquanto outra grande mancha de gelo derrete nas montanhas norueguesas, revelando um total de 68 flechas e muitos outros itens de um antigo local de caça de renas. As primeiras …

Não é mais 90%? AstraZeneca assume erro de eficácia da vacina da COVID-19

A AstraZeneca e a Universidade de Oxford, que estão desenvolvendo juntas uma vacina contra a COVID-19, revelaram na última quarta-feira (25) que houve um erro no momento da divulgação dos resultados dos testes da vacina …

6G colocaria China em posição de liderança 'inatacável' sobre EUA, diz analista

Enquanto os padrões de tecnologia 5G para redes celulares de banda larga ainda estão sendo implementados em vários países, a China recentemente lançou um satélite 6G em órbita. Descrito como o primeiro satélite 6G do mundo, …

Sri Lanka escava fosso para manter elefantes longe de lixão

Um fosso está sendo cavado ao redor de um lixão no Sri Lanka para impedir que elefantes invadam o local à procura de comida entre montes de resíduos plásticos. Os animais vão regularmente até o …

Pela primeira vez, Trump admite deixar a Casa Branca

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou pela primeira vez que deixará a Casa Branca caso o Colégio Eleitoral vote no democrata Joe Biden, embora mantenha sua tese de que houve fraude na eleição …

Mutação da Covid-19: Premiê da Dinamarca chora e se desculpa por massacre de visons

A primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen, 43 anos, se desculpou pessoalmente nesta quinta-feira por sua gestão da pandemia. Enxugando as lágrimas, ela reconheceu que seu governo errou ao determinar o massacre de milhares de …

Herdeira da Disney diz que "tinha vergonha do sobrenome" ao falar de doação milionária

Abigail Edna Disney cresceu com muita vergonha do sobrenome que ostentava. Desde pequena, mais precisamente depois que completou dez anos, percebeu que o tamanho do patrimônio da família não condizia com a realidade da maioria …

Arqueólogos revelam restos mortais de cachorro de 8.400 anos descoberto na Suécia

Após vários meses de meticulosos trabalhos de escavação, foram finalmente revelados os restos mortais de um cachorro, de uma raça há muito tempo desaparecida, enterrado há mais de 8.400 anos na Suécia ao lado de …

“Cogumelos mágicos” são 4x melhores do que antidepressivos, descobre estudo

Quando a psilocibina, a molécula psicodélica descoberta nos cogumelos mágicos (Psilocybe cubensis), é usada durante a psicoterapia, parece possuir efeitos antidepressivos rápidos, substanciais e duradouros contra a depressão maior, de acordo com um novo ensaio …

Sem Trump, Putin e Bolsonaro ensaiam aproximação

Moscou sabe que a troca de poder na Casa Branca abre brecha na política externa brasileira. O elogio do presidente russo às "qualidades masculinas" de Bolsonaro pode ser apenas o primeiro sinal de uma aproximação. "O …